Domingo, 23 de Fevereiro de 2020
Exportação

"Nosso investimento deve ser feito na marca Brasil", diz presidente da ACAV
Florianópolis , 07 de Janeiro de 2020 - Após dois anos de crise em função da Operação Carne Fraca de março de 2017, que derrubou as exportações brasileiras da avicultura, o setor recuperou um pouco o espaço no cenário internacional em 2019 devido ao problema sanitário enfrentado pela China. Contudo, essa situação, que é passageira, não é motivo para o setor ampliar investimentos com foco no mercado internacional de baixos preços, alerta o presidente da Associação Catarinense de Avicultura (Acav), José Antônio Ribas Júnior.

Segundo ele, o investimento deve ser feito na marca Brasil porque o país detém as melhores condições para produzir frango de alto padrão. Em Santa Catarina, a carne de ave foi o principal produto de exportação novamente no ano passado, respondeu por 21,57% do total de receita e cresceu 2,12% frente ao ano anterior. O setor começa 2020 com cenário promissor porque o país seguirá como gigante na agropecuária, mas essa participação pode ser mais estratégica, sinaliza Ribas Júnior.

- Temos que olhar o longo prazo, entender a dinâmica deste mercado e saber exatamente o papel que queremos exercer no cenário mundial. Somos competitivos em custo, temos competências ambientais inquestionáveis, somos uma avicultura livre dos problemas sanitários que afetam nossos concorrentes e sabemos produzir com qualidade. Dados estes fatos, nosso investimento deve ser feito na marca Brasil e no valor agregado dos produtos – avalia o presidente da Acav.

Segundo ele, Santa Catarina e o país têm condições de oferecer um mix de maior valor agregado para os clientes mundiais. É preciso aumentar a rentabilidade e crescer em faturamento. O Brasil precisa de um crescimento sustentável e, para isso, é preciso uma estratégia produtiva de longo prazo.

- Temos que fazer aqui o melhor frango do mundo. Isso abre portas e gera retornos sustentáveis- defende ele.

A propósito, essa proposta de investir na marca Brasil é importante e deveria ser executada porque o país tem as condições necessárias para isso. Um passo importante é não fazer algo errado na sanidade, o que implica diretamente na qualidade. Outro, é destacar as condições naturais diferenciadas e também criar produtos de nicho. Essa estratégia de marketing de produto de origem dá certo e alguns exemplos de valorização são notórios no mundo: café de Colômbia, vinhos de Bordeaux e leite da Nova Zelândia. Aliás, o agronegócio oferece inúmeras oportunidades para o Brasil deixar de ser um país sem marcas fortes no mercado mundial.

Efeito China continua

A China enfrentou ano passado o surto de peste suína africana e também gripe aviária. Mesmo assim, conseguiu ampliar a sua produção de frangos e superou o Brasil entre os produtores globais, alcançando a segunda posição, atrás dos EUA. Mas como o consumidor chinês, ao invés de substituir a escassa carne suína por frango, optou por carne bovina, isso impediu um salto na demanda global de frango, o que não era esperado pela agroindústria brasileira.

Para Ribas Júnior, os problemas sanitários da China ainda vão impactar o mercado mundial de carnes neste ano e em 2021, mas depois não. Por isso os investimentos do agronegócio brasileiro devem ser pensados focando o longo prazo e qualidade, com o propósito de conseguir uma diferenciação.

Apoio do setor público

Embora se desenvolva com tecnologia, crescente produtividade e competitividade, o agronegócio é um setor que depende de ações e da parceria do setor público. Atualmente, segundo Ribas Júnior, o setor está satisfeito com a atuação da ministra da Agricultura, Teresa Cristina. Ela conhece e fala com o setor em alto nível e isso tem ajudado na conquista de novos mercados externos.

Apesar disso, o setor tem uma agenda interna a ser desenvolvida que inclui a modernização das normas e regulamentações, implementação de autocontrole, simplificações operacionais, melhorias logísticas e outras medidas.
(​NSC Total ) (Estela Benetti)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Domingo, 23/02
Sexta-Feira, 21/02
Unidade brasileira da Vetanco realiza Convenção de Vendas 2020 (15:07)
Cadeia de frango da China se abre em meio ao caos das medidas de vírus (13:58)
Frango: apesar da fraca demanda, custo de produção elevado faz com que avicultor aumente preço (13:40)
Cotações do milho no mercado físico tem perdido força (13:30)
Milho: cotações registram leves altas em Chicago (13:25)
Soja: à espera de novas compras da China, mercado em Chicago segue estável (13:22)
Programa Ovos RS promove curso de Boas Práticas de Fabricação para Fábricas de Ração (09:33)
Boi: preços de balcão em SP giram ao redor de R$200,00/@ (09:15)
Praticamente metade da safra do milho já está colhida no RS (08:38)
Surto de vírus não mudará compromissos da China de comprar produtos dos EUA (08:37)
CNA diz que MP do Agro dá mais alternativas de financiamento e simplifica acesso ao crédito (08:26)
Suíno: animal vivo segue valorizado nas principais praças (07:55)
Mercado do boi gordo está firme (07:53)
Oferta restrita dá sustentação ao mercado de carne bovina no atacado (07:52)
Milho fecha a 5ª feira desvalorizado em Chicago após encontro do USDA (07:51)
Soja mais barata no Brasil do que nos EUA pressiona Chicago mais uma vez (07:48)
Quinta-Feira, 20/02
Exportações de genética avícola decrescem em janeiro (11:03)
Suínos: poder de compra frente ao milho é o mais baixo desde Fev/19 (10:22)
Boi: abate cai no final de 2019 e confirma baixa oferta (10:21)
Milho: Vendedores tem mostrado interesse em negociar, enquanto o comprador se abastece para os próximos dias (09:20)
Boi: A queda das cotações no mercado atacadista influenciou as tentativas de compra (09:16)
Vetanco participa do Show Rural Coopavel 2020 (09:01)
Milho abre a 5ª feira com baixas em Chicago à espera de números do USDA (09:00)
Soja recua em Chicago nesta 5ª feira (08:00)
Suíno: cotações estáveis em São Paulo; animal vivo segue valorizado nas principais praças produtoras (07:16)
APA divulga programa definitivo do Congresso de Ovos 2020 (07:01)
CNA discute impactos da reforma tributária para o Agro (06:59)
Pouco boi provoca alta significativa no Norte do país (06:55)
Milho cai em Chicago nesta 4ª feira (06:51)
Poucos negócios novos com a soja brasileira (06:48)
Quarta-Feira, 19/02
Katayama Alimentos é a primeira indústria brasileira a produzir ovos em grande escala com o “Certificado Ovos Livres de Antibióticos” (14:38)
Avicultores conferem as tendências dos mercados de grãos e ovos no primeiro Qualificaves de 2020 (14:34)
Milho: aos poucos os vendedores tem ofertado mais volumes (10:36)
China garantirá mais fornecimento de aves em meio a epidemia (10:30)
ABPA vai propor criação de sistema de prevenção à gripe aviária no Cone Sul (10:01)
Tocantins registrou a maior alta para o boi gordo em fevereiro (09:32)
Milho abre a quarta-feira levemente em queda na Bolsa de Chicago (08:45)
Soja em Chicago segue caminhando de lado nesta 4ª feira, Brasil ainda tem preços firmes (08:30)
Embarque da China para Brasil cai 50% (08:07)
Suíno: cotações seguem subindo (07:14)
China alerta para impacto do coronavírus sobre suprimento de frango e ovos (07:12)
Turra projeta crescimento na produção de carne suína e de frangos (07:10)
Milho sobe em Chicago nesta terça-feira (07:05)
Isenção tarifária e a redução dos fretes marítimos abrem portas para demanda chinesa sobre a soja americana (07:00)
Terça-Feira, 18/02
ABPA apoia VI AVISULAT 2020 (14:46)
APA e CDA dão oportunidade de treinamento para a habilitação de emissão de GTA durante o Congresso de Ovos (12:38)
Milho abre a 3ª feira com altas em Chicago após feriado americano (09:25)
Brasil quer criar bloco continental para defesa sanitária (08:28)
Suíno: São Paulo começa a semana com aumento no preço da arroba suína (08:18)
Soja: mercado opera em alta na Bolsa de Chicago com volta do feriado dos EUA (08:15)
Sem movimentações em Chicago, milho sobe na B3 nesta 2ª feira (08:12)
Disponibilidade ainda limitada de soja no Brasil provoca altas comedidas nos fretes (08:00)
IPPA/CEPEA: índice inicia 2020 em queda (07:50)