Terça-feira, 25 de Fevereiro de 2020
Matérias-Primas

Soja no Brasil pode passar dos R$ 90 nos portos a partir do dia 15/02
Campinas, SP, 12 de Fevereiro de 2020 - Os números do USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) foram reportados nesta terça-feira (11) e, sem trazer grandes mudanças, o mercado da soja na Bolsa de Chicago encerrou os negócios, mais uma vez, com estabilidade.

Entre as posições mais negociadas, apenas o vencimento março/20 fechou com uma pequena alta de 0,50 ponto - para US$ 8,84 - enquanto os demais terminaram o dia sem variações. O maio fechou em US$ 8,97 e o julho em US$ 8,97 por bushel.

Embora o USDA tenha trazido um importante aumento nas exportações americanas de soja, bem como nas importações da China, o mercado precisa começar a ver a efetiva volta dos chineses ao mercado dos EUA. E até que isso não aconteça, como explica o diretor do Grupo Labhoro, Ginaldo Sousa.

As exportações de soja dos EUA foram estimadas em 49,67 milhões de toneladas, contra 48,31 milhões do boletim de janeiro. Já o esmagamento foi mantido em 57,29 milhões. Em contrapartida, os estoques finais foram revisados de 12,93 para 11,57 milhões de toneladas, abaixo da média esperada pelo mercado.

"Para quem vão estas 11,57 milhões de toneladas?", questiona Sousa.

Ao mesmo tempo, o USDA ainda trouxe um expressivo aumento da safra de soja do Brasil. A produção brasileira foi estimada em 125 milhões de toneladas, contra 123 milhões da projeção do mês passado. O número fica ainda acima do esperado pelo mercado de 123,8 milhões e do trazido pela Conab nesta terça-feira, de 123,2 milhões.

Da mesma forma, o departamento trouxe ainda uma revisão para cima das exportações do Brasil para 77 milhões de toneladas, reforçando a maior demanda pelo produto nacional, motivada, acima de tudo, por sua maior competitividade pelo preço e melhor qualidade.

E ainda segundo o diretor da Labhoro, os preços para a soja brasileira poderiam ficar ainda melhores caso a demanda chinesa melhore também nos EUA e ajude na recuperação das cotações em Chicago. Para o analista, a referência poderia superar os R$ 90,00 por saca caso, a partir do dia 15, a nação asiática ao menos sinalize compras nos Estados Unidos.
(Notícias Agrícolas) (Aleksander Horta e Carla Mendes )
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Terça-Feira, 25/02
Segunda-Feira, 24/02
Estados Unidos reabrem mercado para carne in natura do Brasil (15:05)
Sexta-Feira, 21/02
Unidade brasileira da Vetanco realiza Convenção de Vendas 2020 (15:07)
Cadeia de frango da China se abre em meio ao caos das medidas de vírus (13:58)
Frango: apesar da fraca demanda, custo de produção elevado faz com que avicultor aumente preço (13:40)
Cotações do milho no mercado físico tem perdido força (13:30)
Milho: cotações registram leves altas em Chicago (13:25)
Soja: à espera de novas compras da China, mercado em Chicago segue estável (13:22)
Programa Ovos RS promove curso de Boas Práticas de Fabricação para Fábricas de Ração (09:33)
Boi: preços de balcão em SP giram ao redor de R$200,00/@ (09:15)
Praticamente metade da safra do milho já está colhida no RS (08:38)
Surto de vírus não mudará compromissos da China de comprar produtos dos EUA (08:37)
CNA diz que MP do Agro dá mais alternativas de financiamento e simplifica acesso ao crédito (08:26)
Suíno: animal vivo segue valorizado nas principais praças (07:55)
Mercado do boi gordo está firme (07:53)
Oferta restrita dá sustentação ao mercado de carne bovina no atacado (07:52)
Milho fecha a 5ª feira desvalorizado em Chicago após encontro do USDA (07:51)
Soja mais barata no Brasil do que nos EUA pressiona Chicago mais uma vez (07:48)
Quinta-Feira, 20/02
Exportações de genética avícola decrescem em janeiro (11:03)
Suínos: poder de compra frente ao milho é o mais baixo desde Fev/19 (10:22)
Boi: abate cai no final de 2019 e confirma baixa oferta (10:21)
Milho: Vendedores tem mostrado interesse em negociar, enquanto o comprador se abastece para os próximos dias (09:20)
Boi: A queda das cotações no mercado atacadista influenciou as tentativas de compra (09:16)
Vetanco participa do Show Rural Coopavel 2020 (09:01)
Milho abre a 5ª feira com baixas em Chicago à espera de números do USDA (09:00)
Soja recua em Chicago nesta 5ª feira (08:00)
Suíno: cotações estáveis em São Paulo; animal vivo segue valorizado nas principais praças produtoras (07:16)
APA divulga programa definitivo do Congresso de Ovos 2020 (07:01)
CNA discute impactos da reforma tributária para o Agro (06:59)
Pouco boi provoca alta significativa no Norte do país (06:55)
Milho cai em Chicago nesta 4ª feira (06:51)
Poucos negócios novos com a soja brasileira (06:48)
Quarta-Feira, 19/02
Katayama Alimentos é a primeira indústria brasileira a produzir ovos em grande escala com o “Certificado Ovos Livres de Antibióticos” (14:38)
Avicultores conferem as tendências dos mercados de grãos e ovos no primeiro Qualificaves de 2020 (14:34)
Milho: aos poucos os vendedores tem ofertado mais volumes (10:36)
China garantirá mais fornecimento de aves em meio a epidemia (10:30)
ABPA vai propor criação de sistema de prevenção à gripe aviária no Cone Sul (10:01)
Tocantins registrou a maior alta para o boi gordo em fevereiro (09:32)
Milho abre a quarta-feira levemente em queda na Bolsa de Chicago (08:45)
Soja em Chicago segue caminhando de lado nesta 4ª feira, Brasil ainda tem preços firmes (08:30)
Embarque da China para Brasil cai 50% (08:07)
Suíno: cotações seguem subindo (07:14)
China alerta para impacto do coronavírus sobre suprimento de frango e ovos (07:12)
Turra projeta crescimento na produção de carne suína e de frangos (07:10)
Milho sobe em Chicago nesta terça-feira (07:05)
Isenção tarifária e a redução dos fretes marítimos abrem portas para demanda chinesa sobre a soja americana (07:00)