Sábado, 04 de Abril de 2020
Agronegócios

Mercado de Commodities testa resistência de COVID-19, diz INTL FCstone
Campinas, SP, 25 de Março de 2020 - China deve retomar atividades econômicas no próximo semestre, mas avanço global do vírus prevê grande impacto no emprego e renda da população.

Com maior controle do quadro de evolução do Coronavírus (COVID-19) na China, um retorno das atividades do país já está sendo observado, com perspectivas de normalidade para o fluxo de comércio no médio prazo, após as sucessivas medidas públicas tomadas para a contenção do trânsito populacional e de mercadorias.

"Tudo indica que a China está no caminho para retomar as suas atividades econômicas com maior força ao longo do próximo trimestre", apontou INTL FCStone, em relatório especial divulgado nesta segunda-feira (23). A atenção ainda se volta à recuperação da logística portuária chinesa, com o governo adotando políticas de corte de custos e tarifas para os carregamentos nos portos de modo a facilitar o comércio.

Embora as perspectivas apontem para uma recuperação chinesa, o avanço do vírus no resto do mundo indica grande desaceleração global, com vários países fechando fronteiras e adotando medidas de confinamento para suas populações.

"Essas medidas, apesar de terem se provado eficazes para desacelerar a contaminação, têm um grande impacto no emprego e renda da população e, consequentemente, na economia como um todo", pondera a INTL FCStone.

De acordo com o grupo, por mais que as commodities agropecuárias tenham uma maior resistência num cenário de mudança na demanda, uma vez que são alimento, os possíveis impactos precisam ser monitorados, tanto no mercado internacional, quando internamente.

Mercado brasileiro

No Brasil, a demanda pelo açúcar nacional não foi significativamente impactada. "O COVID-19 não parece ter afetado os embarques de açúcar nas últimas semanas – especialmente a partir do porto de Santos, o principal hub de escoamento da commodity", explica o Analista de Inteligência de Mercado da INTL FCStone, Matheus Costa.

O funcionamento dos portos é uma condição favorável à demanda dos produtos brasileiros. A exemplo do mercado de algodão, cujas exportações brasileiras seguem surpreendentemente aquecidas, com grande demanda asiática. "O mercado esperava por uma forte redução dos embarques brasileiros, o que ainda não foi observado. Em janeiro, o país sul-americano exportou 308,8 mil toneladas de algodão, recorde absoluto de carregamentos mensais", destaca o grupo, em relatório. Em fevereiro, os embarques da pluma atingiram 169,9 mil toneladas, registrando um aumento de 81,7% em comparação com o mesmo período do ano anterior e um recorde para o mês.

Para os preços do café, a desaceleração da demanda pode ser minimamente equilibrada pelo sentimento de aperto na oferta nos próximos meses. Porém, caso o problema se prolongue, a perspectiva de uma grande produção para a safra 2020/21 pode pressionar bastante os preços, ao passo que a chegada do novo café ao mercado se aproxime (em meados de junho). Destaca-se que a Itália, terceiro maior comprador de café brasileiro, foi o primeiro a apresentar problemas severos por conta do coronavírus.

O quadro de evolução do vírus também desafia e modifica a dinâmica do comércio de carnes, com a previsão apontando para um aumento dos estoques domiciliares, enquanto o atacado e restaurantes reduzirão ainda mais suas escalas de vendas. "A queda do poder aquisitivo do consumidor final, em meio a uma possível recessão econômica, estimulam fontes alternativas à carne bovina, tais como a suína e a de frango, que são mais baratas", explica a INTL FCStone.

A produção de carnes ainda estimula o consumo interno por milho, para ração, mas a oferta mais restrita no mercado doméstico preocupa pela safra de verão abaixo de 26 milhões de toneladas em um ano de estoques de passagem menores. "A safrinha é monitorada de perto, uma vez que a falta de chuvas pode prejudicar o potencial produtivo", avalia a Analista de Inteligência de Mercado, Ana Luiza Lodi.

Quanto ao uso do milho para etanol, um dos fatores que reforçaram o crescimento da demanda doméstica pelo cereal nos últimos anos, pode haver impactos pela queda dos preços do petróleo/gasolina, que têm pesado sobre os preços do biocombustível, reduzindo ou negativando as margens das usinas.

Apesar da epidemia de COVID-19 ter começado na China, maior importador mundial de soja, as perspectivas para as exportações brasileiras se mantêm positivas, com os line-ups de navios para março indicando volumes que poderiam superar 13/14 milhões de toneladas. No mercado interno, por enquanto, ainda não há sinais de que o esmagamento possa ser interrompido, mesmo porque as margens estão favoráveis. Além disso, a atividade de processamento da soja em farelo e óleo é conduzida por poucos funcionários.
(INTL FCStone) (Redação)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Sábado, 04/04
Sexta-Feira, 03/04
Suíno: quedas acentuadas para o mercado independente (16:44)
CNA destaca ações para reduzir impactos na comercialização de alimentos (15:57)
Soja pode registrar semana de maior alta da história no Brasil (14:18)
Milho abre a sexta-feira subindo em Chicago e na B3 (10:03)
Milho está acima de R$60 a saca em Campinas-SP (09:32)
Demanda por carne desaba no país (08:24)
Frigoríficos conseguiram alongar as escalas de abate (08:17)
Aviões cheios de suínos chegam à China para reconstruir o maior rebanho do mundo (08:16)
Milho: demanda segue aquecida e cotações no mercado interno permanecem sustentadas (08:05)
Soja segue operando com estabilidade nesta 6ª feira em Chicago (08:00)
Milho segunda safra mostra amplo desenvolvimento (07:16)
Quinta-Feira, 02/04
Preço do suíno independente baixa até para patamares vistos há dez meses (16:24)
Boi: demanda da China e ciclo pecuário de alta nos preços vão minimizar impactos de uma retração da demanda interna por carnes (16:13)
Petróleo dispara e puxa commodities agrícolas (16:07)
Adiamento de tributos ajudará agroindústria na crise, diz CNA (15:44)
Laboratório da Secretaria de Agricultura de São Paulo fará testes para a Covid-19 (15:14)
Aurora manterá quadro de empregados e não cogita redução de sua força de trabalho (14:50)
Faturamento com exportação de carne suína em março é 61% maior do que em março/19 (13:24)
USDA: Vendas semanais de soja e milho dos EUA ficam dentro do esperado (13:22)
Milho: B3 segue caindo na maioria dos contratos e Chicago contabiliza ganhos (13:21)
Embrapa disponibiliza Instrução Técnica para avicultores e suinocultores sobre a COVID-19 (11:37)
As empresas têm que agir com responsabilidade’, defende BRF (09:30)
Supermercado pode viver ‘nova onda’ de consumo (09:26)
Justiça do DF desobriga empresa de apresentar CND em financiamento (09:25)
Milho abre a 5ª feira subindo em Chicago e em campo misto na B3 (09:04)
Suínos: preços do vivo e da carne caem com mais força no final de março (09:03)
Boi: mercado pecuário apresenta instabilidade no correr de março (09:00)
Marca Tecnologia Embrapa chega às gôndolas dos supermercados em ovos da Korin (08:39)
Cobb-Vantress substitui frota para entregar mais eficiência produtiva e ambiental (08:19)
Mercado do boi está em alerta (08:02)
Milho no Brasil segue em alta enquanto safrinha se desenvolveu bem com chuvas de março (08:00)
Após queda intensa, soja tem estabilidade em Chicago nesta 5ª feira (07:58)
Quarta-Feira, 01/04
Suíno: preços seguem com queda acentuada quebra na demanda (16:41)
Frigoríficos reduzem ritmo de compras após alongarem escalas (16:16)
Exportações brasileiras de milho em março ficam menores do que mesmo mês de 2019, mas sobem em relação a fevereiro (16:09)
Para incentivar a população a não sair de casa, Grupo Mantiqueira expande operação de delivery com clube de assinantes do ovo (15:58)
Soja cai mais de 2% em Chicago, em dia de perdas generalizadas (14:42)
Setores de aves e suínos do ES colocam em prática as orientações de prevenção e se organizam para continuar o abastecimento de alimentos (14:39)
Milho: alta do dólar pressiona cotações na B3 e Chicago aprofunda perdas (13:12)
BRF anuncia doações de R$ 50 milhões (13:09)
Com falta de ovos nos EUA, venda de pintos aumentam (12:25)
Indicador da soja supera R$ 100/sc e o do milho, R$ 60, recordes nominais das séries do Cepea (11:29)
BRF contrata R$ 1,4 bi em linhas de crédito para reforçar liquidez (10:14)
Milho abre o mês ainda em queda na Bolsa de Chicago e na B3 (10:12)
SIF garante a manutenção do abastecimento de produtos de origem animal (09:15)
Governo estuda pacote de R$ 2 bi para o campo (09:14)
Frigoríficos dos EUA oferecem bônus contra absenteísmo (09:12)
Embrapa faz parceria com Korin e se aproxima do consumidor (09:11)
Soja: mercado começa abril com perdas de mais de 1% em Chicago (08:15)
Milho: poucas movimentações no Brasil e queda de 7% em março em Chicago (08:11)
Mapa institui comitê de crise para monitorar impactos do Coronavírus (08:10)
Suíno: principais praças produtoras do vivo têm desvalorização (08:06)
Boi gordo encerra março com preços firmes (08:00)
Habilitação de novos frigoríficos pela China está paralisada (07:28)
Terça-Feira, 31/03
PIB AGRO SP/CEPEA: Pecuária eleva PIB agro de SP em 1,5% em 2019 (13:47)
Cobb debateu mudanças de manejo para o frango moderno com jovens avicultores (13:39)
Milho segue caindo em Chicago, mas sobe 2% na B3 (12:27)
Início da crise puxa o preço dos alimentos, mas alta é passageira (09:50)
Milho abre a 3ª feira em Chicago na espera dos relatórios do USDA (09:19)
Mapa alerta para medidas de prevenção ao coronavírus no campo (08:18)
Brasil caminha para recorde na 2ª safra de milho (08:13)
Milho: preços sustentados no Brasil mesmo com recorde histórico (08:12)
Quarentena reduz drasticamente demanda por suínos nas principais praças produtoras (08:05)
Soja tem leves baixas nesta manhã de 3ª feira (08:00)
Retomada de preço no mercado do boi gordo (07:45)