Terça-feira, 25 de Fevereiro de 2020
Matérias-Primas

Soja: otimismo diminui em Chicago nesta 5ª feira com anúncio de novas mortes pelo Corona; BR mantém foco no dólar
Campinas, SP, 13 de Fevereiro de 2020 - O mercado da soja corrige as últimas altas na Bolsa de Chicago na manhã desta quinta-feira (13) e opera com pequenas baixas. As cotações, por volta de 7h45 (horário de Brasília), recuavam entre 2,75 e 4 pontos nos principais contratos, com o março sendo cotado a US$ 8,89, o maio a US$ 8,99 e o julho a US$ 9,12 por bushel.

O otimismo que invadiu os mercados ontem parece estar se dissipando com as notícias novas sobre o surto do coronavírus, apesar do progresso nas pesquisas. A província de Hubei, epicentro da crise, registrou 242 mortes pelo vírus somente nesta quarta, 12 de fevereiro e 14.840 novos casos. Esse foi o dia em que mais mortes foram registradas.

"O mercado está mais cauteloso hoje, visto que o humor em relação ao Coronavírus mudou para pessimista de novo, após divulgação do maior número de óbitos em um dia até agora", diz Steve Cachia, consultor da AgroCulte e da Cerealpar.

O que ainda dá algum suporte aos preços na Bolsa de Chicago são as expectativas de que a China voltará de forma um pouco mais expressiva às compras no mercado norte-americano a partir de 15 de fevereiro, que é quando entra em vigor a fase um do acordo comercial entre os dois países.

Por outro lado, ainda como explica Cachia, o mercado brasileiro se mostra como o mais atrativo aos importadores neste momento, inclusive sendo favorecido pela alta forte do dólar, que permanece. E embora seja bom para as exportações nacionais, traz algum alerta aos participantes do mercado.

"O dólar comercial segue oferecendo suporte aos preços no mercado interno mas preocupa os agentes financeiros que acompanham a fuga de recursos estrangeiros do país", diz o analista. A moeda americana, nesta quarta-feira, fechou o dia em R$ 4,35, sua máxima histórica.

Os negócios, com isso, vão acontecendo no Brasil, com os produtores ainda aproveitando as oportunidades que o mercado oferece, enquanto dividem seu tempo entre a comercialização e a colheita. Ontem, os indicativos nos portos variaram entre R$ 87,50 e R$ 88,50 no spot, enquanto as posições um pouco mais distantes já testavam os R$ 90,00 e até R$ 90,60, como relatou a Brandalizze Consulting.
(Notícias Agrícolas) (Carla Mendes)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Terça-Feira, 25/02
Segunda-Feira, 24/02
Estados Unidos reabrem mercado para carne in natura do Brasil (15:05)
Sexta-Feira, 21/02
Unidade brasileira da Vetanco realiza Convenção de Vendas 2020 (15:07)
Cadeia de frango da China se abre em meio ao caos das medidas de vírus (13:58)
Frango: apesar da fraca demanda, custo de produção elevado faz com que avicultor aumente preço (13:40)
Cotações do milho no mercado físico tem perdido força (13:30)
Milho: cotações registram leves altas em Chicago (13:25)
Soja: à espera de novas compras da China, mercado em Chicago segue estável (13:22)
Programa Ovos RS promove curso de Boas Práticas de Fabricação para Fábricas de Ração (09:33)
Boi: preços de balcão em SP giram ao redor de R$200,00/@ (09:15)
Praticamente metade da safra do milho já está colhida no RS (08:38)
Surto de vírus não mudará compromissos da China de comprar produtos dos EUA (08:37)
CNA diz que MP do Agro dá mais alternativas de financiamento e simplifica acesso ao crédito (08:26)
Suíno: animal vivo segue valorizado nas principais praças (07:55)
Mercado do boi gordo está firme (07:53)
Oferta restrita dá sustentação ao mercado de carne bovina no atacado (07:52)
Milho fecha a 5ª feira desvalorizado em Chicago após encontro do USDA (07:51)
Soja mais barata no Brasil do que nos EUA pressiona Chicago mais uma vez (07:48)
Quinta-Feira, 20/02
Exportações de genética avícola decrescem em janeiro (11:03)
Suínos: poder de compra frente ao milho é o mais baixo desde Fev/19 (10:22)
Boi: abate cai no final de 2019 e confirma baixa oferta (10:21)
Milho: Vendedores tem mostrado interesse em negociar, enquanto o comprador se abastece para os próximos dias (09:20)
Boi: A queda das cotações no mercado atacadista influenciou as tentativas de compra (09:16)
Vetanco participa do Show Rural Coopavel 2020 (09:01)
Milho abre a 5ª feira com baixas em Chicago à espera de números do USDA (09:00)
Soja recua em Chicago nesta 5ª feira (08:00)
Suíno: cotações estáveis em São Paulo; animal vivo segue valorizado nas principais praças produtoras (07:16)
APA divulga programa definitivo do Congresso de Ovos 2020 (07:01)
CNA discute impactos da reforma tributária para o Agro (06:59)
Pouco boi provoca alta significativa no Norte do país (06:55)
Milho cai em Chicago nesta 4ª feira (06:51)
Poucos negócios novos com a soja brasileira (06:48)
Quarta-Feira, 19/02
Katayama Alimentos é a primeira indústria brasileira a produzir ovos em grande escala com o “Certificado Ovos Livres de Antibióticos” (14:38)
Avicultores conferem as tendências dos mercados de grãos e ovos no primeiro Qualificaves de 2020 (14:34)
Milho: aos poucos os vendedores tem ofertado mais volumes (10:36)
China garantirá mais fornecimento de aves em meio a epidemia (10:30)
ABPA vai propor criação de sistema de prevenção à gripe aviária no Cone Sul (10:01)
Tocantins registrou a maior alta para o boi gordo em fevereiro (09:32)
Milho abre a quarta-feira levemente em queda na Bolsa de Chicago (08:45)
Soja em Chicago segue caminhando de lado nesta 4ª feira, Brasil ainda tem preços firmes (08:30)
Embarque da China para Brasil cai 50% (08:07)
Suíno: cotações seguem subindo (07:14)
China alerta para impacto do coronavírus sobre suprimento de frango e ovos (07:12)
Turra projeta crescimento na produção de carne suína e de frangos (07:10)
Milho sobe em Chicago nesta terça-feira (07:05)
Isenção tarifária e a redução dos fretes marítimos abrem portas para demanda chinesa sobre a soja americana (07:00)