Segunda-feira, 25 de Maio de 2020
Empresas

Cobb-Vantress adota biosseguridade de vanguarda na proteção à saúde das aves e dos colaboradores

Empresa adota medidas rigorosas para a qualidade sanitária, eficiência da produção e segurança dos membros da equipe
Guapiaçu, SP, 21 de Maio de 2020 - A Cobb-Vantress adota uma série de medidas rigorosas de biosseguridade para a qualidade sanitária de seus lotes e eficiência na produção. E biosseguridade é uma palavra que vem ganhando destaque cada vez maior diante do atual momento de pandemia de Covid-19, doença provocada pelo novo Coronavírus. São iniciativas que visam a segurança sanitária da sua produção e também dos seus colaboradores. Isso quer dizer atuar antecipadamente para a mitigação de riscos de doenças aviárias, que podem causar sérios riscos à avicultura mundial e à saúde pública. "Banho e troca de roupas e calçados são obrigatórios para todas as pessoas que acessam a área de recria e produção das granjas, incubatórios e fábricas de ração", cita o diretor Associado de Qualidade e Sanidade da Cobb-Vantress na América do Sul, Rafael Bampi.

Nas granjas, são pelo menos três banhos só para visitar um lote. "O banho de entrada na portaria central, um banho na entrada e outro na saída das portarias dos setores são obrigatórios", amplia. Se a presença for extremamente necessária, as pessoas precisam fazer um registro completo, continua. "Todas as pessoas que têm acesso às granjas, aos incubatórios e a fábrica de ração devem se registrar na portaria central. Para as granjas, o acesso aos setores deve ser registrado da mesma maneira. Visitantes ainda devem preencher um questionário indicando se tiveram contato com aves nos últimos sete dias e que não apresentam sintomas de desordem gastrointestinal. O acesso ainda deve ser aprovado por um membro da equipe de gestão do Compartimento", menciona Bampi.

Limpeza e desinfecção das mãos com álcool gel antes de entrar no aviário também é regra, assim como desinfecção das botas com solução bactericida e viricida. O executivo explica que todos os funcionários são treinados e instruídos a não manter contato com outras espécies de aves, mesmo caseiras. "Todos assinam contrato de trabalho com cláusula de não criar aves e há vistoria na casa dos funcionários das áreas de produção. Qualquer um que tenha contato ou proximidade com aves em sua residência deve informar seu superior e será mantido fora do contato com aves da empresa até que esse contato ou proximidade sejam eliminados", conta. "Para funcionários são 3 dias de quarentena. Para visitantes, 7 dias sendo os últimos dois dias em hotel da cidade", amplia.

Treinamentos e conscientização fazem parte da rotina. "Todos os colaboradores das áreas de produção são treinados regularmente dentro das regras de biosseguridade. A participação é registrada em lista de presença. Todos os treinamentos seguem processo de reciclagem periodicamente", cita ele. "Se tudo isso é regra, o uso de equipamentos de proteção individual não seria diferente. Seu uso é obrigatório, incluindo a máscara de proteção PFF2 (N95), a mesma indicada pelo Ministério da Saúde para proteção contra o COVID-19", comenta.







Veículos

Bampi destaca o acesso rigorosamente restrito de veículos nas unidades de produção. "Os veículos de uso interno são exclusivos de cada granja, seja qual for a finalidade do veículo. Quando há necessidade de entrar no setor, os veículos sofrem desinfecção úmida com desinfetante bactericida e viricida na entrada e saída e seu acesso é registrado em item de controle de setor", comenta. Todos os veículos sofrem limpeza e desinfecção periódicas pré-definidas. Assim como as pessoas, o registro de acesso dos veículos também é obrigatório. "Todos os veículos não exclusivos da granja que têm acesso através do arco de desinfecção da portaria central devem ser registrados em formulário próprio que identifique origem e destino de cada veículo".

Materiais e equipamentos

As regras de biosseguridade atingem também materiais e equipamentos, que são desinfetados antes da entrada e na saída das unidades e dos setores com desinfetante de ação bactericida e viricida. "Em todas as granjas, cada setor possui seus materiais e equipamentos de uso exclusivo, necessários para o desempenho de todas as atividades durante o período que o setor estiver ocupado com aves. Materiais e equipamentos não são compartilhados entre setores durante o período de ocupação das aves", pontua.

Para não haver proximidade com espécies suscetíveis ao vírus aviários, a limpeza e desinfecção dos aviários e outras estruturas são rotineiras. "As unidades possuem um programa de limpeza e desinfecção com a utilização de produtos comprovadamente eficazes para a inativação dos vírus de Influenza Aviária (IA) e Doença de Newcastle (DNC), ambas altamente infecciosas e de notificação obrigatória", conta. Manejo das aves mortas, sobras de ração, cama dos aviários, além de sobras de comidas dos funcionários, são submetidos à desidratação em forno, seguida de compostagem, que são métodos cientificamente aceitos para inativação dos vírus de IA e DNC

Alimentação das aves

A alimentação das aves é outro ponto onde a biosseguridade da Cobb atua fortemente. "Há tratamento térmico da ração para a eliminação de contaminações por microrganismos patogênicos, bem como o transporte em veículo exclusivo para esta finalidade. Mantemos cuidados com o tratamento de água, controle de pragas, como roedores e insetos", destaca o especialista.

Nas Propriedades Rurais

Estas medidas também devem ser seguidas nas propriedades rurais. "O produtor deve ter um Programa de Biosseguridade que contemple o controle de vários pontos, como sanitização da água de bebida das aves e limpeza dos depósitos de água com frequência pré-determinada, produção de ração de acordo com questões nutricionais e sanitárias, controle no acesso de pessoas, veículos, materiais e equipamentos, limpeza e desinfecção dos galpões e outras estruturas. Além disso, deve evitar a entrada de aves de vida livre dentro dos galpões, bem como outros animais, como gatos, cães, etc.", orienta. Outras necessidades inerentes aos avicultores são tratamento por compostagem das aves mortas, sobras de alimento, ração, etc., além de controle de pragas, como roedores e insetos.

Se o produtor possui medidas rígidas de biosseguridade nas quais restringem o acesso de pessoas externas (terceirizados, fornecedores), materiais, equipamentos e veículos em sua granja, eles não estão apenas ajudando a proteger seus planteis contra doenças avícolas, mas também seus colaboradores contra doenças humanas, como o novo Coronavírus, pontua Bampi.

Para o profissional, a tendência é que empresas fornecedoras de equipamentos e estruturas de aviários desenvolvam opções e novos designs que facilitem o processo de limpeza e desinfecção. "Empresas que contam com equipes de engenheiros que projetam seus "lançamentos" pensando nessas facilidades de biosseguridade sem dúvida estarão à frente", sugere.

Plano de contingência
A Cobb possui um Plano de Contingência em caso de emergência sanitária por Influenza Aviária e Doença de Newcastle. Este plano contempla ações voltadas para mitigar o risco de disseminação destas doenças e a redução do impacto em caso de surto, através de ações estratégicas.

Dentre elas, incluem-se: mapas de unidades de produção, incubatórios, fábricas de rações e unidades funcionais associadas (maravalheiras); definição de rotas para o fluxo de transporte de ração, ovos, aves e insumos, de maneira a mitigar o risco de disseminação de doenças e para manutenção do abastecimento de outras unidades da empresa; programa de sanitização da água das aves; plano para descarte de aves, cama de aves, resíduos e alimentos de maneira segura para mitigar riscos de disseminação da doença; identificação do responsável pela equipe de gestão do compartimento e seus contatos; lista de contatos do serviço veterinário oficial de cada região onde a empresa tem operações; programa de capacitação e treinamentos: biosseguridade, compartimento, plano de contingência e supervisões; além de vigilância epidemiológica das aves da empresa e aves de subsistência nas propriedades adjacentes para avaliação de riscos.
(Cobb-Vantress) (Assessoria de Imprensa)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Segunda-Feira, 25/05
Sexta-Feira, 22/05
Brasil alcança abertura de 60 mercados para produtos agropecuários (16:13)
Vetanco investe em tecnologia de precisão na análise da qualidade do ovo (11:10)
Decreto vai regular normas a frigoríficos para evitar fechamentos e abates sanitários, diz ABPA (10:00)
Vibra anuncia investimentos de R$ 500 milhões em Soledade, RS (09:59)
SC seguirá protocolo nacional de orientações a frigoríficos frente à Covid-19 (09:54)
Frango/CEPEA:com exportação firme e procura elevada também no Brasil, preço interno sobe (09:11)
Preços da carne bovina recuaram no varejo (09:07)
Soja em Chicago dá continuidade às baixas, mas de forma mais limitada nesta 6ª feira (09:00)
Segunda quinzena do mês trouxe aumentos mais tímidos ao preço do suíno no mercado independente (07:39)
Export/CEPEA: exportação do agro cresce 6% no 1º quadrimestre de 2020 (07:36)
Suinocultor paulista já tem R$ 70 de prejuízo por cabeça com alta nos custos de produção e queda da demanda interna (07:35)
Suíno: animal vivo segue com valorizações (07:34)
Estoques de carne dos EUA recuam com frigoríficos fechados por coronavírus (07:31)
JBS retoma abates em unidade de Passo Fundo após surto de coronavírus (07:30)
Mercado do boi está atento ao consumo doméstico (07:29)
China paga menos pela carne bovina brasileira (07:28)
Milho: compradores e vendedores seguem afastados do mercado no Brasil nesta 5ªfeira (07:26)
Soja: Chicago fecha com mais de 1% de queda (07:25)
Quinta-Feira, 21/05
Cobb-Vantress adota biosseguridade de vanguarda na proteção à saúde das aves e dos colaboradores (12:46)
Vetanco Brasil apresenta mais um reforço na equipe de Avicultura (12:21)
FEAGRI anuncia últimas vagas para Workshop virtual para Estudos Avançados em Precisão Animal (11:56)
Suínos: com valorização do vivo maior que a dos insumos, poder de compra aumenta (09:56)
Boi: ritmo de negócios diminui, mas preço da arroba segue firme (09:54)
Após decisão do TST,JBS retoma abates de aves em Passo Fundo(RS) (09:47)
Dália inicia abastecimento de aves em planta de Encantado (RS) (09:45)
Agrotins 100% Digital apresentará palestra voltada para avicultura de precisão (09:44)
Risco de entraves em portos no radar dos exportadores (09:43)
Agronegócio responde por 70% das exportações catarinenses no primeiro quadrimestre de 2020 (08:50)
Exportações do Agro crescem 5,9% de janeiro a abril (08:10)
Mercado da soja em Chicago tem leve queda nesta 5ª feira (08:07)
Dois atores essenciais: o produtor rural e a agroindústria (07:50)
Mercado do boi e os fatores que vão direcionar a formação dos preços da arroba ao longo de 2020 (07:45)
Suíno: cotações mistas, mas animal vivo segue valorizado (07:43)
Carne bovina: média diária exportada cresceu 39,2% em maio, na comparação anual (07:41)
Mercado do boi gordo está fluindo devagar (07:39)
Milho se movimenta em campo misto no Brasil de olho na demanda e na safra (07:37)
Soja: preços no interior do Brasil sobem até 3% mesmo com novo recuo do dólar (07:35)
Quarta-Feira, 20/05
Pesquisa mostra como as indústrias de ovos, frangos e suínos sofrem os efeitos da pandemia (16:06)
Ricardo Santin assume Câmara de Aves e Suínos (15:39)
Milho: chuvas abaixo do esperado nas regiões produtoras também chama a atenção (10:50)
Frigoríficos têm vigilância ativa da Covid-19 desde antes da quarentena, afirma ABPA (09:59)
BRF lança plataforma para selecionar projetos inovadores (09:56)
China deverá ampliar importações de soja na próxima década, mas reduzir compras de carnes (09:55)
BRF fará testes em 100% dos funcionários em Concórdia (09:53)
JBS e MPT não se entendem sobre proteção de trabalhador (09:52)
Escalas de abate estão em evolução no mercado paulista do boi gordo (09:37)
Milho abre a 4ª feira subindo na B3 após novas estimativas de perda na safrinha (09:28)
Soja segue caminhando com estabilidade e com ligeiros ganhos nesta 4ª feira em Chicago (08:25)
Custos de produção de frangos de corte e de suínos disparam em abril (08:09)
Suíno: cotações voltaram a subir nesta 3ª-feira (07:51)
Boi Gordo: merfcado pressionado (07:48)
Contratos futuros do boi gordo finalizam a sessão desa 3ª com ganhos na B3 (07:47)
Mercado do milho se movimenta pouco nesta 3ª-feira no Brasil (07:32)
Soja: oferta restrita no Brasil dá suporte aos preços no mercado nacional (07:29)
Santa Catarina bate recorde na exportação de soja nos quatro primeiros meses do ano (07:27)
Terça-Feira, 19/05
COOPAVE fornece ovos para o Programa Compra Local, em PE (13:08)
FACTA abre pré-venda da 3ª edição do livro "Doenças das Aves" (10:40)
A Vetanco Brasil agora está no LinkedIn. (10:28)
Boi Gordo: exportações seguem fortes (09:43)
Milho: dólar segue interferindo nas cotações na B3 nesta 3ª feira (09:40)
China deverá receber volumes recordes de soja brasileira entre maio e julho (09:33)
Assembleia Legislativa discute fechamento de frigoríficos em Santa Catarina (09:02)
Abatedouro da JBS é interditado em SC (09:01)
Cobb-Vantress reforça ações sociais e promove solidariedade (08:04)
Segunda semana de maio de exportações de aves e suínos mostra compradores esperando a poeira baixar, segundo analista (08:02)
BRF deve retomar operações em Lajeado após acordo com MP sobre Covid-19 (07:40)
Complexo soja exporta 42% da safra até o mês de abril e bate novo recorde (07:37)
Mercado do milho no Brasil segue de olho no desenvolvimento da safrinha (07:30)
Na B3, contratos futuros para o boi gordo finalizam a sessão desta 2ª feira com desvalorizações (07:28)
Suíno: animal vivo segue com altas, mas menos expressivas que semana passada (07:24)
Frigoríficos estão relativamente bem posicionados em relação às escalas de abate (07:23)