Quarta-feira, 19 de Fevereiro de 2020
Empresas

Adisseo apresenta pesquisa sobre micotoxinas em milho
São Paulo, SP, 12 de Fevereiro de 2020 - O termo "micotoxinas" define metabólitos fúngicos secundários que causam alterações bioquímicas, fisiológicas e/ou patológicas em espécies animais, plantas e micróbios. As micotoxinas são moléculas de baixo peso molecular (Mw <700) e tóxicas mesmo em concentrações baixas (Haschek & Voss, 2013). Embora centenas de compostos tenham sido isolados e caracterizados quimicamente como micotoxinas, apenas cerca de 50 foram estudadas em detalhe (CAST, 2003).

A pesquisa de micotoxinas 2019 da Adisseo incluiu amostras de milho de todo o Brasil. O número de amostras analisadas é definido como "n". A pesquisa forneceu informações sobre a incidência de aflatoxina B1 (AfB1); n= 959, zearalenona (ZEN); n= 281, desoxinivalenol (DON); n = 305, toxina T-2; n= 210, toxina HT-2; n= 196, fumonisina B1 (FB1); n= 325, fumonisina B2 (FB2); n= 324 e ocratoxina A (OTA); n= 181. As amostras de milho foram coletadas diretamente de fazendas ou locais de produção de ração animal. Foi recomendado aos fornecedores das amostras que seguissem os princípios da boa amostragem (Richard, 2000). A equipe de laboratório envolvida nas análises não estava envolvida na amostragem, portanto, não influenciou este processo em nenhum estágio. Todas as 8 micotoxinas foram analisadas por espectrometria de massa em tandem por cromatografia líquida (LC MS/MS) no LAMIC, Brasil. Para fins de análise dos dados, os níveis de não-detecção foram baseados nos limites de quantificação (LOQ) do método de teste para cada micotoxina: AfB1 <1 μg/kg; ZEN <20 μg/kg; DON <200 μg/kg; FB1 <125 μg/kg; FB2 <125 μg/kg; OTA <2,5 μg/kg; toxina T-2 <100 μg/kg e toxina HT-2 <100 μg/kg.

Resultados

As concentrações médias das micotoxinas recuperadas foram de médias a altas. Os resultados mostraram que 93,8% das amostras de milho estavam contaminadas com FB1 (Tabela 1 e Figura 2). A concentração máxima de FB1 recuperada em uma das amostras foi de 10.224 μg/kg, uma concentração muito alta, especialmente se a ração contaminada for fornecida a suínos ou equinos. A concentração média de FB1 nas amostras positivas foi de 1.085,3 µg/kg, valor inferior à concentração média de 2018 (Figura 1). Os resultados também mostraram que 75,3% das amostras estavam contaminadas com FB2 e a concentração máxima recuperada foi de 3.086 μg/kg. Apenas 3,3% das amostras continham DON.
Como esperado, nenhuma das amostras foi contaminada com OTA e nenhuma das amostras continha toxina T-2 e toxina HT-2. Os níveis de LOQ usados nesta pesquisa para as toxinas T-2 e HT-2 foram muito altos (100 μg/ kg), sendo este provavelmente o motivo pelo qual nenhuma das amostras mostrou contaminação com essas duas micotoxinas. O LOQ típico para a toxina T-2 e a toxina HT-2 em laboratórios europeus credenciados é de <10 μg / kg.
Como esperado, 12% das amostras foram contaminadas com AfB1, uma típica micotoxina produzida pelo Aspergillus. A concentração máxima de AfB1 recuperada foi de 251 μg/kg, que é muito alta e, de acordo com a legislação brasileira, não deve ser fornecida aos animais. A concentração máxima de ZEN recuperada foi de 1.399 μg/kg, o que também é uma preocupação, pois esses níveis de concentração podem causar efeitos prejudiciais à saúde em todas as espécies animais. A Figura 1 mostra a comparação entre a concentração média de amostras positivas em µg/kg (AB1 e FB1) de 2018 e 2019. Enquanto os resultados da aflatoxina B1 mostram tendência semelhante, os resultados da fumonisina B1 mostram que a concentração média de amostras positivas foi significativamente menor em 2019 do que em 2018.






Conclusão

A pesquisa de micotoxinas Adisseo 2019 concluiu que a colheita de milho do ano no Brasil foi de qualidade média (acima do LOQ porém abaixo do nível regulador do MERCOSUL) a baixa (acima do nível regulador do MERCOSUL) em termos de contaminação por micotoxinas. Com base nos resultados da pesquisa, a safra de milho de 2019 no Brasil não deve ser automaticamente considerada segura para inclusão em rações acabadas para todas as espécies animais e um grau de vigilância é prudente. Atenção especial deve ser dada à alta concentração média de FB1, encontrada em mais de 50% das amostras, bem como à concentração máxima recuperada, que atingiu 10.224 μg/kg.
Os regulamentos da aflatoxina nos alimentos são frequentemente estabelecidos para a soma das aflatoxinas B1, B2, G1 e G2. O limite para AfB1 em qualquer matéria-prima a ser utilizada diretamente ou como ingrediente para rações destinadas ao consumo animal é de 50 μg/kg (FAO, 2004). Nesta pesquisa, o limite regulatório do AfB1 foi excedido em 6 das amostras analisadas. As principais culturas agrícolas da América Latina (milho, soja, trigo, café, algodão, girassol, amendoim e cacau) são altamente suscetíveis à contaminação por fungos e produção de micotoxinas (Pineiro, 2004). Sabe-se que dezenove países que representam 91% da população da região possuem regulamentos específicos para micotoxinas. Regulamentos harmonizados para aflatoxinas existem no MERCOSUL, um bloco comercial composto por Brasil, Argentina, Paraguai e Uruguai. Outros países indicaram que também seguem os regulamentos do MERCOSUL.
A vigilância é sempre aconselhável, pois os cereais nas rações animais se originam de muitas fontes. Alguns cereais colhidos nos Estados Unidos em 2019 demonstraram estar contaminados com concentrações médias a altas de micotoxinas.
A última linha de defesa possível é a desintoxicação de micotoxinas in vivo. A adição de inativadores comprovados de micotoxinas às rações para animais é um método muito comum de prevenção de micotoxicoses e é uma estratégia eficaz para manter baixo o risco de micotoxinas sob todas e quaisquer condições.

Sobre a Adisseo:

Adisseo é um dos principais especialistas do mundo em aditivos para alimentos para animais. O grupo possui 10 centros de pesquisa e locais de produção baseados na Europa, EUA e China para projetar, produzir e comercializar soluções nutricionais para alimentação animal sustentável. Com mais de 2.200 funcionários, a Adisseo atende cerca de 3.900 clientes em mais de 110 países diferentes através de sua rede de distribuição global. A Adisseo é uma das principais subsidiárias da China National BlueStar, líder na indústria química chinesa com quase 21.500 funcionários e um faturamento de 9,3 bilhões de dólares. O Adisseo está listado na Bolsa de Valores de Xangai. Saiba mais em http://adisseo.com/
(Adisseo) (Radka Borutova - Gerente técnica e científica, Adi)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Quarta-Feira, 19/02
Katayama Alimentos é a primeira indústria brasileira a produzir ovos em grande escala com o “Certificado Ovos Livres de Antibióticos” (14:38)
Avicultores conferem as tendências dos mercados de grãos e ovos no primeiro Qualificaves de 2020 (14:34)
Milho: aos poucos os vendedores tem ofertado mais volumes (10:36)
China garantirá mais fornecimento de aves em meio a epidemia (10:30)
ABPA vai propor criação de sistema de prevenção à gripe aviária no Cone Sul (10:01)
Tocantins registrou a maior alta para o boi gordo em fevereiro (09:32)
Milho abre a quarta-feira levemente em queda na Bolsa de Chicago (08:45)
Soja em Chicago segue caminhando de lado nesta 4ª feira, Brasil ainda tem preços firmes (08:30)
Embarque da China para Brasil cai 50% (08:07)
Suíno: cotações seguem subindo (07:14)
China alerta para impacto do coronavírus sobre suprimento de frango e ovos (07:12)
Turra projeta crescimento na produção de carne suína e de frangos (07:10)
Milho sobe em Chicago nesta terça-feira (07:05)
Isenção tarifária e a redução dos fretes marítimos abrem portas para demanda chinesa sobre a soja americana (07:00)
Terça-Feira, 18/02
ABPA apoia VI AVISULAT 2020 (14:46)
APA e CDA dão oportunidade de treinamento para a habilitação de emissão de GTA durante o Congresso de Ovos (12:38)
Milho abre a 3ª feira com altas em Chicago após feriado americano (09:25)
Brasil quer criar bloco continental para defesa sanitária (08:28)
Suíno: São Paulo começa a semana com aumento no preço da arroba suína (08:18)
Soja: mercado opera em alta na Bolsa de Chicago com volta do feriado dos EUA (08:15)
Sem movimentações em Chicago, milho sobe na B3 nesta 2ª feira (08:12)
Disponibilidade ainda limitada de soja no Brasil provoca altas comedidas nos fretes (08:00)
IPPA/CEPEA: índice inicia 2020 em queda (07:50)
Segunda-Feira, 17/02
VBP terá valor recorde em 2020 (11:06)
Milho: as cotações do milho subiram de maneira nítida em todo país (10:32)
Boi: a semana anterior foi de valorização dos preços de balcão (10:27)
Ovos: preços seguem em alta; diferença entre brancos e vermelhos é a maior em 10 meses (09:25)
Milho: cotações voltam a subir na maioria das regiões acompanhadas pelo Cepea (09:15)
Soja: aumento da oferta e dólar forte elevam liquidez no Brasil; preços sobem (09:00)
Suínos: preço do animal vivo mostra reação; produtor independente vê cotações subirem (08:06)
China anuncia retirada de proibição de importação de frango dos EUA (08:04)
Milho tem semana de preços firmes no mercado brasileiro (08:00)
Soja fecha semana com sustentação dos preços no Brasil (07:55)
Sexta-Feira, 14/02
Sasso e Gramado Avicultura estabelecem parceria (12:29)
Agroqualitá realiza curso sobre HACCP para fábricas de ração em Chapecó (12:01)
Programa Ovos RS apresenta resultados ao Serviço Oficial (11:59)
Frango: valorização das concorrentes eleva competitividade da carne de frango (11:48)
Suíno: estabilidade nos preços nesta quinta-feira (06:24)
Valor da Produção Agropecuária para 2020 é estimado em R$ 674,10 bilhões (06:22)
Produção de ovos sobe 4,3% no 4º tri de 2019 ante 4º tri de 2018, diz IBGE (06:21)
Depois de pagar R$ 205,00/@ em SP, frigoríficos alongam escalas e reduzem ritmo de compras (06:18)
Milho fecha com mais de 1% de alta nesta 5ª feira (06:17)
Soja sobe até 2,6% no interior do Brasil com demanda e dólar ainda forte frente ao real (06:15)
CNA vai mostrar que tabelamento obrigatório do frete prejudica o setor (06:06)
Quinta-Feira, 13/02
CNA e Caixa Econômica discutem renegociação de dívidas e Crédito Rural (15:30)
FAESC apoia campanha de proteção ao agronegócio catarinense (15:27)
SBSA 2020: em debate, a inovação e o futuro da avicultura (12:54)
Luiz Carlos Giongo assume a presidência do Nucleovet (12:50)
Suínos: exportações firmes elevam preço do suíno no Brasil (12:26)
Boi: apesar da queda de 36% em janeiro, embarques à china seguem elevados (12:25)
Abate de bovinos cai e o de suínos e frangos sobe no último trimestre (12:22)
Abate de bovinos cai 1,8% no 4º trimestre de 2019 ante o 4º tri de 2018, diz IBGE (12:11)
ABPA e Apex-Brasil levam 14 agroindústrias para a Gulfood 2020 (08:45)
Soja: otimismo diminui em Chicago nesta 5ª feira com anúncio de novas mortes pelo Corona; BR mantém foco no dólar (08:12)
Exportações do agronegócio totalizam US$ 5,8 bilhões em janeiro (08:07)
Suíno: preço da arroba permanece estável acima dos R$ 100 em SP (08:00)
Milho: 4ª feira termina com altas em Chicago e no Brasil (07:55)
Soja sobe forte no Brasil com dólar em recorde histórico e 4ª feira de altas em Chicago (07:50)