Domingo, 05 de Abril de 2020
Exportação

Agronegócio tem potencial para ampliar vendas à Liga Árabe

Principal produto para o fortalecimento dos embarques é a carne.
São Paulo, SP, 13 de Março de 2020 - O Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), da Esalq/USP, apontou em novo estudo o grande potencial que o Brasil tem para ampliar exportações brasileiras à Liga Árabe. Segundo a pesquisa, o principal produto para esse fortalecimento dos embarques é a carne. O texto faz parte do Estudo de Segurança Alimentar no Mundo Árabe – Potencial do Agronegócio Brasileiro, feito em parceria com a Câmara de Comércio Árabe Brasileira. A Esalq é a Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz da Universidade de São Paulo.

O texto destaca que a balança comercial brasileira com os países da Liga Árabe se mantém superavitária desde 2009. Entre 1997 e 2019, as exportações brasileiras para esses países cresceram, em média, 8,8% ao ano, ao passo que as importações evoluíram em menor ritmo, 5,1% ao ano. Os principais produtos exportados pelo Brasil no ano passado foram açúcar, carne de frango, miúdos e pedaços de carne de frango congelada, minério de ferro, milho e carne bovina desossada refrigerada e congelada, que representaram cerca de 70% da pauta.

Para Rodrigo Damasceno, pesquisador de políticas agropecuárias do Cepea, que participou do estudo, uma das estratégias para elevar esse comércio é se atentar à agregação de valor. “No caso da carne, não só congelar e exportar, mas ter algum grau de industrialização para agregar valor ao produto. Além disso, este mercado tem outros requisitos que pode até ter um efeito de transbordamento para outras nações, que não só as árabes”, explicou Damasceno, sobre as oportunidades no mercado halal.
Os pesquisadores estudam, agora, qual é a maneira mais viável de as empresas agregarem esse valor. “Se é melhor por meio de industrialização, ou abrindo fábricas nos países árabes, como Arábia Saudita e Emirados, ou, ainda, caminhar para esse valor da imagem com ativos ambientais que possam vir a ser discutidos”, afirmou.

A busca pela imagem de sustentabilidade, como as demais, não se limita ao mercado árabe. “O que analisamos é que essa questão ambiental está sendo muito discutida. Os brasileiros estão tentando criar mecanismos de verificação que comprovem que nossa [cadeia produtiva da] carne pode compensar emissões [de gases] pela criação animal em sistemas integrados, ou melhorando a dieta do gado, por exemplo. Mostrar que a produção é mais sustentável do que aparenta ser. Essa é uma demanda internacional, não só dos árabes”, declarou Damasceno.

A análise aponta gargalos, comuns para as exportações brasileiras como um todo, como a infraestrutura logística nacional e, principalmente, portuária. Outro ponto ressaltado é o fortalecimento e integração entre ações no setor público e privado. “Esse é um ponto importante. Sentimos que os árabes prezam muito por essas relações até pessoais, e por empresas que tenham representantes em seus países. Nisso, a cadeia bovina pode se estruturar melhor, por exemplo. É preciso isso para fortalecer o setor”, explicou o pesquisador.

Entre as ações positivas, o Cepea apontou as visitas técnicas realizadas pelo governo brasileiro no último ano. No setor agropecuário, as missões foram ao Egito, Arábia Saudita, Kuwait e Emirados, e resultaram, por exemplo, em autorizações das exportações brasileiras de lácteos, ovinos e caprinos para o Egito, castanhas, derivados de ovos e frutas à Arábia Saudita e mel para o Kuwait. Já na Arábia Saudita e nos Emirados, o Cepea destacou as oportunidades de investimentos em infraestrutura, em particular a Ferrogrão e a Ferrovia de Integração Oeste-Leste.
Para Damasceno, para superar os entraves e chegar à ampliação do comércio com os árabes, deve-se trabalhar com metas de médio e longo prazo. O pesquisador lembra que estudos do Ministério da Agricultura, apontaram que para 5 a 10 anos a tendência é manter um crescimento de 2% a 3 % nas exportações e produção de carne no Brasil.
(ANBA ) (Thais Sousa)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Domingo, 05/04
Sexta-Feira, 03/04
Suíno: quedas acentuadas para o mercado independente (16:44)
CNA destaca ações para reduzir impactos na comercialização de alimentos (15:57)
Soja pode registrar semana de maior alta da história no Brasil (14:18)
Milho abre a sexta-feira subindo em Chicago e na B3 (10:03)
Milho está acima de R$60 a saca em Campinas-SP (09:32)
Demanda por carne desaba no país (08:24)
Frigoríficos conseguiram alongar as escalas de abate (08:17)
Aviões cheios de suínos chegam à China para reconstruir o maior rebanho do mundo (08:16)
Milho: demanda segue aquecida e cotações no mercado interno permanecem sustentadas (08:05)
Soja segue operando com estabilidade nesta 6ª feira em Chicago (08:00)
Milho segunda safra mostra amplo desenvolvimento (07:16)
Quinta-Feira, 02/04
Preço do suíno independente baixa até para patamares vistos há dez meses (16:24)
Boi: demanda da China e ciclo pecuário de alta nos preços vão minimizar impactos de uma retração da demanda interna por carnes (16:13)
Petróleo dispara e puxa commodities agrícolas (16:07)
Adiamento de tributos ajudará agroindústria na crise, diz CNA (15:44)
Laboratório da Secretaria de Agricultura de São Paulo fará testes para a Covid-19 (15:14)
Aurora manterá quadro de empregados e não cogita redução de sua força de trabalho (14:50)
Faturamento com exportação de carne suína em março é 61% maior do que em março/19 (13:24)
USDA: Vendas semanais de soja e milho dos EUA ficam dentro do esperado (13:22)
Milho: B3 segue caindo na maioria dos contratos e Chicago contabiliza ganhos (13:21)
Embrapa disponibiliza Instrução Técnica para avicultores e suinocultores sobre a COVID-19 (11:37)
As empresas têm que agir com responsabilidade’, defende BRF (09:30)
Supermercado pode viver ‘nova onda’ de consumo (09:26)
Justiça do DF desobriga empresa de apresentar CND em financiamento (09:25)
Milho abre a 5ª feira subindo em Chicago e em campo misto na B3 (09:04)
Suínos: preços do vivo e da carne caem com mais força no final de março (09:03)
Boi: mercado pecuário apresenta instabilidade no correr de março (09:00)
Marca Tecnologia Embrapa chega às gôndolas dos supermercados em ovos da Korin (08:39)
Cobb-Vantress substitui frota para entregar mais eficiência produtiva e ambiental (08:19)
Mercado do boi está em alerta (08:02)
Milho no Brasil segue em alta enquanto safrinha se desenvolveu bem com chuvas de março (08:00)
Após queda intensa, soja tem estabilidade em Chicago nesta 5ª feira (07:58)
Quarta-Feira, 01/04
Suíno: preços seguem com queda acentuada quebra na demanda (16:41)
Frigoríficos reduzem ritmo de compras após alongarem escalas (16:16)
Exportações brasileiras de milho em março ficam menores do que mesmo mês de 2019, mas sobem em relação a fevereiro (16:09)
Para incentivar a população a não sair de casa, Grupo Mantiqueira expande operação de delivery com clube de assinantes do ovo (15:58)
Soja cai mais de 2% em Chicago, em dia de perdas generalizadas (14:42)
Setores de aves e suínos do ES colocam em prática as orientações de prevenção e se organizam para continuar o abastecimento de alimentos (14:39)
Milho: alta do dólar pressiona cotações na B3 e Chicago aprofunda perdas (13:12)
BRF anuncia doações de R$ 50 milhões (13:09)
Com falta de ovos nos EUA, venda de pintos aumentam (12:25)
Indicador da soja supera R$ 100/sc e o do milho, R$ 60, recordes nominais das séries do Cepea (11:29)
BRF contrata R$ 1,4 bi em linhas de crédito para reforçar liquidez (10:14)
Milho abre o mês ainda em queda na Bolsa de Chicago e na B3 (10:12)
SIF garante a manutenção do abastecimento de produtos de origem animal (09:15)
Governo estuda pacote de R$ 2 bi para o campo (09:14)
Frigoríficos dos EUA oferecem bônus contra absenteísmo (09:12)
Embrapa faz parceria com Korin e se aproxima do consumidor (09:11)
Soja: mercado começa abril com perdas de mais de 1% em Chicago (08:15)
Milho: poucas movimentações no Brasil e queda de 7% em março em Chicago (08:11)
Mapa institui comitê de crise para monitorar impactos do Coronavírus (08:10)
Suíno: principais praças produtoras do vivo têm desvalorização (08:06)
Boi gordo encerra março com preços firmes (08:00)
Habilitação de novos frigoríficos pela China está paralisada (07:28)
Terça-Feira, 31/03
PIB AGRO SP/CEPEA: Pecuária eleva PIB agro de SP em 1,5% em 2019 (13:47)
Cobb debateu mudanças de manejo para o frango moderno com jovens avicultores (13:39)
Milho segue caindo em Chicago, mas sobe 2% na B3 (12:27)
Início da crise puxa o preço dos alimentos, mas alta é passageira (09:50)
Milho abre a 3ª feira em Chicago na espera dos relatórios do USDA (09:19)
Mapa alerta para medidas de prevenção ao coronavírus no campo (08:18)
Brasil caminha para recorde na 2ª safra de milho (08:13)
Milho: preços sustentados no Brasil mesmo com recorde histórico (08:12)
Quarentena reduz drasticamente demanda por suínos nas principais praças produtoras (08:05)
Soja tem leves baixas nesta manhã de 3ª feira (08:00)
Retomada de preço no mercado do boi gordo (07:45)