Empty

Empty

Terça-feira, 07 de Abril de 2020
Matérias-Primas

Preços do milho brasileiro atingem maior patamar em 4 anos com demanda aquecida
Campinas, SP, 12 de Fevereiro de 2020 - Os preços do milho brasileiro ultrapassaram os 50 reais por saca de 60 quilos pela primeira vez desde 2016, mesmo com a colheita recorde registrada no ano passado, afirmou Victor Ikeda, analista sênior de grãos e sementes oleaginosas no Rabobank, nesta terça-feira.

A produção brasileira de milho ultrapassou as 100 milhões de toneladas em 2019, estabelecendo um novo recorde, mas a forte demanda de frigoríficos locais e produtores de etanol do milho esgotaram os estoques, afirmou o analista em um podcast.

Os estoques de passagem de milho, ao final de janeiro, foram de cerca de 11 milhões de toneladas, o número mais baixo desde 2017, quando uma seca severa pressionou as reservas brasileiras do cereal.

"A curva dos futuros de milho está invertida", disse Ikeda, lembrando que isso ocorre quando os contratos que vencem primeiro ficam com preços mais altos do que os de longo prazo.

Ikeda disse que os contratos de milho de março de 2020 estão em 50 reais por saca, comparados a 42-43 reais por saca para contratos de julho e setembro de 2020, que são normalmente utilizados para estabelecer os preços para a chamada segunda safra de milho do Brasil.

A demanda doméstica pelo milho continuará forte, com os preços subido acima de 40 reais por saca de 60 quilos após a colheita da segunda safra, de acordo com as projeções do Rabobank.

A seca no Estado do Rio Grande do Sul, maior produtor de milho de primeira safra, poderia destruir 30% da colheita gaúcha e ajudar a sustentar os preços, disse Ikeda, citando projeções oficiais.

Outro impulso é a probabilidade de produtores brasileiros plantarem a segunda safra após a janela ideal por conta de atrasos no plantio de soja, o que potencialmente reduziria os rendimentos, afirmou Ikeda.

Não há sinais claros de que os preços irão cair no futuro próximo, já que os frigoríficos brasileiros estão comprando cada vez mais milho para ração, e as empresas de combustíveis devem aumentar a produção de etanol do milho no país, disse.

De acordo com projeções do Rabobank, a produção de etanol do milho no Brasil deve crescer para 1 bilhão de litros em 2020, ante 2019, exigindo um adicional de 2,5 milhões de toneladas de milho nesta temporada.

O consumo doméstico crescerá para 68 milhões de toneladas, versus 64 milhões de toneladas no ano passado, disse Ikeda.

Fechamento do mercado: Preços perdem mais de 1% na B3 nesta 3ª feira e Chicago fecha estável

Com poucas mudanças trazidas pelo USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) em seu boletim mensal de oferta e demanda nesta terça-feira (11), os futuros do milho negociados na Bolsa de Chicago terminaram o dia com pequenas baixas.

As posições mais negociadas na Bolsa de Chicago encerraram os negócios perdendo pouco mais de 2 pontos nos principais contratos. Afinal, apesar das poucas mudanças, os atuais números exercem certa pressão sobre as cotações.

No cenário norte-americano, o USDA manteve inalterados os estoques finais de milho em 48,06 milhões de toneladas, enquanto o mercado esperava uma revisão para baixo, ao passo em que reduziu sua projeção para as exportações norte-americanas de 45,09 para 43,82 milhões de toneladas.

Já no quadro global, o destaque foi para o aumento da produção para 1.111,59 bilhão de toneladas, e para a redução dos estoques finais para 296,84 milhões. Abaixo, veja a tabela com os números completos.

O mercado em Chicago já vinha acompanhando uma demanda mais fraca pelo milho norte-americano, com o acumulado do grão dos EUA para exportação cerca de 10 milhões de toneladas mais baixo do que o registrado no mesmo período do ano anterior. E diante deste ritmo mais fraco é que o USDA trouxe a correção das vendas dos país.

MERCADO NACIONAL

No mercado futuro brasileiro, os preços do milho inverteram o sinal e fecham o dia com baixas intensas, de mais de 1%, entre os principais contratos. O contrato setembro/20, um dos mais negociados, terminou os negócios com mais de 1,5% e na casa dos R$ 40,00 por saca.

Nesta terça-feira, a Conab (Companhia Nacional de Abastecimento) trouxe também seu novo levantamento sobre a safra brasileira de grãos e a de milho foi revisada para cima, passando a 100,5 milhões de toneladas, contra 98,7 milhões estimadas em janeiro.

"O mercado interno de milho vê a safra ganhando ritmo e pressionando as cotações, que têm leve queda, indo em busca dos níveis que podem ser conseguidos nos portos, onde as referências ainda estão entre R$ 40,00 e R$ 42,00, e o interior trabalhando um pouco acima", explica Vlamir Brandalizze, consultor da Brandalizze Consulting.

E dessa forma, há poucos negócios sendo finalizados na exportação nessa primeira semana de fevereiro.

"Não há quase nada de novos negócios nas exportações de milho. O mercado deve seguir essa linha do aumento da colheita, do aumento da oferta e as acomodações das cotações, que devem trabalhar um pouco mais frágeis do que estão hoje, com espaço para recuar cerca de 10% ainda nas próximas semanas para se adequar aos níveis dos portos na exportação", diz Brandalizze.

Segundo explica o pesquisador do Cepea, Lucílio Alves, o mercado e o andamento das cotações no Brasil deverão caminhar bem alinhados com o ritmo das exportações. E em sua análise, Alves acredita que as vendas externas acima das 30 milhões de toneladas já ajudam no suporte aos preços do milho também no segundo semestre.
(Reuters) (Redação)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Terça-Feira, 07/04
Segunda-Feira, 06/04
ABCS apresenta mudanças no setor suinícola na Espanha e Estados Unidos frente à COVID 19 (15:35)
Presidente da ACCS contesta queda no preço do suíno (15:33)
OIE notifica primeiros focos de Gripe Aviária na Índia (14:29)
Turra recomenda cautela na produção de suínos devido à sobreoferta (14:27)
Soja: mercado no Brasil tem 2ª feira de negócios mais limitados (14:24)
Produtores de aves e suínos são orientados a seguir medidas protetivas na pandemia (14:20)
Corrida às prateleiras aquece demanda por ovos (12:00)
Preço dos ovos atinge recorde real (09:43)
Milho: baixa oferta faz com que indicador atinja a casa de R$60,00/sc (09:41)
Soja: com dólar em alta, exportação se aquece e saca é negociada acima de R$100,00 no Brasil (09:39)
Milho inicia a semana caindo em Chicago e subindo na B3 (09:37)
Mercado de ovos aponta trajetória de alta (08:39)
Carne bovina: baixo volume de negócios no atacado (08:32)
Frigoríficos reduzem o volume de compras (08:30)
Milho registra alta de 60,3% em relação a igual período do ano passado (08:25)
Soja começa semana com leves baixas na CBOT, mas deve seguir forte no mercado do Brasil (08:18)
Governo poderá antecipar Plano Safra 2020/21, diz ministra Tereza Cristina (08:16)
JBS doa seis toneladas de carne de frango para hospitais da região de Passo Fundo (08:15)
Gusttavo Lima e avicultura entregam 2 toneladas de frango a vítimas de enchente em AL (08:03)
Exportações de carne de frango totalizam 349,5 mil tons em março (07:53)
Ministros de países da América Latina e Caribe assinam declaração conjunta para garantir abastecimento durante a pandemia (07:52)
CNA mostra impactos na produção local e analisa comércio internacional (07:45)
Sexta-Feira, 03/04
Suíno: quedas acentuadas para o mercado independente (16:44)
CNA destaca ações para reduzir impactos na comercialização de alimentos (15:57)
Soja pode registrar semana de maior alta da história no Brasil (14:18)
Milho abre a sexta-feira subindo em Chicago e na B3 (10:03)
Milho está acima de R$60 a saca em Campinas-SP (09:32)
Demanda por carne desaba no país (08:24)
Frigoríficos conseguiram alongar as escalas de abate (08:17)
Aviões cheios de suínos chegam à China para reconstruir o maior rebanho do mundo (08:16)
Milho: demanda segue aquecida e cotações no mercado interno permanecem sustentadas (08:05)
Soja segue operando com estabilidade nesta 6ª feira em Chicago (08:00)
Milho segunda safra mostra amplo desenvolvimento (07:16)
Quinta-Feira, 02/04
Preço do suíno independente baixa até para patamares vistos há dez meses (16:24)
Boi: demanda da China e ciclo pecuário de alta nos preços vão minimizar impactos de uma retração da demanda interna por carnes (16:13)
Petróleo dispara e puxa commodities agrícolas (16:07)
Adiamento de tributos ajudará agroindústria na crise, diz CNA (15:44)
Laboratório da Secretaria de Agricultura de São Paulo fará testes para a Covid-19 (15:14)
Aurora manterá quadro de empregados e não cogita redução de sua força de trabalho (14:50)
Faturamento com exportação de carne suína em março é 61% maior do que em março/19 (13:24)
USDA: Vendas semanais de soja e milho dos EUA ficam dentro do esperado (13:22)
Milho: B3 segue caindo na maioria dos contratos e Chicago contabiliza ganhos (13:21)
Embrapa disponibiliza Instrução Técnica para avicultores e suinocultores sobre a COVID-19 (11:37)
As empresas têm que agir com responsabilidade’, defende BRF (09:30)
Supermercado pode viver ‘nova onda’ de consumo (09:26)
Justiça do DF desobriga empresa de apresentar CND em financiamento (09:25)
Milho abre a 5ª feira subindo em Chicago e em campo misto na B3 (09:04)
Suínos: preços do vivo e da carne caem com mais força no final de março (09:03)
Boi: mercado pecuário apresenta instabilidade no correr de março (09:00)
Marca Tecnologia Embrapa chega às gôndolas dos supermercados em ovos da Korin (08:39)
Cobb-Vantress substitui frota para entregar mais eficiência produtiva e ambiental (08:19)
Mercado do boi está em alerta (08:02)
Milho no Brasil segue em alta enquanto safrinha se desenvolveu bem com chuvas de março (08:00)
Após queda intensa, soja tem estabilidade em Chicago nesta 5ª feira (07:58)
Quarta-Feira, 01/04
Suíno: preços seguem com queda acentuada quebra na demanda (16:41)
Frigoríficos reduzem ritmo de compras após alongarem escalas (16:16)
Exportações brasileiras de milho em março ficam menores do que mesmo mês de 2019, mas sobem em relação a fevereiro (16:09)
Para incentivar a população a não sair de casa, Grupo Mantiqueira expande operação de delivery com clube de assinantes do ovo (15:58)
Soja cai mais de 2% em Chicago, em dia de perdas generalizadas (14:42)
Setores de aves e suínos do ES colocam em prática as orientações de prevenção e se organizam para continuar o abastecimento de alimentos (14:39)
Milho: alta do dólar pressiona cotações na B3 e Chicago aprofunda perdas (13:12)
BRF anuncia doações de R$ 50 milhões (13:09)
Com falta de ovos nos EUA, venda de pintos aumentam (12:25)
Indicador da soja supera R$ 100/sc e o do milho, R$ 60, recordes nominais das séries do Cepea (11:29)
BRF contrata R$ 1,4 bi em linhas de crédito para reforçar liquidez (10:14)
Milho abre o mês ainda em queda na Bolsa de Chicago e na B3 (10:12)
SIF garante a manutenção do abastecimento de produtos de origem animal (09:15)
Governo estuda pacote de R$ 2 bi para o campo (09:14)
Frigoríficos dos EUA oferecem bônus contra absenteísmo (09:12)
Embrapa faz parceria com Korin e se aproxima do consumidor (09:11)
Soja: mercado começa abril com perdas de mais de 1% em Chicago (08:15)
Milho: poucas movimentações no Brasil e queda de 7% em março em Chicago (08:11)
Mapa institui comitê de crise para monitorar impactos do Coronavírus (08:10)
Suíno: principais praças produtoras do vivo têm desvalorização (08:06)
Boi gordo encerra março com preços firmes (08:00)
Habilitação de novos frigoríficos pela China está paralisada (07:28)