Domingo, 24 de Maio de 2020
Exportação

Impactos da pandemia ainda não são graves nas exportações do agronegócio, diz CNA
Brasília , 30 de Março de 2020 - Monitoramento realizado pela Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) ainda não identificou problemas expressivos causados pela pandemia do novo coronavírus para as exportações de produtos do agronegócios do país. No primeiro bimestre, os embarques setoriais renderam US$ 12,2 bilhões, US$ 1,1 bilhão menos que no mesmo período de 2019.

A área técnica internacional da entidade diz que até o momento nenhum caso de interrupção de contrato foi reportado para qualquer destino no mundo, apesar de relatos de renegociações para exportação de mercadorias frescas para a Europa. Fechamento de bares e restaurante, restrições em voos e protecionismo são pontos de alerta neste momento.

“Houve queda [nos valores exportados este ano], mas não muito significativa. Boa parte dos contratos foi negociada no ano passado, portanto ainda não é possível dizer que a responsável foi a pandemia. Nos próximos meses poderemos ver melhor esses impactos em termos de balança”, afirmou a gerente de Inteligência Comercial da CNA, Sueme Andrade.

“Temos que aguardar o fechamento do mês para ter informações mais atualizadas. Mas mesmo durante o pico da epidemia exportamos mais carne bovina que no ano passado. Houve problemas, mas é muito individualizado, e a China está voltando com tudo”, analisou Lígia Dutra, superintendente de Relações Internacionais da CNA.

A retomada das atividades na China e as medidas adotadas por diversos países para garantir o abastecimento alimentar tendem a sustentar o volume das exportações brasileiras mesmo com a pandemia, avaliou Lígia.

A normalização das operações nos portos chineses é o principal destaque. “A vida está voltando ao normal, as empresas retomando os trabalhos, as pessoas estão voltando às ruas. O governo chinês diz que 80% dos trabalhadores voltaram”, afirmou. “Os portos já voltaram a operar normalmente. Antes não havia interrupções de contratos, mas houve atrasos porque os trabalhadores não estavam indo, não tinha transporte. Agora já está normalizado”. Learn More

A previsão de contração de 13% das atividades industriais na China e de 20% das vendas no varejo no país asiático ainda preocupam. “Tem um reflexo no mundo, é a China nossa principal parceira comercial. Pode ter um reflexo, mas para os produtos que o Brasil exporta a gente tem visto fluxo normal”, definiu Lígia.

Na União Europeia, segundo principal destino dos produtos agropecuários brasileiros, o alerta é para o fechamento de bares e restaurantes. “Outra preocupação é a questão dos voos internacionais, e tem havido restrição lá. Algumas frutas e outros produtos frescos usam transporte aéreo para distribuição”, lembrou Sueme Andrade.

Na França e na Itália, o consumo de produtos frescos, como queijos, peixes, frutas e hortaliças, diminuiu. “Isso também gera preocupação do exportador do lado de cá. Algumas empresas italianas, de menor porte, estão buscando renegociar contratos de produtos que seriam importados do Brasil, mas nenhum caso concreto de interrupção de contrato”, disse Sueme.

No Oriente Médio, os governos locais começaram a implementar medidas para garantir a segurança alimentar da população, como a diminuição de burocracia para importação de alimentos. O desembaraço mais rígido e demorado está normalizado na Arábia Saudita, avalia a CNA.

Em países islâmicos, a proximidade do início do mês sagrado, o Ramadã, também gera uma “flexibilidade nas regras”. No Marrocos, por exemplo, documentos cobrados no momento da importação podem ser entregues posteriormente. Medidas para facilitar o fluxo de mercadorias também foram tomadas no Egito, Vietnã e Indonésia, até com a redução de impostos de importação.

Já nos Estados Unidos, terceiro principal destino das exportações do agronegócios brasileiro, a preocupação é com o protecionismo. No pacote de medidas que o setor americano pediu ao governo está, novamente, a solicitação para o fechamento do mercado para carne bovina in natura do Brasil. Segundo Lígia Dutra, casos assim surgem “no meio de cenários conturbados” e é preciso estar atento para “não dar asas aos interesses protecionistas”.

A CNA destacou que o Congresso dos EUA deverá votar um pacote de US$ 1,2 bilhão para assistência alimentar e compras governamentais. Desse total, US$ 400 milhões são apenas para aquisição de commodities. “O governo está investindo em compras para manter a produção agrícola”, afirmou Lígia.
(Valor Econômico) (Rafael Walendorff)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Domingo, 24/05
Sexta-Feira, 22/05
Brasil alcança abertura de 60 mercados para produtos agropecuários (16:13)
Vetanco investe em tecnologia de precisão na análise da qualidade do ovo (11:10)
Decreto vai regular normas a frigoríficos para evitar fechamentos e abates sanitários, diz ABPA (10:00)
Vibra anuncia investimentos de R$ 500 milhões em Soledade, RS (09:59)
SC seguirá protocolo nacional de orientações a frigoríficos frente à Covid-19 (09:54)
Frango/CEPEA:com exportação firme e procura elevada também no Brasil, preço interno sobe (09:11)
Preços da carne bovina recuaram no varejo (09:07)
Soja em Chicago dá continuidade às baixas, mas de forma mais limitada nesta 6ª feira (09:00)
Segunda quinzena do mês trouxe aumentos mais tímidos ao preço do suíno no mercado independente (07:39)
Export/CEPEA: exportação do agro cresce 6% no 1º quadrimestre de 2020 (07:36)
Suinocultor paulista já tem R$ 70 de prejuízo por cabeça com alta nos custos de produção e queda da demanda interna (07:35)
Suíno: animal vivo segue com valorizações (07:34)
Estoques de carne dos EUA recuam com frigoríficos fechados por coronavírus (07:31)
JBS retoma abates em unidade de Passo Fundo após surto de coronavírus (07:30)
Mercado do boi está atento ao consumo doméstico (07:29)
China paga menos pela carne bovina brasileira (07:28)
Milho: compradores e vendedores seguem afastados do mercado no Brasil nesta 5ªfeira (07:26)
Soja: Chicago fecha com mais de 1% de queda (07:25)
Quinta-Feira, 21/05
Cobb-Vantress adota biosseguridade de vanguarda na proteção à saúde das aves e dos colaboradores (12:46)
Vetanco Brasil apresenta mais um reforço na equipe de Avicultura (12:21)
FEAGRI anuncia últimas vagas para Workshop virtual para Estudos Avançados em Precisão Animal (11:56)
Suínos: com valorização do vivo maior que a dos insumos, poder de compra aumenta (09:56)
Boi: ritmo de negócios diminui, mas preço da arroba segue firme (09:54)
Após decisão do TST,JBS retoma abates de aves em Passo Fundo(RS) (09:47)
Dália inicia abastecimento de aves em planta de Encantado (RS) (09:45)
Agrotins 100% Digital apresentará palestra voltada para avicultura de precisão (09:44)
Risco de entraves em portos no radar dos exportadores (09:43)
Agronegócio responde por 70% das exportações catarinenses no primeiro quadrimestre de 2020 (08:50)
Exportações do Agro crescem 5,9% de janeiro a abril (08:10)
Mercado da soja em Chicago tem leve queda nesta 5ª feira (08:07)
Dois atores essenciais: o produtor rural e a agroindústria (07:50)
Mercado do boi e os fatores que vão direcionar a formação dos preços da arroba ao longo de 2020 (07:45)
Suíno: cotações mistas, mas animal vivo segue valorizado (07:43)
Carne bovina: média diária exportada cresceu 39,2% em maio, na comparação anual (07:41)
Mercado do boi gordo está fluindo devagar (07:39)
Milho se movimenta em campo misto no Brasil de olho na demanda e na safra (07:37)
Soja: preços no interior do Brasil sobem até 3% mesmo com novo recuo do dólar (07:35)
Quarta-Feira, 20/05
Pesquisa mostra como as indústrias de ovos, frangos e suínos sofrem os efeitos da pandemia (16:06)
Ricardo Santin assume Câmara de Aves e Suínos (15:39)
Milho: chuvas abaixo do esperado nas regiões produtoras também chama a atenção (10:50)
Frigoríficos têm vigilância ativa da Covid-19 desde antes da quarentena, afirma ABPA (09:59)
BRF lança plataforma para selecionar projetos inovadores (09:56)
China deverá ampliar importações de soja na próxima década, mas reduzir compras de carnes (09:55)
BRF fará testes em 100% dos funcionários em Concórdia (09:53)
JBS e MPT não se entendem sobre proteção de trabalhador (09:52)
Escalas de abate estão em evolução no mercado paulista do boi gordo (09:37)
Milho abre a 4ª feira subindo na B3 após novas estimativas de perda na safrinha (09:28)
Soja segue caminhando com estabilidade e com ligeiros ganhos nesta 4ª feira em Chicago (08:25)
Custos de produção de frangos de corte e de suínos disparam em abril (08:09)
Suíno: cotações voltaram a subir nesta 3ª-feira (07:51)
Boi Gordo: merfcado pressionado (07:48)
Contratos futuros do boi gordo finalizam a sessão desa 3ª com ganhos na B3 (07:47)
Mercado do milho se movimenta pouco nesta 3ª-feira no Brasil (07:32)
Soja: oferta restrita no Brasil dá suporte aos preços no mercado nacional (07:29)
Santa Catarina bate recorde na exportação de soja nos quatro primeiros meses do ano (07:27)
Terça-Feira, 19/05
COOPAVE fornece ovos para o Programa Compra Local, em PE (13:08)
FACTA abre pré-venda da 3ª edição do livro "Doenças das Aves" (10:40)
A Vetanco Brasil agora está no LinkedIn. (10:28)
Boi Gordo: exportações seguem fortes (09:43)
Milho: dólar segue interferindo nas cotações na B3 nesta 3ª feira (09:40)
China deverá receber volumes recordes de soja brasileira entre maio e julho (09:33)
Assembleia Legislativa discute fechamento de frigoríficos em Santa Catarina (09:02)
Abatedouro da JBS é interditado em SC (09:01)
Cobb-Vantress reforça ações sociais e promove solidariedade (08:04)
Segunda semana de maio de exportações de aves e suínos mostra compradores esperando a poeira baixar, segundo analista (08:02)
BRF deve retomar operações em Lajeado após acordo com MP sobre Covid-19 (07:40)
Complexo soja exporta 42% da safra até o mês de abril e bate novo recorde (07:37)
Mercado do milho no Brasil segue de olho no desenvolvimento da safrinha (07:30)
Na B3, contratos futuros para o boi gordo finalizam a sessão desta 2ª feira com desvalorizações (07:28)
Suíno: animal vivo segue com altas, mas menos expressivas que semana passada (07:24)
Frigoríficos estão relativamente bem posicionados em relação às escalas de abate (07:23)