Quarta-feira, 15 de Julho de 2020
Saúde Animal

Pandemia já afeta produção de carne bovina
São Paulo, SP, 28 de Maio de 2020 - A disseminação do novo coronavírus começou a afetar regiões produtoras de carne bovina do país de forma mais relevante. O impacto da doença sobre os frigoríficos, que até então estava mais concentrado nos polos de criação de suínos e aves, já levou à interdição de uma unidade.

O Ministério Público do Trabalho (MPT) informou ontem que a Justiça determinou a interdição do abatedouro de bovinos da JBS em São Miguel do Guaporé (RO) até que a empresa faça testes em todos os funcionários para a detecção da covid-19.

De acordo com o MPT, mais de 60% dos casos de coronavírus confirmados no município de Rondônia são de funcionários da JBS. Na última terça-feira, o boletim diário do governo estadual registrava 46 casos da doença em São Miguel do Guaporé. A população da cidade é de 23 mil, o que significa uma taxa de incidência de casos de 199,9 por 100 mil, em linha com a incidência registrada no Estado, de 196,5, e próxima do mesmo indicador em todo o país, que está em 186,2, de acordo com o Ministério da Saúde.

Na decisão na qual determinou a interdição do frigorífico, o juiz Wadler Ferreira mencionou a doação de R$ 400 milhões que a JBS fará no Brasil para combater a doença. De acordo com o magistrado, o desembolso de R$ 300 mil para a realização de testes nos funcionários da unidade não causará “nenhum impacto financeiro, até porque este valor pode ser tirado justamente daquele que será doado”.

Procurada, a JBS não fez comentários específicos sobre a decisão judicial, mas reiterou as medidas que vem adotando para proteger funcionários desde o início da pandemia.

Entre as grandes indústrias de carne bovina do país, a JBS não é a única a registrar aumento de casos da covid-19. Em Araguaína, cidade de Tocantins que mais registra casos - quase 1,3 mil -, a Minerva realizou testes rápidos e detectou 55 casos suspeitos entre funcionários. Na planta, o grupo emprega 730 pessoas. Para evitar a disseminação do vírus, a companhia vem trabalhando em suas unidades com somente 70% de sua capacidade, em média.

A Marfrig, segunda maior indústria, também registra casos. No complexo de Várzea Grande (MT), na região de Cuiabá, a companhia tinha, até segunda-feira, 25 casos confirmados. A companhia emprega 3 mil funcionários na unidade. Na segunda-feira, o MPT informou que conseguiu uma liminar obrigando a Marfrig a adotar medidas pra adequar as linhas de produção em todos os frigoríficos do grupo em Mato Grosso.

“Em apenas dois dias, os casos quase dobraram, relevando um aumento em escalada geométrica dos casos de covid-19. Esses dados estão a indicar princípio de surto de covid na unidade”, informou o MPT, em nota. Até quarta-feira, Várzea Grande registrava 178 casos da doença, o que representa uma incidência de 62,42 por 100 mil, acima do índice de 46,7 em Mato Grosso.

Procurada, a Marfrig informou que, com a confirmação dos casos em Várzea Grande, todos os procedimentos previstos em seu protocolo de contingência foram adotados, o que inclui a realização de inquérito epidemiológico e o afastamento, “de maneira preventiva”, de todos os funcionários que tiveram contato com aqueles que testaram positivo.

“A Marfrig está seguindo todas as determinações da vigilância epidemiológica do município que, na quinta-feira passada, dia 14 de maio, fez uma visita a planta e, após análise, aprovou todas as ações feitas e o plano de contingência para a unidade”, informou a empresa, em nota.
(Valor Econômico) (Luiz Henrique Mendes)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Quarta-Feira, 15/07
Terça-Feira, 14/07
Agências da ONU recomendam mudança na área de alimentos (10:16)
Crise? Que crise? Setor de alimentos está bombando na Bolsa (10:12)
Ajuste da oferta faz frango subir no país (08:38)
Governador do Tocantins reafirma compromisso com a iniciativa privada visando a geração de empregos (08:25)
Sistema de compartimentação abre portas para a avicultura catarinense em mercados exigentes (08:20)
Brasil importa mais que o triplo de soja nos primeiros 8 dias úteis de julho do que em todo mesmo mês de 2019 (07:39)
Apenas em 2 semanas de julho Brasil já exportou 132% a mais de milho do que todo o mês de junho (07:30)
Segunda-Feira, 13/07
Doença de Gumboro é tema do novo podcast FACTA (14:59)
Frigoríficos avícolas gaúchos investem no combate a pandemia (14:58)
OVOS/CEPEA: maior demanda e oferta limitada elevam preços (13:05)
Milho: indicador CEPEA volta a fechar acima de R$ 50/sc (13:02)
Soja: com baixo excedente, importação é a maior desde ju/16 (13:00)
PDSA desevolve cursos virtuais para garantir sanidade no RS (11:06)
Instituto Ovos Brasil e CEPEA criam ferramenta para consulta de preço de ovos (08:34)
Governo do Paraná e JBS discutem investimentos no Estado (08:00)
Uberlândia recebe anúncio de R$ 80 milhões em investimentos (07:59)
Secretaria de Saúde do Paraná acompanha atividades em frigoríficos (07:57)
Pandemia estimula consumo de frango no mercado interno e aquece exportações (07:57)
Sexta-Feira, 10/07
Com alta de 24,5%, exportações do agronegócio batem recorde para meses de junho e ultrapassam US$ 10 bilhões (13:53)
FRANGO/CEPEA: apesar de queda nos embarques, preço interno da carne está firme (07:31)
Agronegócio responde por 72% das exportações catarinenses no primeiro semestre de 2020 (07:26)
Com recordes de valores de soja e milho, VBP de 2020 é estimado em R$ 716,6 bilhões (07:25)
Comercialização de soja 2019/20 e da safra nova em junho foi mais lenta (07:10)
Quinta-Feira, 09/07
SUÍNOS/CEPEA: preços do vivo sobem em quase todas as regiões; exportações estão aquecidas (09:47)
BOI/CEPEA: indicador volta a fechar acima de R$ 220 (09:46)
Dicas para inovar no agronegócio e vender mais (08:15)
C.Vale e Pluma Agroavícola colocam em funcionamento frigorífico da Plusval (08:14)
Brasil retoma posto de maior produtor de soja do planeta (07:53)