Revista do AviSite
Revista do OvoSite
Edições anteriores
Notícias
Informativo Diário
Informativo Semanal
AviGuia
AviSite
Trabalhos Técnicos
Legislação
Busca Avançada
Cadastre-se
Contato
Anuncie
Patrocinadores
Quinta-feira, 02/12/2021
Siga-nos:
Notícias Informativo Diário Informativo Semanal
NOTÍCIAS
Alta de fertilizantes afeta margens, mas preços dos grãos limitam perdas


Mudanças na logística de exportações também mantêm produção brasileira competitiva, segundo participantes de evento da Anda

Campinas, SP, 24/11/2021
Categoria: Matérias-Primas

O impacto da alta de custos de fertilizantes para a margem do produtor brasileiro e o risco de falta de produtos a partir de 2022 direcionaram as discussões em evento virtual realizado nesta terça-feira pela Associação Nacional para Difusão de Adubos (Anda).

A escalada das cotações vai impactar as margens do agricultor a partir de 2022, mas melhoras logísticas e os preços internacionais elevados das commodities poderão limitar a redução, avaliaram os participantes do evento.

Indústrias como a Mosaic Fertilizantes, uma das maiores fornecedoras do mundo, não enxergam risco para os negócios. “Não acreditamos em mudança significativa na demanda geral, porque os preços [das commodities] ainda podem encorajar os agricultores a usar fertilizantes”, disse Corrine Ricard, presidente da companhia.

Para ela, o real desafio para o consumo de fertilizantes será para as agriculturas de subsistência mundo afora. Alzbeta Klein, diretora da International Fertilizer Association (IFA), divide a leitura. Klein disse, ainda, que três classes de fatores “disruptivos” afetaram o segmento em 2021, levando a altas históricas de preços de nutrientes.

São eles os eventos relacionados ao clima, que afetaram unidades produtoras nos Estados Unidos; a disparada de preços de energia, como a do gás natural (matéria-prima para nitrogenados e fosfatados); e decisões políticas em países fornecedores.

Por isso, os movimentos de Rússia, China e Belarus estão no radar dos brasileiros. A Rússia estabeleceu, recentemente, cotas de exportação para nitrogenados e fertilizantes especiais, com o fim de assegurar o fornecimento em seu mercado interno.

Como a Rússia fornece 20% do que o Brasil consome em adubos, a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, foi ao país, na semana passada, conversar com autoridades e empresas para garantir o cumprimento de contratos. A medida do governo russo deverá valer a partir de dezembro.

Há cerca de duas semanas, a ministra também conversou com um representante da Belaruskali que esteve no Brasil. A estatal de Belarus é uma das maiores exportadoras de potássio do mundo, e as sanções aplicadas neste ano àquele país pelos Estados Unidos e pela União Europeia podem trazer reflexos às importações pelo Brasil.

A ministra disse no congresso da Anda que vai em dezembro ao Canadá, país que também é um fornecedor importante, sobretudo de potássio. Por causa das dificuldades que surgiram no cenário global após a pandemia — não apenas para adquirir fertilizantes —, o ministério vai criar um grupo temático para discutir questões relacionadas a insumos.

A ministra afirmou, ainda, que as preocupações relacionadas à normalidade de fornecimento de insumos não envolvem ciclos produtivos no curto prazo, e as ações estão sendo tomadas de olho na safra 2022/23.

Em outra frente, o governo prepara o Plano Nacional de Fertilizantes, com o intuito de reduzir a dependência externa. O Brasil importa cerca de 85% dos adubos que consome. Guilherme Bastos, secretário de Política Agrícola do ministério, disse que lançamento “ocorrerá em breve”.

Preocupações e iniciativas à parte, o presidente da Associação Brasileira do Agronegócio (Abag), Marcelo Britto, não acredita em falta de insumos. “Vai ficar mais caro”, disse. “Me preocupa a situação dos pequenos e médios produtores”, acrescentou. Britto alertou para o momento de produtores de culturas perenes, como café e cana, que terão de tomar decisões para a compra de insumos quando a visão dos preços das commodities em dois ou três anos ainda é opaca. “Há um desequilíbrio entre oferta e demanda mundial”, comenta.

Margens

A alta de insumos vai pesar no bolso do agricultor brasileiro, mas a produção continuará competitiva em relação à dos EUA. Os americanos também são importantes fornecedores globais de grãos como soja e milho. A avaliação é de Carlos Cogo, consultor da Cogo Inteligência em Agronegócio.

De acordo com uma simulação apresentada por ele, se o produtor brasileiro de soja tomasse a decisão, hoje, de comprar fertilizantes para a próxima temporada, gastaria duas vezes e meia a mais do que investiu na safra cultivada em setembro deste ano. No plantio atual, o agricultor precisou de 6,4 sacas de oleaginosa para comprar adubo para 1 hectare.

“Apesar disso, ainda haveria margem líquida positiva”, disse Cogo. “Mesmo no pior ambiente possível, o produtor brasileiro ainda tem rentabilidade maior do que o produtor norte-americano”, continuou. A causa para isso é logística favorável. O escoamento das exportações brasileiras pelos portos do Arco Norte cresceu 483% em dez anos. O cenário reduz a vantagem dos Estados Unidos em comparação ao que sai do Cerrado brasileiro.

Em linha com as avaliações apresentadas sobre a evolução da logística no país, o coordenador do Centro Insper Agro Global, Marcos Jank, disse que houve melhoria em rodovias e ferrovias — destacando o uso da ferrovia Norte-Sul, que deverá estar operacional entre Santos e Itaqui. “Em breve teremos a chegada das ferrovias ao centro do Mato Grosso, talvez com 50 anos de atraso”, afirmou.


Fonte: Valor Econômico
Autor: Érica Polo




COMENTÁRIOS



NOTÍCIAS RELACIONADAS

ÚLTIMAS NOTÍCIAS



















NOTÍCIAS MAIS LIDAS
5 dias
30 dias
NOSSOS PARCEIROS
REVISTA ONLINE

Clique acima para acessar o leitor digital ou abaixo para Download do PDF