Domingo, 24 de Maio de 2020
Matérias-Primas

Mercado do milho se movimenta pouco nesta 3ª-feira no Brasil
Campinas, SP, 20 de Maio de 2020 - A terça-feira (19) chegou ao final com poucas movimentações, predominantemente com elevações, para os preços do milho no mercado físico brasileiro. Em levantamento realizado pela equipe do Notícias Agrícolas, foram percebidas desvalorizações no Oeste da Bahia (1,30% e preço de R$ 38,00) e em Rio Verde/GO (2,70% e preço de R$ 36,00).

Já as valorizações apareceram nas praças de Brasília/DF (0,50% e preço de R$ 40,20), Ponta Grossa/SP (2,33% e preço de R$ 44,00), Rio do Sul/SC (2,38% e preço de R$ 43,00) e Campo Novo do Parecis/MT (2,78% e preço de R$ 37,00).

Em seu reporte diário, a Radar Investimentos aponta que o mercado paulista físico de milho está praticamente de lado, mas o comprador está recuado neste momento. “O volume de negócios é pequeno, mas algum cereal de fora do estado pressiona parte das cotações. As referências em Campinas-SP tiveram pouca alteração, entre R$50 e R$51/sc, CIF, 30d”.

O Imea (Instituto Mato-Grossense de Economia Agropecuária) divulgou relatório apontando que, os custos variáveis para o milho safra 2020/21 em Mato Grosso subiram 2,90% durante o mês de abril e ficaram em R$ 2.565,93 por hectare.

Segundo a análise do instituto, a valorização do dólar ante ao real, que acumulou alta de 4,39% no mês, e o aumento nos preços de insumos importados como macronutrientes (4,66%) e fungicidas (10,61%) contribuíram para este resultado.

Os custos operacionais, impactados pela valorização do arrendamento de terra no estado, também se elevaram 2,93% durante abril. Com isso, o ponto de equilíbrio ao produtor mato-grossense fica sendo R$ 20,29 a saca.

“Desta maneira, o produtor deve ficar atento quanto as variações das suas margens de produção para que consiga cobrir os custos com a lavoura de milho”, aponta o levantamento.

Já o indicador Imea-MT fechou a semana com queda de 1,28%, cotado à R$ 39,10 a saca, após melhora nas condições climáticas do estado.

B3

Já a bolsa brasileira abriu o dia em baixa, mas registrava movimentações positivas para os preços futuros do milho no final desta terça-feira (19). Os principais contratos flutuavam entre 0,84% e 1,85% negativo por volta das 16h21 (horário de Brasília).

O vencimento julho/20 era cotado à R$ 46,76 com alta de 0,84%, o setembro/20 valia R$ 45,58 com valorização de 1,85% e o novembro/20 era negociado por R$ 47,92 com elevação de 1,10%.

As preocupações com o desenvolvimento da segunda safra de milho seguem atuando nas cotações. A consultoria AgRural fez um novo corte em sua estimativa de produção da safrinha caindo para 70,7 milhões de toneladas em todas as regiões brasileiras.

A consultoria cita perdas em praticamente todas as áreas produtoras, mas destaca o estado do Paraná com o local em que a quebra será maior.

Mercado Externo

Para a Bolsa de Chicago (CBOT) a terça-feira (19) foi de leves elevações para os preços internacionais do milho futuro. As principais cotações registraram movimentações positivas entre 0,50 e 1,50 pontos ao final do dia.

O vencimento julho/20 foi cotado à US$ 3,21 com valorização de 1,50 pontos, o setembro/20 valeu US$ 3,25 com alta de 1,25 pontos, o dezembro/20 foi negociado por US$ 3,34 com ganho de 1,50 pontos e o março/21 teve valor de US$ 3,46 com elevação de 1,25 pontos.

Esses índices representaram valorizações, com relação ao fechamento da última segunda-feira, de 0,31% para o julho/20, de 0,31% para o setembro/20, de 0,60% para o dezembro/20 e de 0,29% para o março/21.

Segundo informações segundo informações da Agência Reuters, os contratos futuros de milho aumentaram em cobertura e compras técnicas e atingiram o maior nível desde 24 de abril.

Os agricultores dos Estados Unidos plantaram 80% de sua área cultivada de milho, disse o USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos). O plantio da cultura estava bem à frente do ritmo típico, mas está atrás das previsões do mercado.

A publicação destaca ainda que os ganhos no mercado de petróleo bruto também aumentaram a força do milho na esperança de que a demanda por etanol aumente à medida que os motoristas retornarem às estradas.

“Mais áreas estão começando a emergir dos bloqueios por Coronavírus, o que pode estimular mais demanda por combustível à base de etanol à base de milho”, disse Matt Ammermann, gerente de risco de commodities do INTL FCStone.
(Notícias Agrícolas) (Guilherme Dorigatti)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Domingo, 24/05
Sexta-Feira, 22/05
Brasil alcança abertura de 60 mercados para produtos agropecuários (16:13)
Vetanco investe em tecnologia de precisão na análise da qualidade do ovo (11:10)
Decreto vai regular normas a frigoríficos para evitar fechamentos e abates sanitários, diz ABPA (10:00)
Vibra anuncia investimentos de R$ 500 milhões em Soledade, RS (09:59)
SC seguirá protocolo nacional de orientações a frigoríficos frente à Covid-19 (09:54)
Frango/CEPEA:com exportação firme e procura elevada também no Brasil, preço interno sobe (09:11)
Preços da carne bovina recuaram no varejo (09:07)
Soja em Chicago dá continuidade às baixas, mas de forma mais limitada nesta 6ª feira (09:00)
Segunda quinzena do mês trouxe aumentos mais tímidos ao preço do suíno no mercado independente (07:39)
Export/CEPEA: exportação do agro cresce 6% no 1º quadrimestre de 2020 (07:36)
Suinocultor paulista já tem R$ 70 de prejuízo por cabeça com alta nos custos de produção e queda da demanda interna (07:35)
Suíno: animal vivo segue com valorizações (07:34)
Estoques de carne dos EUA recuam com frigoríficos fechados por coronavírus (07:31)
JBS retoma abates em unidade de Passo Fundo após surto de coronavírus (07:30)
Mercado do boi está atento ao consumo doméstico (07:29)
China paga menos pela carne bovina brasileira (07:28)
Milho: compradores e vendedores seguem afastados do mercado no Brasil nesta 5ªfeira (07:26)
Soja: Chicago fecha com mais de 1% de queda (07:25)
Quinta-Feira, 21/05
Cobb-Vantress adota biosseguridade de vanguarda na proteção à saúde das aves e dos colaboradores (12:46)
Vetanco Brasil apresenta mais um reforço na equipe de Avicultura (12:21)
FEAGRI anuncia últimas vagas para Workshop virtual para Estudos Avançados em Precisão Animal (11:56)
Suínos: com valorização do vivo maior que a dos insumos, poder de compra aumenta (09:56)
Boi: ritmo de negócios diminui, mas preço da arroba segue firme (09:54)
Após decisão do TST,JBS retoma abates de aves em Passo Fundo(RS) (09:47)
Dália inicia abastecimento de aves em planta de Encantado (RS) (09:45)
Agrotins 100% Digital apresentará palestra voltada para avicultura de precisão (09:44)
Risco de entraves em portos no radar dos exportadores (09:43)
Agronegócio responde por 70% das exportações catarinenses no primeiro quadrimestre de 2020 (08:50)
Exportações do Agro crescem 5,9% de janeiro a abril (08:10)
Mercado da soja em Chicago tem leve queda nesta 5ª feira (08:07)
Dois atores essenciais: o produtor rural e a agroindústria (07:50)
Mercado do boi e os fatores que vão direcionar a formação dos preços da arroba ao longo de 2020 (07:45)
Suíno: cotações mistas, mas animal vivo segue valorizado (07:43)
Carne bovina: média diária exportada cresceu 39,2% em maio, na comparação anual (07:41)
Mercado do boi gordo está fluindo devagar (07:39)
Milho se movimenta em campo misto no Brasil de olho na demanda e na safra (07:37)
Soja: preços no interior do Brasil sobem até 3% mesmo com novo recuo do dólar (07:35)
Quarta-Feira, 20/05
Pesquisa mostra como as indústrias de ovos, frangos e suínos sofrem os efeitos da pandemia (16:06)
Ricardo Santin assume Câmara de Aves e Suínos (15:39)
Milho: chuvas abaixo do esperado nas regiões produtoras também chama a atenção (10:50)
Frigoríficos têm vigilância ativa da Covid-19 desde antes da quarentena, afirma ABPA (09:59)
BRF lança plataforma para selecionar projetos inovadores (09:56)
China deverá ampliar importações de soja na próxima década, mas reduzir compras de carnes (09:55)
BRF fará testes em 100% dos funcionários em Concórdia (09:53)
JBS e MPT não se entendem sobre proteção de trabalhador (09:52)
Escalas de abate estão em evolução no mercado paulista do boi gordo (09:37)
Milho abre a 4ª feira subindo na B3 após novas estimativas de perda na safrinha (09:28)
Soja segue caminhando com estabilidade e com ligeiros ganhos nesta 4ª feira em Chicago (08:25)
Custos de produção de frangos de corte e de suínos disparam em abril (08:09)
Suíno: cotações voltaram a subir nesta 3ª-feira (07:51)
Boi Gordo: merfcado pressionado (07:48)
Contratos futuros do boi gordo finalizam a sessão desa 3ª com ganhos na B3 (07:47)
Mercado do milho se movimenta pouco nesta 3ª-feira no Brasil (07:32)
Soja: oferta restrita no Brasil dá suporte aos preços no mercado nacional (07:29)
Santa Catarina bate recorde na exportação de soja nos quatro primeiros meses do ano (07:27)
Terça-Feira, 19/05
COOPAVE fornece ovos para o Programa Compra Local, em PE (13:08)
FACTA abre pré-venda da 3ª edição do livro "Doenças das Aves" (10:40)
A Vetanco Brasil agora está no LinkedIn. (10:28)
Boi Gordo: exportações seguem fortes (09:43)
Milho: dólar segue interferindo nas cotações na B3 nesta 3ª feira (09:40)
China deverá receber volumes recordes de soja brasileira entre maio e julho (09:33)
Assembleia Legislativa discute fechamento de frigoríficos em Santa Catarina (09:02)
Abatedouro da JBS é interditado em SC (09:01)
Cobb-Vantress reforça ações sociais e promove solidariedade (08:04)
Segunda semana de maio de exportações de aves e suínos mostra compradores esperando a poeira baixar, segundo analista (08:02)
BRF deve retomar operações em Lajeado após acordo com MP sobre Covid-19 (07:40)
Complexo soja exporta 42% da safra até o mês de abril e bate novo recorde (07:37)
Mercado do milho no Brasil segue de olho no desenvolvimento da safrinha (07:30)
Na B3, contratos futuros para o boi gordo finalizam a sessão desta 2ª feira com desvalorizações (07:28)
Suíno: animal vivo segue com altas, mas menos expressivas que semana passada (07:24)
Frigoríficos estão relativamente bem posicionados em relação às escalas de abate (07:23)