Terça-feira, 18 de Fevereiro de 2020
Exportação

"Nosso investimento deve ser feito na marca Brasil", diz presidente da ACAV
Florianópolis , 07 de Janeiro de 2020 - Após dois anos de crise em função da Operação Carne Fraca de março de 2017, que derrubou as exportações brasileiras da avicultura, o setor recuperou um pouco o espaço no cenário internacional em 2019 devido ao problema sanitário enfrentado pela China. Contudo, essa situação, que é passageira, não é motivo para o setor ampliar investimentos com foco no mercado internacional de baixos preços, alerta o presidente da Associação Catarinense de Avicultura (Acav), José Antônio Ribas Júnior.

Segundo ele, o investimento deve ser feito na marca Brasil porque o país detém as melhores condições para produzir frango de alto padrão. Em Santa Catarina, a carne de ave foi o principal produto de exportação novamente no ano passado, respondeu por 21,57% do total de receita e cresceu 2,12% frente ao ano anterior. O setor começa 2020 com cenário promissor porque o país seguirá como gigante na agropecuária, mas essa participação pode ser mais estratégica, sinaliza Ribas Júnior.

- Temos que olhar o longo prazo, entender a dinâmica deste mercado e saber exatamente o papel que queremos exercer no cenário mundial. Somos competitivos em custo, temos competências ambientais inquestionáveis, somos uma avicultura livre dos problemas sanitários que afetam nossos concorrentes e sabemos produzir com qualidade. Dados estes fatos, nosso investimento deve ser feito na marca Brasil e no valor agregado dos produtos – avalia o presidente da Acav.

Segundo ele, Santa Catarina e o país têm condições de oferecer um mix de maior valor agregado para os clientes mundiais. É preciso aumentar a rentabilidade e crescer em faturamento. O Brasil precisa de um crescimento sustentável e, para isso, é preciso uma estratégia produtiva de longo prazo.

- Temos que fazer aqui o melhor frango do mundo. Isso abre portas e gera retornos sustentáveis- defende ele.

A propósito, essa proposta de investir na marca Brasil é importante e deveria ser executada porque o país tem as condições necessárias para isso. Um passo importante é não fazer algo errado na sanidade, o que implica diretamente na qualidade. Outro, é destacar as condições naturais diferenciadas e também criar produtos de nicho. Essa estratégia de marketing de produto de origem dá certo e alguns exemplos de valorização são notórios no mundo: café de Colômbia, vinhos de Bordeaux e leite da Nova Zelândia. Aliás, o agronegócio oferece inúmeras oportunidades para o Brasil deixar de ser um país sem marcas fortes no mercado mundial.

Efeito China continua

A China enfrentou ano passado o surto de peste suína africana e também gripe aviária. Mesmo assim, conseguiu ampliar a sua produção de frangos e superou o Brasil entre os produtores globais, alcançando a segunda posição, atrás dos EUA. Mas como o consumidor chinês, ao invés de substituir a escassa carne suína por frango, optou por carne bovina, isso impediu um salto na demanda global de frango, o que não era esperado pela agroindústria brasileira.

Para Ribas Júnior, os problemas sanitários da China ainda vão impactar o mercado mundial de carnes neste ano e em 2021, mas depois não. Por isso os investimentos do agronegócio brasileiro devem ser pensados focando o longo prazo e qualidade, com o propósito de conseguir uma diferenciação.

Apoio do setor público

Embora se desenvolva com tecnologia, crescente produtividade e competitividade, o agronegócio é um setor que depende de ações e da parceria do setor público. Atualmente, segundo Ribas Júnior, o setor está satisfeito com a atuação da ministra da Agricultura, Teresa Cristina. Ela conhece e fala com o setor em alto nível e isso tem ajudado na conquista de novos mercados externos.

Apesar disso, o setor tem uma agenda interna a ser desenvolvida que inclui a modernização das normas e regulamentações, implementação de autocontrole, simplificações operacionais, melhorias logísticas e outras medidas.
(​NSC Total ) (Estela Benetti)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Terça-Feira, 18/02
Segunda-Feira, 17/02
VBP terá valor recorde em 2020 (11:06)
Milho: as cotações do milho subiram de maneira nítida em todo país (10:32)
Boi: a semana anterior foi de valorização dos preços de balcão (10:27)
Ovos: preços seguem em alta; diferença entre brancos e vermelhos é a maior em 10 meses (09:25)
Milho: cotações voltam a subir na maioria das regiões acompanhadas pelo Cepea (09:15)
Soja: aumento da oferta e dólar forte elevam liquidez no Brasil; preços sobem (09:00)
Suínos: preço do animal vivo mostra reação; produtor independente vê cotações subirem (08:06)
China anuncia retirada de proibição de importação de frango dos EUA (08:04)
Milho tem semana de preços firmes no mercado brasileiro (08:00)
Soja fecha semana com sustentação dos preços no Brasil (07:55)
Sexta-Feira, 14/02
Sasso e Gramado Avicultura estabelecem parceria (12:29)
Agroqualitá realiza curso sobre HACCP para fábricas de ração em Chapecó (12:01)
Programa Ovos RS apresenta resultados ao Serviço Oficial (11:59)
Frango: valorização das concorrentes eleva competitividade da carne de frango (11:48)
Suíno: estabilidade nos preços nesta quinta-feira (06:24)
Valor da Produção Agropecuária para 2020 é estimado em R$ 674,10 bilhões (06:22)
Produção de ovos sobe 4,3% no 4º tri de 2019 ante 4º tri de 2018, diz IBGE (06:21)
Depois de pagar R$ 205,00/@ em SP, frigoríficos alongam escalas e reduzem ritmo de compras (06:18)
Milho fecha com mais de 1% de alta nesta 5ª feira (06:17)
Soja sobe até 2,6% no interior do Brasil com demanda e dólar ainda forte frente ao real (06:15)
CNA vai mostrar que tabelamento obrigatório do frete prejudica o setor (06:06)
Quinta-Feira, 13/02
CNA e Caixa Econômica discutem renegociação de dívidas e Crédito Rural (15:30)
FAESC apoia campanha de proteção ao agronegócio catarinense (15:27)
SBSA 2020: em debate, a inovação e o futuro da avicultura (12:54)
Luiz Carlos Giongo assume a presidência do Nucleovet (12:50)
Suínos: exportações firmes elevam preço do suíno no Brasil (12:26)
Boi: apesar da queda de 36% em janeiro, embarques à china seguem elevados (12:25)
Abate de bovinos cai e o de suínos e frangos sobe no último trimestre (12:22)
Abate de bovinos cai 1,8% no 4º trimestre de 2019 ante o 4º tri de 2018, diz IBGE (12:11)
ABPA e Apex-Brasil levam 14 agroindústrias para a Gulfood 2020 (08:45)
Soja: otimismo diminui em Chicago nesta 5ª feira com anúncio de novas mortes pelo Corona; BR mantém foco no dólar (08:12)
Exportações do agronegócio totalizam US$ 5,8 bilhões em janeiro (08:07)
Suíno: preço da arroba permanece estável acima dos R$ 100 em SP (08:00)
Milho: 4ª feira termina com altas em Chicago e no Brasil (07:55)
Soja sobe forte no Brasil com dólar em recorde histórico e 4ª feira de altas em Chicago (07:50)
Quarta-Feira, 12/02
Adisseo apresenta pesquisa sobre micotoxinas em milho (14:49)
Mercado árabe é foco de ação de promoção da carne brasileira (12:24)
ABPA promove SIAVS durante IPPE 2020 (10:10)
Vai e vem da carne bovina no varejo (09:26)
BRDE reabre frigorífico em Umuarama (09:17)
Soja: mercado em Chicago mantém estabilidade nesta 4ª com foco nas relações China x EUA (09:10)
Estão abertas as inscrições online para o Congresso de Ovos 2020 (07:16)
PIB-Agro/CEPEA: Ramo pecuário cresce e mantém elevação do PIB (07:12)
Santa Catarina cria campanha de proteção ao agronegócio (07:07)
Suínos: dia de valorização nos preços (07:00)
MAPA prevê mais um recorde histórico para a safra de grãos: 251 milhões de toneladas (06:58)
Preços do milho brasileiro atingem maior patamar em 4 anos com demanda aquecida (06:57)
Soja no Brasil pode passar dos R$ 90 nos portos a partir do dia 15/02 (06:55)
USDA sobe safra de soja do Brasil para 125 mi de t e reduz estoques finais dos EUA; estoques de milho mantidos (06:50)