Terça-feira, 25 de Fevereiro de 2020
Exportação

Ministério da Agricultura cria o ‘Núcleo China’
Brasília, DF, 11 de Fevereiro de 2020 - A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, buscou na iniciativa privada a comandante da nova unidade especial que cuidará das relações com a China, principal destino das exportações brasileiras do agronegócio. Ex-diretora da consultoria de investimentos Vallya e com mestrado em Estudos Contemporâneos da China pela Universidade de Renmin, Larissa Wachholz morou em Pequim por cinco anos e fala mandarim. Em dezembro, ela aceitou o convite de Tereza Cristina para assumir o “Núcleo China”, ligado diretamente a seu gabinete.

A criação da unidade estratégica foi uma surpresa até para quem trabalha na área internacional do ministério. A ideia partiu da ministra, que não contou a novidade para ninguém antes de anunciá-la em encontro com ministros chineses em outubro de 2019, durante visita ao país.

Para o longo prazo, Larissa Wachholz estabeleceu quatro áreas prioritárias de atuação: abertura comercial, atração de investimentos, central de informações e ações de inovação e sustentabilidade. Mas a agenda emergencial não escapa do radar. Um dos desafios imediatos tem sido monitorar os efeitos do coronavírus e da trégua comercial Estados Unidos-China sobre as exportações agrícolas brasileiras. No caso do cessar-fogo entre Washington e Pequim, ela conta ter recebido uma mensagem tranquilizadora das autoridades chinesas. “Elas têm nos dito que vão operar de acordo com regras de mercado.”

Em bom português: mesmo diante dos compromissos assumidos de aumentar as compras de produtos agrícolas americanos, a China prometeu ao Brasil manter suas escolhas de fornecedores com base em preço, não em questões políticas. “Mas temos avaliado o assunto com lupa”, diz Larissa. Apesar disso, ela constata que haverá redução nos embarques brasileiros de soja à China, que terão de ser redirecionados a outros mercados.

Destino de mais de um terço das exportações agrícolas brasileiras - US$ 31 bilhões em compras em 2019 -, a China é o principal parceiro comercial do Brasil, mas a pauta setorial de exportações é baseada em soja e carnes. Uma das metas do novo núcleo é promover a diversificação do comércio com a abertura para novos produtos, como frutas. O movimento pode estabilizar os fluxos comerciais e diminuir “solavancos” do mercado mundial.

O desafio também é entender melhor as complexidades do maior comprador dos produtos agrícolas nacionais e identificar oportunidades. Larissa avalia, por exemplo, que os chineses confiam na qualidade do alimento brasileiro, mas estão cada vez mais atentos aos debates sobre sustentabilidade. “É uma preocupação que tende a crescer e a gente quer mostrar a sustentabilidade do agro brasileiro e dar ao consumidor chinês esse conforto”.

O núcleo também quer atrair investimentos de empresas chinesas para o Brasil, tanto na área de logística como na de construção de ferrovias e rodovias para ajudar no escoamento das exportações. Atrair aportes em indústrias de processamento de alimentos também está nos planos. Seria uma forma de elevar o valor agregado das exportações - vender farelo em vez de soja em grão, café torrado e moído no lugar de café verde, cortes de carne no lugar do produto in natura.

O setor produtivo fez o caminho inverso para se aproximar mais da China. Em janeiro, a Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) abriu um escritório de negócios em Xangai. A entidade contratou uma consultora chinesa, fluente em português e que já morou no Brasil, para representar os produtores brasileiros, mapear oportunidades comerciais e prospectar mais abertura de mercados.

“Comércio é olho no olho, precisa ter confiança”, diz Lígia Dutra, superintendente de Relações Internacionais da CNA. A entidade quer impulsionar cinco segmentos: lácteos, mel, fresh (hortaliças, frutas e flores), cafés especiais e aquicultura. Outra unidade deve ser aberta na Ásia, em um país a definir, em 2021. “Precisamos da China para fazer negócio hoje”, disse.
(Valor Econômico) (Rafael Walendorff e Daniel Rittner)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Terça-Feira, 25/02
Segunda-Feira, 24/02
Estados Unidos reabrem mercado para carne in natura do Brasil (15:05)
Sexta-Feira, 21/02
Unidade brasileira da Vetanco realiza Convenção de Vendas 2020 (15:07)
Cadeia de frango da China se abre em meio ao caos das medidas de vírus (13:58)
Frango: apesar da fraca demanda, custo de produção elevado faz com que avicultor aumente preço (13:40)
Cotações do milho no mercado físico tem perdido força (13:30)
Milho: cotações registram leves altas em Chicago (13:25)
Soja: à espera de novas compras da China, mercado em Chicago segue estável (13:22)
Programa Ovos RS promove curso de Boas Práticas de Fabricação para Fábricas de Ração (09:33)
Boi: preços de balcão em SP giram ao redor de R$200,00/@ (09:15)
Praticamente metade da safra do milho já está colhida no RS (08:38)
Surto de vírus não mudará compromissos da China de comprar produtos dos EUA (08:37)
CNA diz que MP do Agro dá mais alternativas de financiamento e simplifica acesso ao crédito (08:26)
Suíno: animal vivo segue valorizado nas principais praças (07:55)
Mercado do boi gordo está firme (07:53)
Oferta restrita dá sustentação ao mercado de carne bovina no atacado (07:52)
Milho fecha a 5ª feira desvalorizado em Chicago após encontro do USDA (07:51)
Soja mais barata no Brasil do que nos EUA pressiona Chicago mais uma vez (07:48)
Quinta-Feira, 20/02
Exportações de genética avícola decrescem em janeiro (11:03)
Suínos: poder de compra frente ao milho é o mais baixo desde Fev/19 (10:22)
Boi: abate cai no final de 2019 e confirma baixa oferta (10:21)
Milho: Vendedores tem mostrado interesse em negociar, enquanto o comprador se abastece para os próximos dias (09:20)
Boi: A queda das cotações no mercado atacadista influenciou as tentativas de compra (09:16)
Vetanco participa do Show Rural Coopavel 2020 (09:01)
Milho abre a 5ª feira com baixas em Chicago à espera de números do USDA (09:00)
Soja recua em Chicago nesta 5ª feira (08:00)
Suíno: cotações estáveis em São Paulo; animal vivo segue valorizado nas principais praças produtoras (07:16)
APA divulga programa definitivo do Congresso de Ovos 2020 (07:01)
CNA discute impactos da reforma tributária para o Agro (06:59)
Pouco boi provoca alta significativa no Norte do país (06:55)
Milho cai em Chicago nesta 4ª feira (06:51)
Poucos negócios novos com a soja brasileira (06:48)
Quarta-Feira, 19/02
Katayama Alimentos é a primeira indústria brasileira a produzir ovos em grande escala com o “Certificado Ovos Livres de Antibióticos” (14:38)
Avicultores conferem as tendências dos mercados de grãos e ovos no primeiro Qualificaves de 2020 (14:34)
Milho: aos poucos os vendedores tem ofertado mais volumes (10:36)
China garantirá mais fornecimento de aves em meio a epidemia (10:30)
ABPA vai propor criação de sistema de prevenção à gripe aviária no Cone Sul (10:01)
Tocantins registrou a maior alta para o boi gordo em fevereiro (09:32)
Milho abre a quarta-feira levemente em queda na Bolsa de Chicago (08:45)
Soja em Chicago segue caminhando de lado nesta 4ª feira, Brasil ainda tem preços firmes (08:30)
Embarque da China para Brasil cai 50% (08:07)
Suíno: cotações seguem subindo (07:14)
China alerta para impacto do coronavírus sobre suprimento de frango e ovos (07:12)
Turra projeta crescimento na produção de carne suína e de frangos (07:10)
Milho sobe em Chicago nesta terça-feira (07:05)
Isenção tarifária e a redução dos fretes marítimos abrem portas para demanda chinesa sobre a soja americana (07:00)