Sábado, 04 de Abril de 2020
Matérias-Primas

Mercado de grãos segue atento à disseminação do coronavírus
São Paulo, SP, 23 de Março de 2020 - Investidores do mercado futuro de soja, milho e trigo na Bolsa de Chicago (CBOT) começam a semana atentos à disseminação do coronavírus, à logística na América do Sul e ao desempenho dos demais mercados. Nesta segunda-feira, o impacto das medidas de isolamento adotadas pelos governos pelo mundo e a votação do pacote de resgate dos EUA no Congresso norte-americano devem influenciar o comportamento dos ativos financeiros. A demanda chinesa por grãos norte-americano também volta ao radar, após a China ter anunciado compras de milho e trigo nos Estados Unidos no fim da semana passada.

Os futuros de soja terminaram em alta na sexta-feira com a expectativa de demanda chinesa pelo grão norte-americano. O vencimento maio subiu 19,25 cents (2,28%), para US$ 8,6250 por bushel. Na semana, a oleaginosa registrou ganho de 1,62%. O Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA) informou na sexta-feira que exportadores relataram vendas de 110 mil toneladas de soja para destinos não revelados. Traders acreditam, porém, que essas vendas tenham sido para a China.

Também na sexta-feira o USDA confirmou que a China comprou milho e trigo norte-americanos. "É um sinal de que os canais de negócios começam a se abrir. A demanda mundial, mesmo com o coronavírus, segue aquecida", disse o consultor Vlamir Brandalizze, da Brandalizze Consulting. No domingo, em entrevista coletiva, o presidente dos EUA, Donald Trump, destacou que a China adquiriu recentemente produtos agropecuários norte-americanos. Em relatório, a corretora Labhoro disse que, após as compras chinesas tão aguardadas da sexta-feira, não há mais informações sobre outras aquisições de commodities agrícolas, mas especula-se que devam ocorrer nesta semana.

Segundo o analista Michael McDougall, da Paragon, "os mercados finalmente estão vendo algum interesse chinês, e há preocupações crescentes com a logística (o que talvez possa explicar o interesse chinês também)". Ele observou, no entanto, que a alta parece ser uma correção e que apenas condições climáticas desfavoráveis ao plantio nos EUA ou uma piora da situação nos portos da América do Sul vão animar mais o mercado.

Terminais portuários na localidade de Timbúes, na província de Santa Fé, na Argentina, paralisaram atividades para conter o avanço do coronavírus. A medida deve se estender até o começo de abril. Há temores de que isso resulte em menor oferta de farelo de soja, já que a Argentina é o maior exportador mundial do derivado. No Brasil, os maiores portos de exportação de soja e milho ampliaram ações de combate ao coronavírus, mas garantem que isso não afetará o carregamento de grãos neste período de safra. Contudo, os estivadores no Porto de Santos decidirão nesta segunda-feira se vão paralisar ou não atividades para se proteger diante da pandemia.

Por enquanto, os embarques transcorrem normalmente no Brasil. O fechamento de novos negócios, entretanto, perdeu força na sexta-feira com o recuo do dólar - a moeda norte-americana terminou em queda de 1,48%, a R$ 5,0267. Na semana, contudo, acumulou valorização de 4,37%.

O milho fechou em baixa na sexta-feira em Chicago, apesar de fortes vendas do grão norte-americano para a China. Segundo o USDA, exportadores relataram vendas de 756 mil toneladas de milho para o país asiático. Traders explicaram que os preços caíram porque a expectativa de uma compra chinesa volumosa já tinha sido precificada na sessão anterior. A alta de quinta-feira pode ter sido motivada em parte por essa expectativa, e também por um movimento de cobertura de posições vendidas, disse Terry Reilly, da Futures International. O vencimento maio do grão recuou 1,75 cent (0,51%) na sexta, para US$ 3,4375 por bushel. Na semana, a queda foi de 6,02%.

Também pesou sobre o mercado o recuo do petróleo, que diminui a competitividade relativa do etanol. A queda recente do petróleo, por causa da guerra de preços entre Arábia Saudita e Rússia e restrições a viagens impostas por governos diante do avanço do coronavírus, está reduzindo as margens de fabricantes de etanol nos EUA, que estão cortando ou interrompendo a produção.

Os futuros de trigo negociados na CBOT fecharam em alta na sexta-feira, após o governo dos Estados Unidos informar que exportadores do país venderam 340 mil toneladas de trigo duro vermelho de inverno para a China. Além disso, a demanda por alimentos à base de trigo em decorrência da pandemia de coronavírus favorece os preços do grão. "A ideia de que demanda por produtos como farinha e massa pode aumentar nas áreas afetadas pelo vírus já é uma realidade visível para clientes em lojas", disse a analista do Commerzbank Michaela Helbing-Kuhl. Na CBOT, o vencimento maio do trigo avançou 4,25 cents (0,79%) e fechou em US$ 5,3925 por bushel. Na semana, acumulou ganho de 6,57%.
(Estadão Conteúdo) (Redação)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Sábado, 04/04
Sexta-Feira, 03/04
Suíno: quedas acentuadas para o mercado independente (16:44)
CNA destaca ações para reduzir impactos na comercialização de alimentos (15:57)
Soja pode registrar semana de maior alta da história no Brasil (14:18)
Milho abre a sexta-feira subindo em Chicago e na B3 (10:03)
Milho está acima de R$60 a saca em Campinas-SP (09:32)
Demanda por carne desaba no país (08:24)
Frigoríficos conseguiram alongar as escalas de abate (08:17)
Aviões cheios de suínos chegam à China para reconstruir o maior rebanho do mundo (08:16)
Milho: demanda segue aquecida e cotações no mercado interno permanecem sustentadas (08:05)
Soja segue operando com estabilidade nesta 6ª feira em Chicago (08:00)
Milho segunda safra mostra amplo desenvolvimento (07:16)
Quinta-Feira, 02/04
Preço do suíno independente baixa até para patamares vistos há dez meses (16:24)
Boi: demanda da China e ciclo pecuário de alta nos preços vão minimizar impactos de uma retração da demanda interna por carnes (16:13)
Petróleo dispara e puxa commodities agrícolas (16:07)
Adiamento de tributos ajudará agroindústria na crise, diz CNA (15:44)
Laboratório da Secretaria de Agricultura de São Paulo fará testes para a Covid-19 (15:14)
Aurora manterá quadro de empregados e não cogita redução de sua força de trabalho (14:50)
Faturamento com exportação de carne suína em março é 61% maior do que em março/19 (13:24)
USDA: Vendas semanais de soja e milho dos EUA ficam dentro do esperado (13:22)
Milho: B3 segue caindo na maioria dos contratos e Chicago contabiliza ganhos (13:21)
Embrapa disponibiliza Instrução Técnica para avicultores e suinocultores sobre a COVID-19 (11:37)
As empresas têm que agir com responsabilidade’, defende BRF (09:30)
Supermercado pode viver ‘nova onda’ de consumo (09:26)
Justiça do DF desobriga empresa de apresentar CND em financiamento (09:25)
Milho abre a 5ª feira subindo em Chicago e em campo misto na B3 (09:04)
Suínos: preços do vivo e da carne caem com mais força no final de março (09:03)
Boi: mercado pecuário apresenta instabilidade no correr de março (09:00)
Marca Tecnologia Embrapa chega às gôndolas dos supermercados em ovos da Korin (08:39)
Cobb-Vantress substitui frota para entregar mais eficiência produtiva e ambiental (08:19)
Mercado do boi está em alerta (08:02)
Milho no Brasil segue em alta enquanto safrinha se desenvolveu bem com chuvas de março (08:00)
Após queda intensa, soja tem estabilidade em Chicago nesta 5ª feira (07:58)
Quarta-Feira, 01/04
Suíno: preços seguem com queda acentuada quebra na demanda (16:41)
Frigoríficos reduzem ritmo de compras após alongarem escalas (16:16)
Exportações brasileiras de milho em março ficam menores do que mesmo mês de 2019, mas sobem em relação a fevereiro (16:09)
Para incentivar a população a não sair de casa, Grupo Mantiqueira expande operação de delivery com clube de assinantes do ovo (15:58)
Soja cai mais de 2% em Chicago, em dia de perdas generalizadas (14:42)
Setores de aves e suínos do ES colocam em prática as orientações de prevenção e se organizam para continuar o abastecimento de alimentos (14:39)
Milho: alta do dólar pressiona cotações na B3 e Chicago aprofunda perdas (13:12)
BRF anuncia doações de R$ 50 milhões (13:09)
Com falta de ovos nos EUA, venda de pintos aumentam (12:25)
Indicador da soja supera R$ 100/sc e o do milho, R$ 60, recordes nominais das séries do Cepea (11:29)
BRF contrata R$ 1,4 bi em linhas de crédito para reforçar liquidez (10:14)
Milho abre o mês ainda em queda na Bolsa de Chicago e na B3 (10:12)
SIF garante a manutenção do abastecimento de produtos de origem animal (09:15)
Governo estuda pacote de R$ 2 bi para o campo (09:14)
Frigoríficos dos EUA oferecem bônus contra absenteísmo (09:12)
Embrapa faz parceria com Korin e se aproxima do consumidor (09:11)
Soja: mercado começa abril com perdas de mais de 1% em Chicago (08:15)
Milho: poucas movimentações no Brasil e queda de 7% em março em Chicago (08:11)
Mapa institui comitê de crise para monitorar impactos do Coronavírus (08:10)
Suíno: principais praças produtoras do vivo têm desvalorização (08:06)
Boi gordo encerra março com preços firmes (08:00)
Habilitação de novos frigoríficos pela China está paralisada (07:28)
Terça-Feira, 31/03
PIB AGRO SP/CEPEA: Pecuária eleva PIB agro de SP em 1,5% em 2019 (13:47)
Cobb debateu mudanças de manejo para o frango moderno com jovens avicultores (13:39)
Milho segue caindo em Chicago, mas sobe 2% na B3 (12:27)
Início da crise puxa o preço dos alimentos, mas alta é passageira (09:50)
Milho abre a 3ª feira em Chicago na espera dos relatórios do USDA (09:19)
Mapa alerta para medidas de prevenção ao coronavírus no campo (08:18)
Brasil caminha para recorde na 2ª safra de milho (08:13)
Milho: preços sustentados no Brasil mesmo com recorde histórico (08:12)
Quarentena reduz drasticamente demanda por suínos nas principais praças produtoras (08:05)
Soja tem leves baixas nesta manhã de 3ª feira (08:00)
Retomada de preço no mercado do boi gordo (07:45)