Terça-feira, 18 de Fevereiro de 2020
Saúde Animal

Na China, comércio de animais vivos favorece novos vírus
São Paulo, SP, 24 de Janeiro de 2020 - Aglomerações urbanas gigantescas, a cultura de consumir alimentos pouco cozidos - quando não totalmente crus - e a criação caseira de animais para fins alimentares são alguns dos fatores que explicam a recorrência de surtos dos chamados vírus zoonóticos na China.

Apenas neste século, o país viu quatro ondas importantes de infecções em massa por vírus. “Ainda não há como determinar com certeza como esse novo vírus infectou seres humanos”, afirmou ao jornal de Nova Déli “Mint”, a virologista Shobha Broor, do Instituto de Ciências Médicas da Índia.

“Mas é possível dizer que a interação pouco segura entre humanos e animais - que, diferentemente de outros lugares, costumam ser vendidos vivos em mercados lotados - favorece a disseminação de vírus e a transmissão para humanos".

No caso atual, a principal suspeita endossada por Pequim é de que o reservatório inicial do coronavírus tenha sido o morcego, que o transmitiu a mamíferos como a civeta (animal de pequeno porte comum na Ásia, famoso por melhorar o sabor do grão café que passa pelo seu sistema digestivo), que o repassou aos humanos.

A primeira grande onda de coronavírus deste século na China se deu em 2002 e foi associada ao mercado de aves vivas. A infecção se espalhou por 37 países, atingiu 8.098 pessoas e matou 774. Infecção semelhante, também associada a aves, começou em 2013.

Em 2019, outra cepa de coronavírus causou a morte de pelo menos 30% do rebanho suíno chinês. O vírus, identificado como o responsável pela Peste Suína Africana (PSA), não atingiu os humanos, mas ampliou a demanda chinesa por proteína animal - não só suína -, causando um desequilíbrio global nos preços. No Brasil, a peste causou a alta da carne bovina.

Estima-se que o marco-zero da nova infecção tenha sido um mercado de animais vivos de Wuhan - local frequentado por milhares de pessoas por dia, do qual a infecção se espalhou rapidamente. Segundo especialistas, autoridades de segurança alimentar e vigilância sanitárias chinesas têm também grande dificuldade para fiscalizar a criação de aves e porcos em galinheiros e chiqueiros caseiros - comuns na periferia de centros urbanos e em áreas rurais do país. Em mercados populares e feiras livres, também é rotineiro o consumo de alimentos preparados com animais como morcegos, escorpiões e outros invertebrados à margem da fiscalização sanitária.
(Valor Econômico) (Roberto Lameirinhas )
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Terça-Feira, 18/02
Segunda-Feira, 17/02
VBP terá valor recorde em 2020 (11:06)
Milho: as cotações do milho subiram de maneira nítida em todo país (10:32)
Boi: a semana anterior foi de valorização dos preços de balcão (10:27)
Ovos: preços seguem em alta; diferença entre brancos e vermelhos é a maior em 10 meses (09:25)
Milho: cotações voltam a subir na maioria das regiões acompanhadas pelo Cepea (09:15)
Soja: aumento da oferta e dólar forte elevam liquidez no Brasil; preços sobem (09:00)
Suínos: preço do animal vivo mostra reação; produtor independente vê cotações subirem (08:06)
China anuncia retirada de proibição de importação de frango dos EUA (08:04)
Milho tem semana de preços firmes no mercado brasileiro (08:00)
Soja fecha semana com sustentação dos preços no Brasil (07:55)
Sexta-Feira, 14/02
Sasso e Gramado Avicultura estabelecem parceria (12:29)
Agroqualitá realiza curso sobre HACCP para fábricas de ração em Chapecó (12:01)
Programa Ovos RS apresenta resultados ao Serviço Oficial (11:59)
Frango: valorização das concorrentes eleva competitividade da carne de frango (11:48)
Suíno: estabilidade nos preços nesta quinta-feira (06:24)
Valor da Produção Agropecuária para 2020 é estimado em R$ 674,10 bilhões (06:22)
Produção de ovos sobe 4,3% no 4º tri de 2019 ante 4º tri de 2018, diz IBGE (06:21)
Depois de pagar R$ 205,00/@ em SP, frigoríficos alongam escalas e reduzem ritmo de compras (06:18)
Milho fecha com mais de 1% de alta nesta 5ª feira (06:17)
Soja sobe até 2,6% no interior do Brasil com demanda e dólar ainda forte frente ao real (06:15)
CNA vai mostrar que tabelamento obrigatório do frete prejudica o setor (06:06)
Quinta-Feira, 13/02
CNA e Caixa Econômica discutem renegociação de dívidas e Crédito Rural (15:30)
FAESC apoia campanha de proteção ao agronegócio catarinense (15:27)
SBSA 2020: em debate, a inovação e o futuro da avicultura (12:54)
Luiz Carlos Giongo assume a presidência do Nucleovet (12:50)
Suínos: exportações firmes elevam preço do suíno no Brasil (12:26)
Boi: apesar da queda de 36% em janeiro, embarques à china seguem elevados (12:25)
Abate de bovinos cai e o de suínos e frangos sobe no último trimestre (12:22)
Abate de bovinos cai 1,8% no 4º trimestre de 2019 ante o 4º tri de 2018, diz IBGE (12:11)
ABPA e Apex-Brasil levam 14 agroindústrias para a Gulfood 2020 (08:45)
Soja: otimismo diminui em Chicago nesta 5ª feira com anúncio de novas mortes pelo Corona; BR mantém foco no dólar (08:12)
Exportações do agronegócio totalizam US$ 5,8 bilhões em janeiro (08:07)
Suíno: preço da arroba permanece estável acima dos R$ 100 em SP (08:00)
Milho: 4ª feira termina com altas em Chicago e no Brasil (07:55)
Soja sobe forte no Brasil com dólar em recorde histórico e 4ª feira de altas em Chicago (07:50)
Quarta-Feira, 12/02
Adisseo apresenta pesquisa sobre micotoxinas em milho (14:49)
Mercado árabe é foco de ação de promoção da carne brasileira (12:24)
ABPA promove SIAVS durante IPPE 2020 (10:10)
Vai e vem da carne bovina no varejo (09:26)
BRDE reabre frigorífico em Umuarama (09:17)
Soja: mercado em Chicago mantém estabilidade nesta 4ª com foco nas relações China x EUA (09:10)
Estão abertas as inscrições online para o Congresso de Ovos 2020 (07:16)
PIB-Agro/CEPEA: Ramo pecuário cresce e mantém elevação do PIB (07:12)
Santa Catarina cria campanha de proteção ao agronegócio (07:07)
Suínos: dia de valorização nos preços (07:00)
MAPA prevê mais um recorde histórico para a safra de grãos: 251 milhões de toneladas (06:58)
Preços do milho brasileiro atingem maior patamar em 4 anos com demanda aquecida (06:57)
Soja no Brasil pode passar dos R$ 90 nos portos a partir do dia 15/02 (06:55)
USDA sobe safra de soja do Brasil para 125 mi de t e reduz estoques finais dos EUA; estoques de milho mantidos (06:50)