Terça-feira, 07 de Julho de 2020
Matérias-Primas

Milho: mercado tem altas pontuais no interior do Brasil de até 2,5% nesta 2ª feira
Campinas, SP, 11 de Fevereiro de 2020 - Os preços do milho terminaram a sessão na B3 em campo positivo nesta segunda-feira (10). O vencimento março encerrou o dia com R$ 49,55 e alta de 0,30%, enquanto o setembro subiu 0,36% para R$ 41,50 por saca.

O mercado nacional, embora aponte baixas pontuais e regionais onde a colheita se mostra um pouco mais adiantada, continua sustentado e, como explica o consultor da Brandalizze Consulting, Vlamir Brandalizze, "a linha da baixa está muito curta e assim sem muito espaço para queda" diante dos estoques muito ajustados e de boa demanda pelo grão brasileiro.

No paralelo, o dólar alto também dá sustentação às cotações. Nesta segunda-feira, a moeda americana fechou estável, mas ainda acima dos R$ 4,30, com R$ 4,32.

"O dólar ficou perto da estabilidade ante o real nesta segunda-feira, colado em máximas recordes, num dia sem grandes catalisadores nos mercados financeiros globais e na véspera da divulgação de documento no qual o Banco Central pode dar mais sinalizações sobre o juro básico, variável que tem tido influência sobre a taxa de câmbio", informou a agência de notícias Reuters.

Como explicam os pesquisadores do Cepea, pequenas baixas foram registradas nos últimos dias e isso acabou por reduzir timidamente a liquidez no mercado nacional.

"De modo geral, compradores têm optado por aguardar o avanço da colheita para negociar grandes lotes. Além disso, as recentes quedas no mercado internacional reduzem a paridade de exportação e influenciam as baixas dos preços domésticos", informa o Cepea.

No porto de Paranaguá, o indicativo permanece estável nos R$ 43,00 por saca, enquanto no interior do Brasil algumas altas foram registradas, como Campinas/SP com ganho de 0,97% para R$ 51,22 por saca; Assis/SP 1,15% para R$ 44,00. Em Mato Grosso, Tangará da Serra e Campo Novo do Parecis, as altas superam os 2% e as referências continuam na casa dos R$ 40,00 por saca.

BOLSA DE CHICAGO

No pregão desta segunda-feira, os futuros do milho terminaram o dia com leves baixas na Bolsa de Chicago, de 0,50 a 1,75 ponto. O março ficou com US$ 3,81 e o maio, US$ 3,86 por bushel. O setembro terminou a sessão valendo US$ 3,89.

O mercado internacional de grãos continua cauteloso e na defensiva, ainda no aguardo de novas notícias que possam partir do cenário geopolítico e, paralelamente, esperando também pelo novo boletim mensal de oferta e demanda do USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos), que chega amanhã, dia 11.

"Os futuros dos grãos operam em baixa, embora o mercado veja os traders promovendo um movimento de cobertura de posições, e atentos a quaisques mudanças que o USDA possa trazer nesta terça-feira em seu relatório mensal", diz a a consultoria internacional Allendale, Inc.

Como explica o analista líder do portal DTN The Progressive Farmer, Todd Hultman, o boletim não deverá trazer qualquer alteração nas estimativas para a produção de grãos dos EUA. No caso do milho, deverão estar em foco a demanda interna americana pelo cereal para a produção de rações, de etanol e nas exportações, as quais poderiam registrar um sutil incremento.
(Notícias Agrícolas) (Carla Mendes)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Terça-Feira, 07/07
Teste rápido é inútil para conter a covid-19 dentro de frigoríficos (09:25)
Falha em busca ativa justifica testes de anticorpos, diz MPT (09:23)
Preços mais firmes para o farelo de soja (08:47)
Podcast FACTA: novo episódio será sobre a utilização da tecnologia NIR para análises rápidas e eficientes na alimentação animal (08:02)
Segunda-Feira, 06/07
Hisex apresenta novo gestor da linhagem de poedeiras (17:33)
China suspende exportações de mais duas unidades brasileiras (09:47)
Terceirização em frigoríficos da Alemanha na berlinda (09:45)
Ovos/CEPEA: cotações encerram junho em queda (09:43)
Milho/CEPEA: movimento de alta continua, e indicador se aproxima dos R$50/sc (09:41)
Soja sobe forte nesta 2ª feira (08:28)
JBS recebe aval para reabrir unidade de Passo Fundo após surto de Covid-19 (07:28)
Saúde pública JBS recebe aval para reabrir unidade de Passo Fundo após surto de Covid-19 (07:25)
Sexta-Feira, 03/07
China absorve 10% de toda carne bovina produzida no Brasil (08:46)
Frangos, pintainhos e até ovos: caminhoneiro conta como carrega carga viva (08:44)
Inspeções na China devem atrasar fluxo nos portos (08:43)
Quinta-Feira, 02/07
Suínos: cotações encerram junho em alta (09:35)
Boi: vantagem da carne sobre boi se reduz em junho (09:30)
Milho fecha 1º dia do mês subindo no mercado brasileiro (07:37)
Apesar de safra recorde de soja, país deve fechar ano com menor estoque da história (07:27)
Soja: Brasil fecha semestre com embarques de mais de 63 mi de t, 43% a mais na comparação anual (07:19)
Quarta-Feira, 01/07
Plano Safra 2020/2021 entra em vigor nesta 4ª feira (09:52)
Frigoríficos: Paim quer anular portarias com medidas de prevenção que ele considera ineficazes (09:45)
Surpresa no relatório de área plantada eleva preços de soja e milho em Chicago (08:00)