Terça-feira, 14 de Julho de 2020
Empresas

JBS mantém empregos e investimentos no Brasil
São Paulo, SP, 26 de Março de 2020 - Na maior empresa privada não financeira do Brasil, a ordem é preservar todos os empregos e seguir em frente com o pacote multibilionário de investimentos. Em entrevista concedida ontem ao Valor, o CEO global da JBS, Gilberto Tomazoni, afirmou que a companhia mantém todas as operações em funcionamento para garantir o abastecimento de carnes em meio ao avanço da covid-19.

“Estamos assumindo o compromisso de manter os empregos e somos relevantes”, ressaltou o executivo. No mundo, a JBS emprega mais de 240 mil pessoas. Apenas no Brasil, o número de funcionários é da ordem de 120 mil. Considerando empregos indiretos, o grupo contribui com mais de 400 mil vagas no país.

Tomazoni reconhece que a JBS está em uma posição privilegiada - ontem, a companhia reportou o melhor resultado da história, com lucro de mais de R$ 6 bilhões em 2019. “Sinto orgulho de que a nossa indústria pode fazer isso”, afirmou o executivo, ressaltando que a empresa adotou uma série de medidas para proteger os funcionários. Com operações nos quatro cantos do mundo, a JBS está em países como a Itália, onde a pandemia do coronavírus já fez mais de 7,5 mil mortos, e Reino Unidos, que está em quarentena. EUA e Brasil, que lidam com a rápida propagação da doença, são as principais plataformas de produção do grupo.


Entre as medidas para proteger os funcionários, Tomazoni mencionou a ampliação da frota de ônibus que transporta os trabalhadores no Brasil. Para aumentar a distância entre os empregados, a empresa dobrou o número dos veículos que fazem o transporte coletivo. Os tradicionais jogos de baralho e dominó, que fazem o lazer dos trabalhadores nas pausas para refeição e descanso, forram suspensas com o mesmo objetivo, acrescentou o executivo.

Financeiramente, a JBS nunca esteve tão bem para atravessar a turbulência e, ao mesmo tempo, manter os investimentos. No balanço divulgado na noite de ontem, a companhia mostrou que, em 31 de dezembro, tinha disponíveis US$ 4,5 bilhões (incluindo recursos do caixa de uma linha de crédito rotativo nos EUA). No ano passado, a companhia alongou o perfil de vencimento das dívidas, emitindo títulos no exterior ao mesmo tempo em que quitava empréstimos mais caros com bancos. No fim de 2019, a companhia possuía recursos para honrar com as amortizações por seis anos e meio.

Além disso, do endividamento de R$ 53 bilhões que a empresa brasileira tinha em 31 de dezembro, somente 3,9% vencia no curto prazo (em até um ano). O índice de alavancagem, que mede a relação entre a dívida líquida e Ebitda, estava em 2,16 vezes - o menor patamar dos últimos anos.

Ao Valor, o vice-presidente de finanças e de relações com investidores da JBS, Guilherme Cavalcanti, acrescentou que, mesmo sem a necessidade de recursos, o grupo decidiu ampliar ainda mais o confortável colchão de liquidez que possui como uma medida de precaução. Segundo ele, a empresa tomou linhas de créditos disponíveis junto a bancos no Brasil e no exterior.

Cavalcanti não revelou quanto a JBS tomou em linhas de créditos no primeiro trimestre, mas disse que a empresa tem disponíveis atualmente mais recursos do que no fim do ano. Isso mesmo quando considerado que o primeiro trimestre é um período de maior consumo de caixa, frisou. “Todo mundo está sendo mais prevenido. As agências de rating nem consideram incremento de dívida bruta a tomada de linhas de crédito para deixar o caixa mais seguro”, ressaltou o vice-presidente da JBS.

Com a liquidez garantida, a empresa não fez qualquer alteração no ritmo de investimentos. No Brasil, a JBS anunciou no ano passado o maior pacote de investimentos da história. Ao todo, serão R$ 8 bilhões em cinco anos. Incluindo o que será aplicado pelos produtores integrados de frangos e suínos, o montante chega a R$ 13 bilhões. A estimativa da JBS é que os investimentos no Brasil gerem 25 mil empregos diretos.

Em meio à urgência de combater o coronavírus, o desempenho da JBS em 2019 acabou ofuscado. Além do lucro líquido recorde, a companhia ultrapassou, pela primeira vez, a marca dos R$ 200 bilhões em receita líquida. Embora não seja o hora para celebrações, esse resultado dá sustentação para o grupo atravessara a maré adversa. “Quando vem uma crise dessas, o tamanho do navio e o número de horas do comandante faz toda a diferença”, afirmou Tomazoni.
(Valor Econômico) (Luiz Henrique Mendes)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Terça-Feira, 14/07
Agências da ONU recomendam mudança na área de alimentos (10:16)
Crise? Que crise? Setor de alimentos está bombando na Bolsa (10:12)
Ajuste da oferta faz frango subir no país (08:38)
Governador do Tocantins reafirma compromisso com a iniciativa privada visando a geração de empregos (08:25)
Sistema de compartimentação abre portas para a avicultura catarinense em mercados exigentes (08:20)
Brasil importa mais que o triplo de soja nos primeiros 8 dias úteis de julho do que em todo mesmo mês de 2019 (07:39)
Apenas em 2 semanas de julho Brasil já exportou 132% a mais de milho do que todo o mês de junho (07:30)
Segunda-Feira, 13/07
Doença de Gumboro é tema do novo podcast FACTA (14:59)
Frigoríficos avícolas gaúchos investem no combate a pandemia (14:58)
OVOS/CEPEA: maior demanda e oferta limitada elevam preços (13:05)
Milho: indicador CEPEA volta a fechar acima de R$ 50/sc (13:02)
Soja: com baixo excedente, importação é a maior desde ju/16 (13:00)
PDSA desevolve cursos virtuais para garantir sanidade no RS (11:06)
Instituto Ovos Brasil e CEPEA criam ferramenta para consulta de preço de ovos (08:34)
Governo do Paraná e JBS discutem investimentos no Estado (08:00)
Uberlândia recebe anúncio de R$ 80 milhões em investimentos (07:59)
Secretaria de Saúde do Paraná acompanha atividades em frigoríficos (07:57)
Pandemia estimula consumo de frango no mercado interno e aquece exportações (07:57)
Sexta-Feira, 10/07
Com alta de 24,5%, exportações do agronegócio batem recorde para meses de junho e ultrapassam US$ 10 bilhões (13:53)
FRANGO/CEPEA: apesar de queda nos embarques, preço interno da carne está firme (07:31)
Agronegócio responde por 72% das exportações catarinenses no primeiro semestre de 2020 (07:26)
Com recordes de valores de soja e milho, VBP de 2020 é estimado em R$ 716,6 bilhões (07:25)
Comercialização de soja 2019/20 e da safra nova em junho foi mais lenta (07:10)
Quinta-Feira, 09/07
SUÍNOS/CEPEA: preços do vivo sobem em quase todas as regiões; exportações estão aquecidas (09:47)
BOI/CEPEA: indicador volta a fechar acima de R$ 220 (09:46)
Dicas para inovar no agronegócio e vender mais (08:15)
C.Vale e Pluma Agroavícola colocam em funcionamento frigorífico da Plusval (08:14)
Brasil retoma posto de maior produtor de soja do planeta (07:53)
Quarta-Feira, 08/07
Produção de grãos deve atingir 251,4 milhões de toneladas segundo levantamento da Conab (11:32)
Indústria global de carne de aves se recupera gradualmente, mas 2º semestre pode trazer volatilidade (09:12)
Nui Markets vê bom potencial no Brasil (09:10)
Exportadores do Brasil propõem testar carne para acalmar China (09:10)
Exportação de grãos deve beirar recorde (09:09)