Domingo, 31 de Maio de 2020
Saúde Pública

Produtores de aves e suínos são orientados a seguir medidas protetivas na pandemia
Florianópolis, SC, 06 de Abril de 2020 - FAESC divulga material técnico elaborado pela Embrapa que traz informações sobre prevenção da doença, hábitos de higiene e medidas de biossegurança nas granjas.

A Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Santa Catarina (Faesc), está orientando avicultores e suinocultores catarinenses a seguirem material técnico elaborado pela Embrapa Suínos e Aves sobre a rotina de trabalho e os cuidados que devem ser tomados nas granjas durante a pandemia do Coronavírus (Covid-19). O documento foi produzido por médicos veterinários da instituição após solicitação da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) para esclarecer dúvidas dos produtores sobre prevenção da doença, mudanças de hábitos de higiene pessoal e medidas de biossegurança dos estabelecimentos.

O material específico para os produtores é um complemento das medidas já adotadas pelas empresas e frigoríficos de abate de animais e busca manter avicultores e suinocultores seguros. São dois documentos separados por atividade que explicam como o vírus é transmitido, se há a possibilidade de contaminar os animais e quais as medidas que os produtores devem seguir para prevenirem-se da doença.

De acordo com o presidente da Faesc e vice-presidente de finanças da CNA, José Zeferino Pedrozo, o material específico elaborado pela Embrapa é fundamental para garantir a segurança dos produtores diante da mudança da rotina no trabalho.

“Da mesma forma que os frigoríficos orientaram seus trabalhadores a adotarem medidas de higiene, prevenção e segurança no trabalho, esse material técnico da Embrapa ensina os produtores a se prevenirem durante a pandemia. A saúde e o bem-estar é fundamental para os produtores continuarem produzindo e mantendo o selo do Estado de maior produtor nacional de suínos e maior exportador de carne de frango”, destaca Pedrozo.

O QUE OS PRODUTORES DEVEM FAZER?

• As aves e os suínos não são fontes de infecção pelo vírus da COVID-19, e sim as pessoas que estejam infectadas, apresentando ou não os sintomas da doença. Sendo assim, restrinja o acesso desnecessário à granja ou ao ambiente de produção. Cuide para que as pessoas que precisam estar na granja sigam rigorosamente as orientações recebidas. Chame o médico veterinário ou extensionista somente se realmente necessário.

• Esteja atento às medidas de biosseguridade da granja. Elas também contribuem para sua segurança na medida em que evitam a entrada de contaminação trazida por pessoas, veículos, equipamentos ou materiais. Reforce o uso do arco de desinfecção e dos pedilúvios. Pratique a desinfecção rotineira quando entrar na granja. Garanta a disponibilidade de torneiras e sabão para lavagem frequente das mãos. Aumente a frequência de limpeza com desinfetante de todas as superfícies frequentemente tocadas, como maçanetas, torneiras, interruptores, etc.

• Durante o trabalho, mantenha distanciamento mínimo de um metro entre pessoas, mesmo que não apresentem sintomas da doença. Uma ótima maneira de medir o distanciamento seguro é abrir os braços e não conseguir alcançar o outro. Lembre-se que o vírus da COVID-19 está presente em gotículas liberadas pelo nariz e boca da pessoa infectada ou em superfícies contaminadas. A distância segura reduz a chance de contato com essas secreções entre trabalhadores.

• Intensifique a rotina de higiene pessoal. Lave as mãos com água e sabão com mais frequência e atenção, passando várias vezes entre os dedos, palma das mãos, punhos e, se estiver com mangas curtas, nos cotovelos. Quando possível, tome banho antes de entrar na área limpa da granja. Mantenha na granja roupa e calçado de uso exclusivo para o trabalho. Ao fim das atividades, deixe a roupa e calçado de trabalho no local e lave novamente as mãos ou tome banho. Mantenha o distanciamento entre trabalhadores, saindo um por vez, sem aglomeração. Ao retornar a sua residência, retire seu calçado e deixe-o do lado de fora. Lave as mãos com água e sabão, e se possível tome banho imediatamente.

• Atenção aos seus hábitos: evite tocar olhos, nariz e boca, que é a principal forma de se infectar com o vírus. O uso de máscara facial é recomendado aos indivíduos que apresentem sintomas da doença, retendo as gotículas exaladas e assim reduzindo a propagação do vírus. Pratique a higiene respiratória: estando ou não doente, esqueça os lenços de tecido e use somente lenços de papel para cobrir a boca e o nariz ao tossir ou espirrar, descartando-os no lixo imediatamente. Na falta de lenço de papel, não cubra com a mão e sim com o seu braço.

• Atenção ao estado geral de saúde. Avicultores, suinocultores e colaboradores do grupo de risco (pessoas acima de 60 anos, pessoas portadoras de outras doenças e gestantes) devem permanecer em casa. Se não houver pessoas em número suficiente para executar as tarefas da granja, a pessoa do grupo de risco deve realizar as atividades onde não ocorra contato com colaboradores externos. Pessoas com sinais de gripe ou mal-estar devem permanecer em casa, sem ir à granja. Se apresentar sintomas como febre, tosse e dificuldade respiratória, permaneça em casa e siga as instruções da Unidade de Saúde em seu município.

• Vacina da gripe (influenza). A vacinação contra o vírus influenza não evita a infecção pelo COVID-19, mas evita que a pessoa tenha outros tipos de doenças respiratórias. Busque orientação de como se vacinar em segurança.
(Faesc) (Assessoria de Imprensa)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Domingo, 31/05
Sexta-Feira, 29/05
Semana teve poucas alterações nos preços físico do milho (09:59)
China deixará mercado de frango dos EUA durante recuperação (09:48)
Conselho do FCO aprova R$ 146,1 milhões em investimentos em MS (09:47)
Alojamento de pintos de corte caiu menos do que o esperado pela Apinco (09:46)
Soja: mercado ainda caminha de lado na Bolsa de Chicago nesta 6ª feira (08:02)
FRANGO/CEPEA: poder de compra frente ao farelo de soja é o mais baixo em dois anos (07:53)
Preço do boi gordo teve um ganho de 1,23% nesta semana no RS (07:44)
Suíno: cotação caiu 3,4% nas granjas paulistas em uma semana (07:41)
Preços para a suinocultura independente têm leve alta ou estabilidade nesta semana (07:40)
Suínos: mês se encaminha para o final com cotações mistas (07:37)
Milho cai no mercado físico com início da colheita, mas sobe na B3 (07:28)
Soja em Chicago pode mudar patamar de preços com influência do mercado climático nos EUA a partir de junho (07:21)
Produtores de soja tiveram 1º quadrimestre com resultado financeiro positivo (07:19)
Quinta-Feira, 28/05
Por um país mais cooperativo, por Francisco Turra (10:17)
Milho começa a 5ª feira subindo na B3 e em Chicago (09:35)
Frigoríficos temem perder mercado após interdições por Covid-19 (09:30)
BRF busca manter oferta ajustada às curvas da demanda (09:19)
Frango Americano projeta crescimento de 30% com apoio do Governo do Tocantins (09:18)
Pandemia já afeta produção de carne bovina (09:15)
Pela primeira vez, produção global de carne de frango deve ser maior que a de proteína suína (09:11)
Aviagen Brasil mostra espírito solidário com doações no interior de São Paulo (09:04)
Soja caminha de lado em Chicago nesta 5ª feira (08:32)
Suínos: vendas aumentam e elevam preços em maio (08:15)
Boi Gordo: mercado externo aquecido e menor oferta interna sustentam preços (08:13)
Indústrias estão oferecendo mais pela arroba do boi gordo (08:10)
Milho cai no mercado físico e na B3 seguindo baixa do dólar (08:03)
Soja brasileira está US$0,10/bushel mais cara que a americana (08:00)
Quarta-Feira, 27/05
Sindirações lança guia de boas práticas na indústria de alimentação animal para o enfrentamento da Covid-19 (15:23)
Milho: 4ª feira começa com resultados em campo misto na B3 (09:29)
PIB agropecuário crescerá até 2,5%,diz Ipea (09:13)
Mais proteína na cesta básica (09:12)
Soja em Chicago dá continuidade às últimas altas e segue em campo positivo nesta 4ª feira (08:50)
Agroindústrias de SC doam R$ 35 milhões para o combate à pandemia (08:24)
Ministra destaca trabalho do Mapa para garantir abastecimento durante a pandemia (08:21)
Suínos: cotações começam a ceder, principalmente para animal vivo (08:12)
Milho cai no mercado físico e na B3 nesta 3ª feira (08:10)
Boi: vencimentos futuros finalizam a 3ª feira com leves baixas na B3 (08:08)
Boi Gordo registra pouca oferta de boiadas e sem progresso nas escalas de abate (08:06)
Mercado climático pode fazer soja em Chicago buscar os US$ 9,00/bushel (08:00)
USDA: plantios de soja e milho avançam bem nos EUA e ficam dentro das expectativas (07:55)
Senado aprova prorrogação de vencimento de dívidas rurais (07:51)
Operações de embarque de grãos em berço de Paranaguá param após caso de Covid-19 (07:49)
Terça-Feira, 26/05
ACAV reitera compromisso firmado com o governo de SC em busca de soluções adequadas ao Estado (10:17)
Maioria dos funcionários da BRF volta ao trabalho em SC (08:49)
Empresários preveem que oferta de produtos agrícolas será mantida (08:48)
Preços do milho andam de lado no mercado brasileiro (08:37)
Soja sobe em Chicago nesta 3ª feira, retomando negócios pós feriado nos EUA em campo positivo (08:36)
CNA e FEBRABAN discutem medidas estruturantes para o Agro (08:31)
Suíno: cotações mistas e altas mais discretas nesta segunda-feira (08:26)
Exportação de suínos deve ser recorde em maio; no caso das aves, preços vêm caindo (08:24)
Mais de 93% dos trabalhadores da BRF em Concórdia/SC voltam ao trabalho (08:18)
Em SP, antecipação do feriado deixou mercado do boi calmo (08:09)
Contratos futuros do boi finalizam a sessão desta 2ª feira sem grandes movimentações na B3 (08:07)
Média diária exportada de carne bovina in natura teve um aumento de 34,54% frente ao ano passado (08:06)
Milho se movimenta pouco no mercado físico brasileiro (08:05)
Soja: semana começa com foco do produtor nos prêmios diante da pressão do dólar e de Chicago (08:00)
Exportação de soja do Brasil alcança 12,2 mi t no mês e já supera maio de 2019 (07:50)