Sábado, 04 de Abril de 2020
Matérias-Primas

Argentina tem o pior início de colheita da soja em anos
Campinas, SP, 24 de Março de 2020 - A Argentina vem tendo um de seus piores inícios de colheita da soja dos últimos anos, sentindo a combinação da pressão de uma quebra na safra em função de adversidades climáticas, aumento das retenciones sobre a soja e agora os efeitos da pandemia do coronavírus. E não só o período é difícil para os produtores, mas para toda a indústria do complexo soja.

O país é, afinal, o maior exportador mundial de farelo e óleo e agora vê sua competitividade cair ainda mais diante das limitações logísticas que as medidas de contenção do vírus estão impondo. O governo federal determinou uma quarentena geral até o final de março em todo território argenitino para evitar a disseminação ainda mais rápida do coronavírus, ao passo que as processadoras de soja buscam manter suas operações de produção e distruição dos derivados.

No entanto, apesar das imposições de algumas empresas, o Decreto de Necessidade e Urgência 297 do governo argentina assegura isenção das medidas de isolamento ao transporte de cargas de grãos e cereais do país. "As atividades relacionadas à produção, distribuição e comercialização da agricultura e pesca", segundo os documentos do governo, foram consideradas, portanto, essenciais e deveriam ser mantidas de uma forma geral.

Mais do que isso, como informa a agência internacional de notícias Bloomberg, as atuais medidas são de que todos os elos das cadeias de suprimento mantenham seus colaboradores seguros.

"É claro que tememos de que os terminais de grãos sejam afetados, mas estamos tomando todas as medidas para poder operar normalmente", disse Gustavo Idigoras, presidente do grupo de esmagamento e exportação Ciara-Cec, à Bloomberg.

Na última semana, a Argentina já havia registrado o fechamento de cinco terminais na cidade de Timbués, ao sul da província de Santa Fé, o que provocou uma importante reação no mercado da soja na Bolsa de Chicago. Com o fluxo comprometido, analistas acreditam na migração da demanda, principalmente por farelo de soja, para os EUA. Na mesma ocasião, os futuros do farelo chegaram a subir até 5% na CBOT.

De aproximadamente 70 municípios da região dos Pampas vem a informação de que muitas cidades já não permitem mais que os produtores abasteçam seus caminhões para levar os grãos aos portos, ainda como explica Idigoras. Uma das plantas que não está podendo ser abastecida, inclusive, é a maior do mundo, representada por uma joint venture entre a Glencore PIc e a local Vicentin SAIC.

Paralelamente, há 7 mil trabalhadores de esmagadoras de soja que ameaçam iniciar uma greve caso os portos e exportadores não determinem, o quanto antes, medidas de segurança. No entanto, ainda segundo o executivo argentino ouvido pela Bloomberg, todos os elos da cadeia logística de grãos na Argentina já adotaram os protocolos governamentais - firmados entre os Ministérios da Agricultura e Transportes - para a proteção de seus funcionários.

Guillermo Wade, gerente da câmara portuária e marítima CAPyM, que opera no exterior no Rio Paraná, também ouvido pela Bloomberg, resume a situação como uma "maratona de problemas".

Assim como acontece no Brasil, as insituições ligadas à produção e distribuição agrícola e pecuária da Argentina intensifircaram as medidas de higiene e prevenção ao contágio do coronavírus, bem como promoveram uma articulação para que tudo continue fluindo normalmente. Entretanto, problemas pontuais continuam a aparecer.

O Comitê de Ligação das Entidades Agrícolas

COLHEITA DE GRÃOS

Embora as questões logísticas sigam no foco das notícias na Argentina também, como em todo o mundo, a colheita da soja e do milho continua acontecendo no país. Os campos argentinos registraram algumas chuvas nos últimos dias, depois de quase um mês de tempo seco e temperaturas muito elevadas, condições que já tiraram produtividade de ambas as culturas.

Os últimos dados da Bolsa de Cereais de Buenos Aires indicam uma safra de milho em 50 milhões de toneladas e 52 milhões para a soja.

"Os primeiros rendimentos registrados mostram grande variabilidade e será necessário esperar até que a colheita ganhe mais força para que tenhamos maior precisão nas médias regionais", diz a bolsa. Além disso, a instituição afirma ainda que, embora as precipitações tenham favorecido boa parte de áreas produtoras, elas chegaram a tarde a algumas outras. E por isso, não descarta a possibilidade de que novos cortes em sua projeção para a safra da oleaginosa.
(Notícias Agrícolas) (Carla Mendes)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Sábado, 04/04
Sexta-Feira, 03/04
Suíno: quedas acentuadas para o mercado independente (16:44)
CNA destaca ações para reduzir impactos na comercialização de alimentos (15:57)
Soja pode registrar semana de maior alta da história no Brasil (14:18)
Milho abre a sexta-feira subindo em Chicago e na B3 (10:03)
Milho está acima de R$60 a saca em Campinas-SP (09:32)
Demanda por carne desaba no país (08:24)
Frigoríficos conseguiram alongar as escalas de abate (08:17)
Aviões cheios de suínos chegam à China para reconstruir o maior rebanho do mundo (08:16)
Milho: demanda segue aquecida e cotações no mercado interno permanecem sustentadas (08:05)
Soja segue operando com estabilidade nesta 6ª feira em Chicago (08:00)
Milho segunda safra mostra amplo desenvolvimento (07:16)
Quinta-Feira, 02/04
Preço do suíno independente baixa até para patamares vistos há dez meses (16:24)
Boi: demanda da China e ciclo pecuário de alta nos preços vão minimizar impactos de uma retração da demanda interna por carnes (16:13)
Petróleo dispara e puxa commodities agrícolas (16:07)
Adiamento de tributos ajudará agroindústria na crise, diz CNA (15:44)
Laboratório da Secretaria de Agricultura de São Paulo fará testes para a Covid-19 (15:14)
Aurora manterá quadro de empregados e não cogita redução de sua força de trabalho (14:50)
Faturamento com exportação de carne suína em março é 61% maior do que em março/19 (13:24)
USDA: Vendas semanais de soja e milho dos EUA ficam dentro do esperado (13:22)
Milho: B3 segue caindo na maioria dos contratos e Chicago contabiliza ganhos (13:21)
Embrapa disponibiliza Instrução Técnica para avicultores e suinocultores sobre a COVID-19 (11:37)
As empresas têm que agir com responsabilidade’, defende BRF (09:30)
Supermercado pode viver ‘nova onda’ de consumo (09:26)
Justiça do DF desobriga empresa de apresentar CND em financiamento (09:25)
Milho abre a 5ª feira subindo em Chicago e em campo misto na B3 (09:04)
Suínos: preços do vivo e da carne caem com mais força no final de março (09:03)
Boi: mercado pecuário apresenta instabilidade no correr de março (09:00)
Marca Tecnologia Embrapa chega às gôndolas dos supermercados em ovos da Korin (08:39)
Cobb-Vantress substitui frota para entregar mais eficiência produtiva e ambiental (08:19)
Mercado do boi está em alerta (08:02)
Milho no Brasil segue em alta enquanto safrinha se desenvolveu bem com chuvas de março (08:00)
Após queda intensa, soja tem estabilidade em Chicago nesta 5ª feira (07:58)
Quarta-Feira, 01/04
Suíno: preços seguem com queda acentuada quebra na demanda (16:41)
Frigoríficos reduzem ritmo de compras após alongarem escalas (16:16)
Exportações brasileiras de milho em março ficam menores do que mesmo mês de 2019, mas sobem em relação a fevereiro (16:09)
Para incentivar a população a não sair de casa, Grupo Mantiqueira expande operação de delivery com clube de assinantes do ovo (15:58)
Soja cai mais de 2% em Chicago, em dia de perdas generalizadas (14:42)
Setores de aves e suínos do ES colocam em prática as orientações de prevenção e se organizam para continuar o abastecimento de alimentos (14:39)
Milho: alta do dólar pressiona cotações na B3 e Chicago aprofunda perdas (13:12)
BRF anuncia doações de R$ 50 milhões (13:09)
Com falta de ovos nos EUA, venda de pintos aumentam (12:25)
Indicador da soja supera R$ 100/sc e o do milho, R$ 60, recordes nominais das séries do Cepea (11:29)
BRF contrata R$ 1,4 bi em linhas de crédito para reforçar liquidez (10:14)
Milho abre o mês ainda em queda na Bolsa de Chicago e na B3 (10:12)
SIF garante a manutenção do abastecimento de produtos de origem animal (09:15)
Governo estuda pacote de R$ 2 bi para o campo (09:14)
Frigoríficos dos EUA oferecem bônus contra absenteísmo (09:12)
Embrapa faz parceria com Korin e se aproxima do consumidor (09:11)
Soja: mercado começa abril com perdas de mais de 1% em Chicago (08:15)
Milho: poucas movimentações no Brasil e queda de 7% em março em Chicago (08:11)
Mapa institui comitê de crise para monitorar impactos do Coronavírus (08:10)
Suíno: principais praças produtoras do vivo têm desvalorização (08:06)
Boi gordo encerra março com preços firmes (08:00)
Habilitação de novos frigoríficos pela China está paralisada (07:28)
Terça-Feira, 31/03
PIB AGRO SP/CEPEA: Pecuária eleva PIB agro de SP em 1,5% em 2019 (13:47)
Cobb debateu mudanças de manejo para o frango moderno com jovens avicultores (13:39)
Milho segue caindo em Chicago, mas sobe 2% na B3 (12:27)
Início da crise puxa o preço dos alimentos, mas alta é passageira (09:50)
Milho abre a 3ª feira em Chicago na espera dos relatórios do USDA (09:19)
Mapa alerta para medidas de prevenção ao coronavírus no campo (08:18)
Brasil caminha para recorde na 2ª safra de milho (08:13)
Milho: preços sustentados no Brasil mesmo com recorde histórico (08:12)
Quarentena reduz drasticamente demanda por suínos nas principais praças produtoras (08:05)
Soja tem leves baixas nesta manhã de 3ª feira (08:00)
Retomada de preço no mercado do boi gordo (07:45)