Quarta-feira, 15 de Julho de 2020
Saúde Pública

Governo teme retenção de carga em estradas

Ministra da Agricultura leva a gabinete de crise preocupação com bloqueios feitos pelos Estados.
Brasília, DF, 20 de Março de 2020 - Com o rápido avanço do coronavírus no Brasil, o gabinete de crise montado pelo governo já trabalha com um cenário drástico de fechamento de estradas por alguns governadores, que pode estrangular o sistema de transporte rodoviário de cargas do país, com impactos sobre o escoamento de alimentos e commodities agrícolas.

O Valor apurou que a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, que integra o gabinete, já levou aos ministros Walter Braga Neto (Casa Civil) e Tarcísio Freitas (Infraestrutura) a preocupação para que as quarentenas em divisas interestaduais não resulte em cargas paradas. Ontem, uma portaria do governo determinou o fechamento das fronteiras terrestres com oito países sul-americanos, mas manteve o transporte de cargas.

Rio de Janeiro e São Paulo já adotaram nos últimos dias medidas para restringir circulação de pessoas. O Rio, por exemplo, suspendeu a entrada de ônibus vindos de Estados com casos de transmissão local de coronavírus e avaliava, até a noite de ontem, também fechar suas divisas. O Rio Grande do Sul proibiu o transporte interestadual. O temor no Palácio do Planalto é que a situação comprometa o transporte de cargas entre Estados.

O quadro de alerta ligado pelo governo não vale só para o mercado interno, foco de maior atenção neste momento, mas também com as exportações, que por enquanto são normais, sem relatos de problemas operacionais nos portos. De acordo um exportador ouvido pelo Valor, o governo já sinalizou que não pretende fechar suas fronteiras marítimas.

Com a retomada da atividade econômica na China, que já registrou uma redução dos casos de infectados pela covid-19, é esperado que o fluxo de embarques de produtos brasileiros para o país asiático melhore e que o desembaraço de mercadorias seja mais ágil nos portos chineses. Porém, não adianta nada se as rodovias brasileiras não funcionarem, alerta uma fonte do governo.

Antes do atrito causado pela declaração polêmica do deputado Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) contra a China, Tereza chegou a falar por videoconferência na segunda-feira passada com o embaixador chinês em Brasília, Yang Wanming, que traçou um horizonte mais positivo para o recebimento de produtos pela China.

Em mensagem enviada aos servidores para orientar sobre a nova rotina de trabalho em meio à crise, Tereza Cristina chegou a relatar as conversas frequentes que tem mantido com o setor privado no gabinete de crise para montar ações de planejamento e antecipação aos problemas. Ela reitera que não há desabastecimento no país, mas externou receio com o transporte dos alimentos e insumos.

“Estamos trabalhando com a iniciativa privada, desenhando cenários, vendo todos os passos que temos que dar antes que os problemas aconteçam”, afirma a ministra, em áudio obtido pelo Valor. “Estou falando com as centrais de abastecimento, os supermercados. O Brasil é um país fantástico, não tem risco de desabastecimento. Mas temos que fazer com que o fluxo da produção chegue até a prateleira dos supermercados.”
(Valor Econômico) (Cristiano Zaia e Rafael Walendorff )
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Quarta-Feira, 15/07
Terça-Feira, 14/07
Agências da ONU recomendam mudança na área de alimentos (10:16)
Crise? Que crise? Setor de alimentos está bombando na Bolsa (10:12)
Ajuste da oferta faz frango subir no país (08:38)
Governador do Tocantins reafirma compromisso com a iniciativa privada visando a geração de empregos (08:25)
Sistema de compartimentação abre portas para a avicultura catarinense em mercados exigentes (08:20)
Brasil importa mais que o triplo de soja nos primeiros 8 dias úteis de julho do que em todo mesmo mês de 2019 (07:39)
Apenas em 2 semanas de julho Brasil já exportou 132% a mais de milho do que todo o mês de junho (07:30)
Segunda-Feira, 13/07
Doença de Gumboro é tema do novo podcast FACTA (14:59)
Frigoríficos avícolas gaúchos investem no combate a pandemia (14:58)
OVOS/CEPEA: maior demanda e oferta limitada elevam preços (13:05)
Milho: indicador CEPEA volta a fechar acima de R$ 50/sc (13:02)
Soja: com baixo excedente, importação é a maior desde ju/16 (13:00)
PDSA desevolve cursos virtuais para garantir sanidade no RS (11:06)
Instituto Ovos Brasil e CEPEA criam ferramenta para consulta de preço de ovos (08:34)
Governo do Paraná e JBS discutem investimentos no Estado (08:00)
Uberlândia recebe anúncio de R$ 80 milhões em investimentos (07:59)
Secretaria de Saúde do Paraná acompanha atividades em frigoríficos (07:57)
Pandemia estimula consumo de frango no mercado interno e aquece exportações (07:57)
Sexta-Feira, 10/07
Com alta de 24,5%, exportações do agronegócio batem recorde para meses de junho e ultrapassam US$ 10 bilhões (13:53)
FRANGO/CEPEA: apesar de queda nos embarques, preço interno da carne está firme (07:31)
Agronegócio responde por 72% das exportações catarinenses no primeiro semestre de 2020 (07:26)
Com recordes de valores de soja e milho, VBP de 2020 é estimado em R$ 716,6 bilhões (07:25)
Comercialização de soja 2019/20 e da safra nova em junho foi mais lenta (07:10)
Quinta-Feira, 09/07
SUÍNOS/CEPEA: preços do vivo sobem em quase todas as regiões; exportações estão aquecidas (09:47)
BOI/CEPEA: indicador volta a fechar acima de R$ 220 (09:46)
Dicas para inovar no agronegócio e vender mais (08:15)
C.Vale e Pluma Agroavícola colocam em funcionamento frigorífico da Plusval (08:14)
Brasil retoma posto de maior produtor de soja do planeta (07:53)