Domingo, 05 de Abril de 2020
Saúde Pública

Quais os primeiros impactos do coronavírus sobre a pecuária de corte?
São Paulo, SP, 26 de Março de 2020 - Nesta quarta-feira, 25, o Giro do Boi exibiu entrevista com a médica veterinária e cientista econômica Lygia Pimentel, fundadora e diretora executiva da consultoria Agrifatto. A analista explicou como enxerga a pandemia de coronavírus alterando dinâmicas do consumo de proteínas em todo o mundo e como isto impacta, em um primeiro momento, nos preços do setor.

Pimentel destacou que não somente a pecuária de corte, mas todos os setores da economia estão sendo impactados. Especificamente o da produção de carne bovina passa por mudanças nos canais de consumo. Na China, o principal importador da carne bovina brasileira, o consumo, normalmente feito fora dos lares, agora passa por uma alteração, com a população mais enclausurada e se alimentando em casa, dando preferência, neste momento, à carne de frango.

“Não à não a toa […] a gente viu as exportações de frango irem melhor do que as exportações de carne bovina e suína nos primeiros meses do ano. Então a gente viu esta transferência de canais de consumo prejudicar um pouquinho o consumo carne bovina”, disse.
De acordo com Pimentel, dinâmicas similares ocorrem em outros países, como na Itália e no próprio Brasil, onde parte considerável dos cortes que eram consumidos em restaurantes e refeitórios passam para dentro de casa. Por aqui, momentaneamente a preferência passa a ser por proteínas concorrentes mais baratas, sobretudo por incertezas em relação ao desempenho da economia e manutenção dos empregos.

“A gente tinha aí um consumo que era praticado, principalmente em restaurantes, refeitórios, onde a gente tem uma diversificação da oferta de carne, de proteína. Então o que você tem lá nos refeitórios? Um dia carne bovina, um dia carne de frango, um dia suíno. E agora as pessoas vão para os lares fazer suas próprias escolhas. Em primeiro lugar, a gente tem esse cenário em que, diante da ameaça do desemprego, da ameaça de não estar conseguindo tocar seu próprio negócio, e a gente sabe que mais da metade da população empregada no Brasil não é CLT, diante deste aperto, deste arrocho, a gente faz uma leve transferência do consumo da carne bovina para a carne de frango”, apontou.

Lygia analisou também o cenário de preços. “É difícil agora indicar o equilíbrio de preços. Por exemplo, a gente começou aqui em São Paulo agora a fechar os restaurantes na terça-feira e isto vai ter um efeito que a gente ainda não conseguiu mensurar, as coisas vão se ajustando conforme as novas ocorrências vão acontecendo. Este fechamento provavelmente vai intensificar a ida da população ao supermercado. […] Quando vão aos supermercados e fazem a comparação do quilo da carne bovina com a carne de frango, as populações das classes média e baixa acabam optando um pouquinho mais pelo frango exatamente por conta do arrocho que a gente está vendo. Não tá brincadeira, os profissionais liberais, ou até mesmo quem tem CLT, mas trabalha com comissão, manicure, por exemplo, aí a gente tem outra categoria, não tem Uber circulando na cidade… Estou falando de problema das cidades grandes, mas é onde está o nosso consumo, onde foi parar o nosso produto versão final. […] A gente está tentando ser o mais realista possível, ninguém para de comer, por isso que o agro continua, mas a gente deve ter algum tipo de transferência nesse processo de consumo para a carne de frango por conta do arrocho monetário que está acontecendo e é muito preocupante o que está acontecendo”, opinou.

Entre os impactos consideráveis, por exemplo, esteve o anúncio recentemente feito pelo McDonald’s de fechar seus restaurantes para conter a pandemia, enquanto funciona apenas para entregas e drive-thru, conforme ressaltou Lygia.

A analista projetou ainda situações possíveis para a oferta, caso se confirme no Brasil a mesma tendência de outros países, em que em cerca de dois meses o avanço do número de casos se estabilizou. “Dentro deste cenário, levaria a gente para maio, quando o mercado vai começar a sair às ruas de novo, muito provavelmente. E em maio a gente sabe que as pastagens estão secas, nós pecuaristas perdemos a capacidade de manter a boiada no pasto pra segurar. Até onde o mercado pode ir até lá, eu acho que pode sofrer um pouquinho mais de pressão, pouco mais. […] Então se você tem boi pra vender agora que está pronto, ao contrário de alguns pecuaristas, eu recomendaria vender porque se você precisar vender lá na frente, quando todo mundo vai precisar vender junto daqui dois meses, vai te apertar”, apontou

A analista recomendou aos agentes da pecuária acompanharam também uma possível mudança do epicentro da pandemia para os Estados Unidos, conforme cresce o número de casos por lá e ultrapassa o total de outros países mais afetados.
Já entre as oportunidades que podem surgir neste cenário, segundo a analista, está o de negociar um pouco melhor a reposição, um mercado um pouco menos dinâmico do que o balcão da arroba do boi, segundo Pimentel, mas que deve também sofrer seus reajustes.
(Giro do Boi) (Redação)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Domingo, 05/04
Sexta-Feira, 03/04
Suíno: quedas acentuadas para o mercado independente (16:44)
CNA destaca ações para reduzir impactos na comercialização de alimentos (15:57)
Soja pode registrar semana de maior alta da história no Brasil (14:18)
Milho abre a sexta-feira subindo em Chicago e na B3 (10:03)
Milho está acima de R$60 a saca em Campinas-SP (09:32)
Demanda por carne desaba no país (08:24)
Frigoríficos conseguiram alongar as escalas de abate (08:17)
Aviões cheios de suínos chegam à China para reconstruir o maior rebanho do mundo (08:16)
Milho: demanda segue aquecida e cotações no mercado interno permanecem sustentadas (08:05)
Soja segue operando com estabilidade nesta 6ª feira em Chicago (08:00)
Milho segunda safra mostra amplo desenvolvimento (07:16)
Quinta-Feira, 02/04
Preço do suíno independente baixa até para patamares vistos há dez meses (16:24)
Boi: demanda da China e ciclo pecuário de alta nos preços vão minimizar impactos de uma retração da demanda interna por carnes (16:13)
Petróleo dispara e puxa commodities agrícolas (16:07)
Adiamento de tributos ajudará agroindústria na crise, diz CNA (15:44)
Laboratório da Secretaria de Agricultura de São Paulo fará testes para a Covid-19 (15:14)
Aurora manterá quadro de empregados e não cogita redução de sua força de trabalho (14:50)
Faturamento com exportação de carne suína em março é 61% maior do que em março/19 (13:24)
USDA: Vendas semanais de soja e milho dos EUA ficam dentro do esperado (13:22)
Milho: B3 segue caindo na maioria dos contratos e Chicago contabiliza ganhos (13:21)
Embrapa disponibiliza Instrução Técnica para avicultores e suinocultores sobre a COVID-19 (11:37)
As empresas têm que agir com responsabilidade’, defende BRF (09:30)
Supermercado pode viver ‘nova onda’ de consumo (09:26)
Justiça do DF desobriga empresa de apresentar CND em financiamento (09:25)
Milho abre a 5ª feira subindo em Chicago e em campo misto na B3 (09:04)
Suínos: preços do vivo e da carne caem com mais força no final de março (09:03)
Boi: mercado pecuário apresenta instabilidade no correr de março (09:00)
Marca Tecnologia Embrapa chega às gôndolas dos supermercados em ovos da Korin (08:39)
Cobb-Vantress substitui frota para entregar mais eficiência produtiva e ambiental (08:19)
Mercado do boi está em alerta (08:02)
Milho no Brasil segue em alta enquanto safrinha se desenvolveu bem com chuvas de março (08:00)
Após queda intensa, soja tem estabilidade em Chicago nesta 5ª feira (07:58)
Quarta-Feira, 01/04
Suíno: preços seguem com queda acentuada quebra na demanda (16:41)
Frigoríficos reduzem ritmo de compras após alongarem escalas (16:16)
Exportações brasileiras de milho em março ficam menores do que mesmo mês de 2019, mas sobem em relação a fevereiro (16:09)
Para incentivar a população a não sair de casa, Grupo Mantiqueira expande operação de delivery com clube de assinantes do ovo (15:58)
Soja cai mais de 2% em Chicago, em dia de perdas generalizadas (14:42)
Setores de aves e suínos do ES colocam em prática as orientações de prevenção e se organizam para continuar o abastecimento de alimentos (14:39)
Milho: alta do dólar pressiona cotações na B3 e Chicago aprofunda perdas (13:12)
BRF anuncia doações de R$ 50 milhões (13:09)
Com falta de ovos nos EUA, venda de pintos aumentam (12:25)
Indicador da soja supera R$ 100/sc e o do milho, R$ 60, recordes nominais das séries do Cepea (11:29)
BRF contrata R$ 1,4 bi em linhas de crédito para reforçar liquidez (10:14)
Milho abre o mês ainda em queda na Bolsa de Chicago e na B3 (10:12)
SIF garante a manutenção do abastecimento de produtos de origem animal (09:15)
Governo estuda pacote de R$ 2 bi para o campo (09:14)
Frigoríficos dos EUA oferecem bônus contra absenteísmo (09:12)
Embrapa faz parceria com Korin e se aproxima do consumidor (09:11)
Soja: mercado começa abril com perdas de mais de 1% em Chicago (08:15)
Milho: poucas movimentações no Brasil e queda de 7% em março em Chicago (08:11)
Mapa institui comitê de crise para monitorar impactos do Coronavírus (08:10)
Suíno: principais praças produtoras do vivo têm desvalorização (08:06)
Boi gordo encerra março com preços firmes (08:00)
Habilitação de novos frigoríficos pela China está paralisada (07:28)
Terça-Feira, 31/03
PIB AGRO SP/CEPEA: Pecuária eleva PIB agro de SP em 1,5% em 2019 (13:47)
Cobb debateu mudanças de manejo para o frango moderno com jovens avicultores (13:39)
Milho segue caindo em Chicago, mas sobe 2% na B3 (12:27)
Início da crise puxa o preço dos alimentos, mas alta é passageira (09:50)
Milho abre a 3ª feira em Chicago na espera dos relatórios do USDA (09:19)
Mapa alerta para medidas de prevenção ao coronavírus no campo (08:18)
Brasil caminha para recorde na 2ª safra de milho (08:13)
Milho: preços sustentados no Brasil mesmo com recorde histórico (08:12)
Quarentena reduz drasticamente demanda por suínos nas principais praças produtoras (08:05)
Soja tem leves baixas nesta manhã de 3ª feira (08:00)
Retomada de preço no mercado do boi gordo (07:45)