Quarta-feira, 15 de Julho de 2020
Saúde Pública

BRF busca manter oferta ajustada às curvas da demanda
São Paulo, SP, 28 de Maio de 2020 - Os reflexos da pandemia sobre o mercado de alimentos no país têm gerado movimentos erráticos no comportamento da demanda e exigido adaptações na produção, mas, com uma estratégia focada no médio prazo e a adoção de medidas de proteção aos trabalhadores, a BRF tem conseguido manter suas unidades em operação e direcionar as vendas aos canais onde o consumo está mais aquecido.

Em Live do Valor realizada ontem, o CEO da companhia, Lorival Luz, lembrou que a BRF criou um comitê multifuncional para enfrentar a covid-19, implementou ações como o distanciamento para preservar a saúde dos trabalhadores e tem procurado trabalhar de maneira construtiva para enfrentar a crise, inclusive com canais de diálogo aberto com governos federal, estaduais e municipais.

Mesmo tendo sido obrigada a suspender temporariamente as atividades em sua unidade localizada em Lajeado (RS) - a fábrica já voltou a rodar -, disse o executivo, de forma geral as fábricas da companhia continuam operando. Segundo o CEO da BRF, no que depender da companhia e da indústria de aves, suínos e alimentos processados como um todo, não há risco de desabastecimento nos próximos meses no Brasil.

Nesse sentido, disse Luz, a BRF já iniciou um processo de contratação de 2 mil funcionários para eventuais substituições de trabalhadores contaminados que tenham que se afastar temporariamente de suas funções e o número poderá chegar a cerca de 5 mil se for necessário.

De acordo com o executivo, por mais que a área de food service esteja com muitos problemas em razão das medidas restritivas à circulação na maior parte do país, o deslocamento do consumo para as residências tem mantido a demanda agregada por produtos da BRF, que é dona das marcas Sadia e Perdigão. Luz afirmou que as vendas de congelados, por exemplo, estão em alta, e que as de margarina cresceram 18% no varejo.

Lorival Luz também destacou na Live do Valor que, em tempos de crise econômica, proteínas animais mais baratas, como carnes de frango e suína, costumam ser privilegiadas, e que nesse sentido esse mercado poderá inclusive crescer nos próximos meses.

Para a BRF, as recentes oscilações do dólar também não têm sido motivo para maiores preocupações neste momento. Segundo Lorival, em primeiro lugar porque a empresa é grande exportadora - a alta do dólar favorece os embarques e a geração de caixa -, mas também porque alongou dívidas e os primeiros vencimentos em parcelas em moeda americana serão apenas em 2022.

Uma das maiores empresas de alimentos do país, a BRF tem 34 unidades de produção - a empresa também tem cinco plantas no exterior. No total, são 90 mil colaboradores espalhados por 130 países. No primeiro trimestre, a receita líquida da companhia somou R$ 8,9 bilhões.
(Valor Econômico) (Fernando Lopes)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Quarta-Feira, 15/07
Terça-Feira, 14/07
Agências da ONU recomendam mudança na área de alimentos (10:16)
Crise? Que crise? Setor de alimentos está bombando na Bolsa (10:12)
Ajuste da oferta faz frango subir no país (08:38)
Governador do Tocantins reafirma compromisso com a iniciativa privada visando a geração de empregos (08:25)
Sistema de compartimentação abre portas para a avicultura catarinense em mercados exigentes (08:20)
Brasil importa mais que o triplo de soja nos primeiros 8 dias úteis de julho do que em todo mesmo mês de 2019 (07:39)
Apenas em 2 semanas de julho Brasil já exportou 132% a mais de milho do que todo o mês de junho (07:30)
Segunda-Feira, 13/07
Doença de Gumboro é tema do novo podcast FACTA (14:59)
Frigoríficos avícolas gaúchos investem no combate a pandemia (14:58)
OVOS/CEPEA: maior demanda e oferta limitada elevam preços (13:05)
Milho: indicador CEPEA volta a fechar acima de R$ 50/sc (13:02)
Soja: com baixo excedente, importação é a maior desde ju/16 (13:00)
PDSA desevolve cursos virtuais para garantir sanidade no RS (11:06)
Instituto Ovos Brasil e CEPEA criam ferramenta para consulta de preço de ovos (08:34)
Governo do Paraná e JBS discutem investimentos no Estado (08:00)
Uberlândia recebe anúncio de R$ 80 milhões em investimentos (07:59)
Secretaria de Saúde do Paraná acompanha atividades em frigoríficos (07:57)
Pandemia estimula consumo de frango no mercado interno e aquece exportações (07:57)
Sexta-Feira, 10/07
Com alta de 24,5%, exportações do agronegócio batem recorde para meses de junho e ultrapassam US$ 10 bilhões (13:53)
FRANGO/CEPEA: apesar de queda nos embarques, preço interno da carne está firme (07:31)
Agronegócio responde por 72% das exportações catarinenses no primeiro semestre de 2020 (07:26)
Com recordes de valores de soja e milho, VBP de 2020 é estimado em R$ 716,6 bilhões (07:25)
Comercialização de soja 2019/20 e da safra nova em junho foi mais lenta (07:10)
Quinta-Feira, 09/07
SUÍNOS/CEPEA: preços do vivo sobem em quase todas as regiões; exportações estão aquecidas (09:47)
BOI/CEPEA: indicador volta a fechar acima de R$ 220 (09:46)
Dicas para inovar no agronegócio e vender mais (08:15)
C.Vale e Pluma Agroavícola colocam em funcionamento frigorífico da Plusval (08:14)
Brasil retoma posto de maior produtor de soja do planeta (07:53)