Domingo, 12 de Julho de 2020
Produção

Alojamento de pintos de corte caiu menos do que o esperado pela Apinco
Campinas, SP, 29 de Maio de 2020 - A redução no alojamento de pintos de corte no Brasil em abril foi de 3%, segundo o presidente da Associação Brasileira dos Produtores de Pintos de Corte (Apinco), José Paulo Meirelles Kors. A previsão feita por ele anteriormente era que no mês a queda seria entre 5% a 10% nos alojamentos. Ele afirma que em abril, a redução foi de em torno de 550 milhões de aves para 537 milhões.

Como razões para explicar a queda não tão abrupta, ele cita a dificuldade logística, motivada pelo coronavírus, para exportar ovos férteis, o que fez os volumes caírem de uma média de 18 milhões por mês no primeiro trimestre para 5 milhões em abril. "Os ovos férteis que ficaram aqui no Brasil acabaram se tornando pintinhos".

Outro fator que contribuiu para que a redução na demanda por pintos de corte não fosse tão acentuada foram os bons resultados nos volumes exportados de carne de frango.

Para Kors, atualmente oferta e demanda por pintos de corte estão "relativamente equilibradas", e uma redução na oferta dos animais não é planejada de imediato, já que as grandes produtoras de carne de frango - e responsáveis por boa parcela das exportações - seguem alojando normalmente.

Entretanto, 70% da proteína de frango produzida no Brasil fica no mercado interno, e com os preços caindo e a cadeia produtiva tendo cerca de R$ 1 de prejuízo por quilo de carne, será a resposta desse mercado que irá ditar uma possível diminuição nos alojamentos.

"Por enquanto, os alojamentos seguem dentro de uma certa normalidade, mas é esse mercado interno que vai nos mostrar até quando a demanda deve seguir assim. Vamos ter que ver até quando essas empresas vão aguentar esse prejuízo, e quando elas já não suportarem, aí vão passar a diminuir o alojamento", explicou.

Na opinião do presidente da Apinco, os alojamentos deveriam ser reduzidos no país todo para cerca de 500 milhões de aves para que a oferta de carne fosse reduzida e os preços para o setor produtivo se recuperassem.
(Notícias Agrícolas) (Letícia Guimarães)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Domingo, 12/07
Sexta-Feira, 10/07
Com alta de 24,5%, exportações do agronegócio batem recorde para meses de junho e ultrapassam US$ 10 bilhões (13:53)
FRANGO/CEPEA: apesar de queda nos embarques, preço interno da carne está firme (07:31)
Agronegócio responde por 72% das exportações catarinenses no primeiro semestre de 2020 (07:26)
Com recordes de valores de soja e milho, VBP de 2020 é estimado em R$ 716,6 bilhões (07:25)
Comercialização de soja 2019/20 e da safra nova em junho foi mais lenta (07:10)
Quinta-Feira, 09/07
SUÍNOS/CEPEA: preços do vivo sobem em quase todas as regiões; exportações estão aquecidas (09:47)
BOI/CEPEA: indicador volta a fechar acima de R$ 220 (09:46)
Dicas para inovar no agronegócio e vender mais (08:15)
C.Vale e Pluma Agroavícola colocam em funcionamento frigorífico da Plusval (08:14)
Brasil retoma posto de maior produtor de soja do planeta (07:53)
Quarta-Feira, 08/07
Produção de grãos deve atingir 251,4 milhões de toneladas segundo levantamento da Conab (11:32)
Indústria global de carne de aves se recupera gradualmente, mas 2º semestre pode trazer volatilidade (09:12)
Nui Markets vê bom potencial no Brasil (09:10)
Exportadores do Brasil propõem testar carne para acalmar China (09:10)
Exportação de grãos deve beirar recorde (09:09)
Terça-Feira, 07/07
Teste rápido é inútil para conter a covid-19 dentro de frigoríficos (09:25)
Falha em busca ativa justifica testes de anticorpos, diz MPT (09:23)
Preços mais firmes para o farelo de soja (08:47)
Podcast FACTA: novo episódio será sobre a utilização da tecnologia NIR para análises rápidas e eficientes na alimentação animal (08:02)