Revista do AviSite
Revista do OvoSite
Edições anteriores
Notícias
Informativo Diário
Informativo Semanal
AviGuia
AviSite
Trabalhos Técnicos
Legislação
Busca Avançada
Cadastre-se
Contato
Anuncie
Patrocinadores
Domingo, 17/10/2021
Siga-nos:
Notícias Informativo Diário Informativo Semanal
NOTÍCIAS
Desempenho do ovo em julho e nos sete primeiros meses de 2021




Campinas, 02/08/2021

Mesmo em tempos normais, julho nunca foi o melhor dos meses para o ovo, pois (basta observar o comportamento médio dos últimos 10 anos), o primeiro mês do segundo semestre está caracterizado como o início de um período em que ocorre um processo natural de perda de preço, período este que perdura por 3-4 meses, só começando a ser revertido no final do exercício.

Pois em 2021 essa situação tende a uma mudança. E julho já demonstrou isso. Pois, em vez de retrocederem em relação ao mês anterior, as cotações registradas apresentaram alta mensal de 2,25% e alcançaram o segundo maior valor do corrente exercício, atrás apenas (por pequena diferença, 1,4% a menos) do recorde registrado em fevereiro passado.

Tal recuperação deve se intensificar em agosto corrente. E não apenas porque o País retoma suas atividades, mas também porque o setor começa a contar com a volta de um consumidor perdido desde o reconhecimento da pandemia, em março do ano passado: a merenda escolar.

Mesmo assim, é importante reconhecer que a obtenção de um dos melhores preços do ano não significa que o setor esteja, economicamente, em situação melhor que em meses anteriores.

O que pode levar a essa falsa conclusão é o fato de os preços médios de julho passado terem ficado 53% acima do valor registrado um ano atrás, o que – para os menos afetos às peculiaridades do setor – soa como uma exorbitância.

Mas o que precisa ser considerado aqui é que, há exatamente um ano, após o primeiro “boom” de consumo surgido com o isolamento social (na emergência, o ovo foi a salvação, por ser de fácil e rápida preparação), o consumidor passou a diversificar sua alimentação (entrou na moda o “delivery”), o que fez com que as cotações do produto sofressem forte retração (no trimestre julho/setembro, os menores preços de 2020).

Em outras palavras, para o setor produtivo a correção anual de mais de 50% não tem o menor significado. Porque, principalmente, o insumo básico do ovo, o milho, registrou nestes últimos 12 meses aumento superior a 90%.

Por sinal, essa situação se revela ainda mais crítica ao se comparar os preços mais recentes com a média registrada em 2019, quando o milho tinha preços mais comportados para os padrões brasileiros. Neste caso, a valorização obtida pelo ovo ficou próxima dos 65%. Já o milho teve o seu preço corrigido em 140%.




Acompanhe as últimas Edições da Revista do AviSite e Revista do OvoSite

  


Fonte: AviSite
Autor: Redação




COMENTÁRIOS



NOTÍCIAS RELACIONADAS

ÚLTIMAS NOTÍCIAS



















NOTÍCIAS MAIS LIDAS
5 dias
30 dias
NOSSOS PARCEIROS
REVISTA ONLINE

Clique acima para acessar o leitor digital ou abaixo para Download do PDF