Quarta-feira, 15 de Julho de 2020
Matérias-Primas

Milho cai no mercado físico e na B3 seguindo baixa do dólar
Campinas, SP, 28 de Maio de 2020 - Ontem, a quarta-feira (27) chegou ao final com algumas movimentações negativas para os preços do milho no mercado físico brasileiro. Em levantamento realizado pela equipe do Notícias Agrícolas, foram percebidas valorizações em Ponta Grossa/PR (2,22% e preço de R$ 46,00) e Brasília/DF (2,60% e preço de R$ 39,50).

Já as desvalorizações apareceram nas praças de Palma Sola/SC (1,12% e preço de R$ 44,00), Cascavel/PR (1,20% e preço de R$ 1,20% e preço de R$ 41,00), Porto Paranaguá/PR (2,13% e preço de R$ 46,00), Assis/SP (2,17% e preço de R$ 45,00), Castro/PR (2,17% e preço de R$ 45,00), Amambai/MS (2,44% e preço de R$ 40,00) e Sorriso/MT disponível (3,13% e preço de R$ 31,00).

De acordo com o reporte diário da Radar Investimentos, o mercado físico está de lado. “De maneira geral, há pouca força para movimentos mais bruscos das cotações nas praças paulistas neste momento. As referências em Campinas-SP giram ao redor de R$50,00 e R$51,00/saca, com frete incluso e prazo de 30 dias”.

A Secretaria de Agricultura e do Abastecimento do Paraná divulgou, por meio do Departamento de Economia Rural (Deral), seu o relatório de plantio e das principais safras do estado.

O relatório semanal apontou que 100% das lavouras de milho verão no Paraná já foram colhidas até a última segunda-feira (25).

Já para a segunda safra, os trabalhos de colheita já começaram, com 2% de toda a área retirada dos campos. As lavouras restantes se dividem com 11% já em maturação, 56% em frutificação, 28% em floração e 5% ainda em descanso vegetativo.

Quanto à qualidade destas áreas, 41% estão boas, 43% estão em médias e 16% com condições ruins.

No último levantamento divulgado há uma semana, ainda eram 45% das áreas com boas condições no estado, uma queda de 4 pontos percentuais nos últimos sete dias.

B3

A Bolsa Brasileira (B3) operou todo o dia com movimentações negativas para os preços futuros do milho. As principais cotações caiam entre 0,91% e 1,73% por volta das 16h31 (horário de Brasília).

O vencimento julho/20 era cotado à R$ 44,79 com desvalorização de 1,73%, o setembro/20 valia R$ 43,50 com baixa de 0,91%, o novembro/20 era negociado por R$ 46,25 com perda de 1,39% e o março/21 tinha valor de R$ 47,00 com queda de 1,32%.

As cotações do milho no Brasil sentiam reflexo das movimentações negativas do câmbio. Por volta das 16h27 (horário de Brasília) a moeda americana caia 1,08% e era cotado à R$ 5,28.

Em nota, a consultoria Dellagro informa que o comprador de milho demanda o cereal apenas para se abastecer no curto prazo, enquanto os vendedores buscam negociações com milho novo entrando no cenário. "O mercado olha com cuidado a queda forte e acentuada do dólar e suas consequências nos mercados derivativos".

Mercado Externo

Já na Bolsa de Chicago (CBOT), a quarta-feira (27) termina com leves elevações para os preços internacionais do milho futuro. As principais cotações registravam movimentações positivas entre 0,50 e 1,50 pontos.

O vencimento julho/20 era cotado à US$ 3,20 com alta de 1,50 pontos, o setembro/20 valia US$ 3,25 com valorização de 1,25 pontos, o dezembro/20 era negociado por US$ 3,34 com ganho de 0,50 pontos e o março/21 tinha valor de US$ 3,46 com estabilidade.

Esses índices representaram altas, com relação ao fechamento da última terça-feira, de 0,31% para o julho/20 e de 0,31% para o setembro/20, além de estabilidade para o dezembro/20 e para o março/21.

Segundo informações da Agência Reuters, o milho subiu depois que o USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) informou que o plantio era mais lento do que o esperado em uma atualização semanal do progresso da colheita, mas os ganhos foram limitados pelas preocupações contínuas sobre a demanda fraca e a ampla oferta de grãos.

“O progresso do plantio está mais atrasado do que o pensamento comercial e o clima daqui para frente é um pouco preocupante”, disse Ted Seifried, estrategista-chefe de mercado agrícola do Zaner Group em Chicago.
(Notícias Agrícolas) (Guilherme Dorigatti)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Quarta-Feira, 15/07
Terça-Feira, 14/07
Agências da ONU recomendam mudança na área de alimentos (10:16)
Crise? Que crise? Setor de alimentos está bombando na Bolsa (10:12)
Ajuste da oferta faz frango subir no país (08:38)
Governador do Tocantins reafirma compromisso com a iniciativa privada visando a geração de empregos (08:25)
Sistema de compartimentação abre portas para a avicultura catarinense em mercados exigentes (08:20)
Brasil importa mais que o triplo de soja nos primeiros 8 dias úteis de julho do que em todo mesmo mês de 2019 (07:39)
Apenas em 2 semanas de julho Brasil já exportou 132% a mais de milho do que todo o mês de junho (07:30)
Segunda-Feira, 13/07
Doença de Gumboro é tema do novo podcast FACTA (14:59)
Frigoríficos avícolas gaúchos investem no combate a pandemia (14:58)
OVOS/CEPEA: maior demanda e oferta limitada elevam preços (13:05)
Milho: indicador CEPEA volta a fechar acima de R$ 50/sc (13:02)
Soja: com baixo excedente, importação é a maior desde ju/16 (13:00)
PDSA desevolve cursos virtuais para garantir sanidade no RS (11:06)
Instituto Ovos Brasil e CEPEA criam ferramenta para consulta de preço de ovos (08:34)
Governo do Paraná e JBS discutem investimentos no Estado (08:00)
Uberlândia recebe anúncio de R$ 80 milhões em investimentos (07:59)
Secretaria de Saúde do Paraná acompanha atividades em frigoríficos (07:57)
Pandemia estimula consumo de frango no mercado interno e aquece exportações (07:57)
Sexta-Feira, 10/07
Com alta de 24,5%, exportações do agronegócio batem recorde para meses de junho e ultrapassam US$ 10 bilhões (13:53)
FRANGO/CEPEA: apesar de queda nos embarques, preço interno da carne está firme (07:31)
Agronegócio responde por 72% das exportações catarinenses no primeiro semestre de 2020 (07:26)
Com recordes de valores de soja e milho, VBP de 2020 é estimado em R$ 716,6 bilhões (07:25)
Comercialização de soja 2019/20 e da safra nova em junho foi mais lenta (07:10)
Quinta-Feira, 09/07
SUÍNOS/CEPEA: preços do vivo sobem em quase todas as regiões; exportações estão aquecidas (09:47)
BOI/CEPEA: indicador volta a fechar acima de R$ 220 (09:46)
Dicas para inovar no agronegócio e vender mais (08:15)
C.Vale e Pluma Agroavícola colocam em funcionamento frigorífico da Plusval (08:14)
Brasil retoma posto de maior produtor de soja do planeta (07:53)