Terça-feira, 25 de Fevereiro de 2020
Mercado Externo

Efeito de acordo EUA-China no Brasil para aves e suínos é limitado
São Paulo, SP, 17 de Janeiro de 2020 - A fase 1 do acordo comercial entre Estados Unidos e China deve ter efeitos limitados nas exportações de aves e suínos do Brasil para o gigante asiático, avalia o vice-presidente da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), Ricardo Santin. "Nesse texto, não há menção de redução de cotas ou de tarifas da China à carne dos EUA, embora essas reduções ainda possam acontecer", disse ele ao Broadcast Agro.

"Além disso, houve alguns mecanismos no texto que a China já implementou no Brasil. Por exemplo, falou-se em facilitação de habilitação de plantas dos EUA. No ano passado, nós já tivemos plantas habilitadas via videoconferência", afirmou, ressaltando a boa relação que a ministra da Agricultura, Tereza Cristina, cultivou com o gigante asiático.

Ele disse, ainda, que a demanda chinesa é tão volumosa que pode absorver as exportações de Brasil e Estados Unidos. A China tem aumentado suas importações de proteína animal em decorrência da peste suína africana, que vem dizimando os plantéis locais de suínos. "Os EUA até podem vender mais para a China, mas a demanda reprimida na Ásia ainda é muito maior do que a nossa capacidade de exportação", afirmou Santin, lembrando que outros países do continente, como Vietnã, também são fortemente afetados pela doença e têm a mesma necessidade de importar carne.

Santin vê as medidas sanitárias incluídas no acordo EUA-China como algo que também pode beneficiar o Brasil. "Os mecanismos colocados com os EUA podem ser um modelo de trabalho que a China vai implantar no resto do mundo". O documento divulgado inclui um protocolo bilateral para uniformização dos processos em relação a doenças de frango, como gripe aviária, cooperação na área de peste suína, uniformização de padrões de idade e uso de ractopamina em bovinos, além de preenchimento de cotas tarifárias e aprovação de eventos transgênicos.

Nós não temos influenza aviária e somos livres de peste suína africana", lembrou o executivo da ABPA. "Mas mesmo assim, quando o acordo faz referência a organismos internacionais como a Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO), a Organização Mundial de Saúde Animal (OIE), entre outros, percebe-se que estão criando um ambiente em que a China deve respeitar as regras globais. Provavelmente, elas valerão para nós também", completou.

No último ano, as exportações para a China ajudaram a elevar o volume embarcado pelo Brasil. O País aumentou em 15,7% o volume embarcado de carne suína in natura em 2019 ante 2018, para 635,5 mil toneladas; a receita subiu ainda mais, 56,2%, para US$ 1,741 bilhão.

A carne suína é a mais consumida no gigante asiático. A carne de frango in natura também teve avanço considerável na mesma comparação, de 8,3% em volume, para 4,065 milhões de toneladas, e 10,7% em receita, para US$ 6,396 bilhões. Os dados são da Secretaria de Comércio Exterior (Secex), do Ministério da Economia.
(Estadão ) (Augusto Decker)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Terça-Feira, 25/02
Segunda-Feira, 24/02
Estados Unidos reabrem mercado para carne in natura do Brasil (15:05)
Sexta-Feira, 21/02
Unidade brasileira da Vetanco realiza Convenção de Vendas 2020 (15:07)
Cadeia de frango da China se abre em meio ao caos das medidas de vírus (13:58)
Frango: apesar da fraca demanda, custo de produção elevado faz com que avicultor aumente preço (13:40)
Cotações do milho no mercado físico tem perdido força (13:30)
Milho: cotações registram leves altas em Chicago (13:25)
Soja: à espera de novas compras da China, mercado em Chicago segue estável (13:22)
Programa Ovos RS promove curso de Boas Práticas de Fabricação para Fábricas de Ração (09:33)
Boi: preços de balcão em SP giram ao redor de R$200,00/@ (09:15)
Praticamente metade da safra do milho já está colhida no RS (08:38)
Surto de vírus não mudará compromissos da China de comprar produtos dos EUA (08:37)
CNA diz que MP do Agro dá mais alternativas de financiamento e simplifica acesso ao crédito (08:26)
Suíno: animal vivo segue valorizado nas principais praças (07:55)
Mercado do boi gordo está firme (07:53)
Oferta restrita dá sustentação ao mercado de carne bovina no atacado (07:52)
Milho fecha a 5ª feira desvalorizado em Chicago após encontro do USDA (07:51)
Soja mais barata no Brasil do que nos EUA pressiona Chicago mais uma vez (07:48)
Quinta-Feira, 20/02
Exportações de genética avícola decrescem em janeiro (11:03)
Suínos: poder de compra frente ao milho é o mais baixo desde Fev/19 (10:22)
Boi: abate cai no final de 2019 e confirma baixa oferta (10:21)
Milho: Vendedores tem mostrado interesse em negociar, enquanto o comprador se abastece para os próximos dias (09:20)
Boi: A queda das cotações no mercado atacadista influenciou as tentativas de compra (09:16)
Vetanco participa do Show Rural Coopavel 2020 (09:01)
Milho abre a 5ª feira com baixas em Chicago à espera de números do USDA (09:00)
Soja recua em Chicago nesta 5ª feira (08:00)
Suíno: cotações estáveis em São Paulo; animal vivo segue valorizado nas principais praças produtoras (07:16)
APA divulga programa definitivo do Congresso de Ovos 2020 (07:01)
CNA discute impactos da reforma tributária para o Agro (06:59)
Pouco boi provoca alta significativa no Norte do país (06:55)
Milho cai em Chicago nesta 4ª feira (06:51)
Poucos negócios novos com a soja brasileira (06:48)
Quarta-Feira, 19/02
Katayama Alimentos é a primeira indústria brasileira a produzir ovos em grande escala com o “Certificado Ovos Livres de Antibióticos” (14:38)
Avicultores conferem as tendências dos mercados de grãos e ovos no primeiro Qualificaves de 2020 (14:34)
Milho: aos poucos os vendedores tem ofertado mais volumes (10:36)
China garantirá mais fornecimento de aves em meio a epidemia (10:30)
ABPA vai propor criação de sistema de prevenção à gripe aviária no Cone Sul (10:01)
Tocantins registrou a maior alta para o boi gordo em fevereiro (09:32)
Milho abre a quarta-feira levemente em queda na Bolsa de Chicago (08:45)
Soja em Chicago segue caminhando de lado nesta 4ª feira, Brasil ainda tem preços firmes (08:30)
Embarque da China para Brasil cai 50% (08:07)
Suíno: cotações seguem subindo (07:14)
China alerta para impacto do coronavírus sobre suprimento de frango e ovos (07:12)
Turra projeta crescimento na produção de carne suína e de frangos (07:10)
Milho sobe em Chicago nesta terça-feira (07:05)
Isenção tarifária e a redução dos fretes marítimos abrem portas para demanda chinesa sobre a soja americana (07:00)