Domingo, 05 de Abril de 2020
Mercado Externo

FAO vê riscos de tensões na cadeia global de alimentos
Genebra, Suíça, 26 de Março de 2020 - Segundo a agência das Nações Unidas para agricultura e alimentação, perturbações podem aparecer na cadeia a partir de abril ou maio. E, por causa da recessão, a FAO também prevê menor consumo global de carnes.

Para a agência, impactos do coronavírus na produção de alimentos e na agricultura vão ocorrer na medida em que os casos da pandemia aumentam no mundo e o confinamento e outras restrições são adotadas para frear a propagação da doença.

No momento, o órgão avalia que as interrupções são mínimas, porque os abastecimentos de alimentos têm sido adequados e os mercados continuaram relativamente estáveis. Os estoques mundiais de grãos são ainda elevados e as previsões sobre a colheita das principais culturas são positivas para este ano.

De acordo com a FAO, é provável uma menor produção de alimentos básicos de valor mais elevado, como frutas e legumes, mas ainda não há turbulências nesse segmento. No entanto, a agência vê desde já desafios crescentes na circulação de produtos alimentícios.

Em entrevista ao Valor, o economista-chefe da FAO, Maximo ToreroCullen disse que o problema fundamental será na área logística, mas que a situação é diferente nos distintos mercados de commodities.

“Para os cereais, intensivos em capital, as reservas são suficientes e as colheitas atuais são muito boas”, afirmou. Ele considera que não há problemas de disponibilidade de alimentos, mas disse que dificuldades logísticas vão ocorrer se cadeias de distribuição de fato forem prejudicadas pelo lockdown. “Se os países ficarem nervosos, isso poderá levar os exportadores a impor restrições aos embarques, e é algo que deve ser evitado.

No lado de commodities de alto valor, produtos perecíveis, demandam muito trabalho e, portanto, parte da produção pode ser afetada pela redução na oferta de mão-de-obra devido a aspectos de doenças ou pelo lockdown que está afetando o fluxo de trabalhadores temporários (migrantes).

Nesse caso, também os problemas na cadeia logística são muito mais preocupantes por serem produtos perecíveis”, disse ele. Por isso, afirmou, a FAO reitera que é importante que os países tentem evitar esses problemas e permitam que “a cadeia alimentar possa ser mantida viva e eficiente”.

Para ToreroCullen, as tensões tendem a crescer a partir de abril porque os efeitos do confinamento e a redução da oferta de mão-de-obra serão claros nos próximos meses no setor agrícola. Nesse contexto, ele prevê que colheitas de muitos produtos de países exportadores poderão ser afetadas.

Sobre o impacto da crise do covid-19 para países exportadores como o Brasil, Maximo ToreroCullen apontou que os efeitos negativos na oferta acontecerão principalmente por problemas logísticos e trabalhistas, devido a doenças ou incapacidade de movimentação para o trabalho. O economista-chefe da FAO lembrou que, no Brasil, já há problemas de logística - em Mato Grosso por exemplo.

Ele mencionou o caso do município de Canarana, onde o prefeito emitiu decreto restritivo para frear a propagação do coronavirus e a medida poderia interromper a logística de exportação de grãos e as operações das principais trading agrícolas naquela região.

Quanto à demanda, ToreroCullen disse que a crise atual vai gerar uma recessão, “e isso vai se refletir na demanda, podendo afetar os preços, levando-os à baixas no futuro próximo”. Ele observou, também, que a estrutura de custos do setor agrícola brasileiro vai ser afetada pela desvalorização do real em relação ao dólar.

Sobre a expectativa de queda na produção e no consumo agrícola, já que as pessoas estão comprando menos e muitos não estão produzindo, o economista-chefe da FAO disse: “Se a cadeia de valor não estiver protegida, é possível que ocorram problemas de preço e escassez de alimentos, especialmente de produtos de alto valor (frutas e vegetais), porque são mais trabalhosos e serão mais afetados por problemas logísticos

Para ToreroCullen, é muito cedo para se prever recuo na produção de grãos. No entanto, a redução do crescimento econômico mundial como resultado do coronavírus afetará negativamente a demanda e, portanto, os preços. A FAO considera possível uma queda maior, desproporcional, do consumo de carne. Do lado da oferta, avalia a agência, problemas logísticos já estão afetando o segmento, e é preciso que sejam adotadas medidas de saúde necessárias para os empregados de frigoríficos.

Há, também, o problema de informação. “Tem havido muita especulação de que o coronavírus tenha se originado de animais para humanos. Isso não tem evidência científica, mas a especulação levou consumidores a temerem comer carnes”. E, em terceiro lugar, a recessão vai reduzir a demanda, o que afetará os preços.
(Valor Econômico) (Assis Moreira)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Domingo, 05/04
Sexta-Feira, 03/04
Suíno: quedas acentuadas para o mercado independente (16:44)
CNA destaca ações para reduzir impactos na comercialização de alimentos (15:57)
Soja pode registrar semana de maior alta da história no Brasil (14:18)
Milho abre a sexta-feira subindo em Chicago e na B3 (10:03)
Milho está acima de R$60 a saca em Campinas-SP (09:32)
Demanda por carne desaba no país (08:24)
Frigoríficos conseguiram alongar as escalas de abate (08:17)
Aviões cheios de suínos chegam à China para reconstruir o maior rebanho do mundo (08:16)
Milho: demanda segue aquecida e cotações no mercado interno permanecem sustentadas (08:05)
Soja segue operando com estabilidade nesta 6ª feira em Chicago (08:00)
Milho segunda safra mostra amplo desenvolvimento (07:16)
Quinta-Feira, 02/04
Preço do suíno independente baixa até para patamares vistos há dez meses (16:24)
Boi: demanda da China e ciclo pecuário de alta nos preços vão minimizar impactos de uma retração da demanda interna por carnes (16:13)
Petróleo dispara e puxa commodities agrícolas (16:07)
Adiamento de tributos ajudará agroindústria na crise, diz CNA (15:44)
Laboratório da Secretaria de Agricultura de São Paulo fará testes para a Covid-19 (15:14)
Aurora manterá quadro de empregados e não cogita redução de sua força de trabalho (14:50)
Faturamento com exportação de carne suína em março é 61% maior do que em março/19 (13:24)
USDA: Vendas semanais de soja e milho dos EUA ficam dentro do esperado (13:22)
Milho: B3 segue caindo na maioria dos contratos e Chicago contabiliza ganhos (13:21)
Embrapa disponibiliza Instrução Técnica para avicultores e suinocultores sobre a COVID-19 (11:37)
As empresas têm que agir com responsabilidade’, defende BRF (09:30)
Supermercado pode viver ‘nova onda’ de consumo (09:26)
Justiça do DF desobriga empresa de apresentar CND em financiamento (09:25)
Milho abre a 5ª feira subindo em Chicago e em campo misto na B3 (09:04)
Suínos: preços do vivo e da carne caem com mais força no final de março (09:03)
Boi: mercado pecuário apresenta instabilidade no correr de março (09:00)
Marca Tecnologia Embrapa chega às gôndolas dos supermercados em ovos da Korin (08:39)
Cobb-Vantress substitui frota para entregar mais eficiência produtiva e ambiental (08:19)
Mercado do boi está em alerta (08:02)
Milho no Brasil segue em alta enquanto safrinha se desenvolveu bem com chuvas de março (08:00)
Após queda intensa, soja tem estabilidade em Chicago nesta 5ª feira (07:58)
Quarta-Feira, 01/04
Suíno: preços seguem com queda acentuada quebra na demanda (16:41)
Frigoríficos reduzem ritmo de compras após alongarem escalas (16:16)
Exportações brasileiras de milho em março ficam menores do que mesmo mês de 2019, mas sobem em relação a fevereiro (16:09)
Para incentivar a população a não sair de casa, Grupo Mantiqueira expande operação de delivery com clube de assinantes do ovo (15:58)
Soja cai mais de 2% em Chicago, em dia de perdas generalizadas (14:42)
Setores de aves e suínos do ES colocam em prática as orientações de prevenção e se organizam para continuar o abastecimento de alimentos (14:39)
Milho: alta do dólar pressiona cotações na B3 e Chicago aprofunda perdas (13:12)
BRF anuncia doações de R$ 50 milhões (13:09)
Com falta de ovos nos EUA, venda de pintos aumentam (12:25)
Indicador da soja supera R$ 100/sc e o do milho, R$ 60, recordes nominais das séries do Cepea (11:29)
BRF contrata R$ 1,4 bi em linhas de crédito para reforçar liquidez (10:14)
Milho abre o mês ainda em queda na Bolsa de Chicago e na B3 (10:12)
SIF garante a manutenção do abastecimento de produtos de origem animal (09:15)
Governo estuda pacote de R$ 2 bi para o campo (09:14)
Frigoríficos dos EUA oferecem bônus contra absenteísmo (09:12)
Embrapa faz parceria com Korin e se aproxima do consumidor (09:11)
Soja: mercado começa abril com perdas de mais de 1% em Chicago (08:15)
Milho: poucas movimentações no Brasil e queda de 7% em março em Chicago (08:11)
Mapa institui comitê de crise para monitorar impactos do Coronavírus (08:10)
Suíno: principais praças produtoras do vivo têm desvalorização (08:06)
Boi gordo encerra março com preços firmes (08:00)
Habilitação de novos frigoríficos pela China está paralisada (07:28)
Terça-Feira, 31/03
PIB AGRO SP/CEPEA: Pecuária eleva PIB agro de SP em 1,5% em 2019 (13:47)
Cobb debateu mudanças de manejo para o frango moderno com jovens avicultores (13:39)
Milho segue caindo em Chicago, mas sobe 2% na B3 (12:27)
Início da crise puxa o preço dos alimentos, mas alta é passageira (09:50)
Milho abre a 3ª feira em Chicago na espera dos relatórios do USDA (09:19)
Mapa alerta para medidas de prevenção ao coronavírus no campo (08:18)
Brasil caminha para recorde na 2ª safra de milho (08:13)
Milho: preços sustentados no Brasil mesmo com recorde histórico (08:12)
Quarentena reduz drasticamente demanda por suínos nas principais praças produtoras (08:05)
Soja tem leves baixas nesta manhã de 3ª feira (08:00)
Retomada de preço no mercado do boi gordo (07:45)