Segunda-feira, 06 de Julho de 2020
Mercado

Mercado Futuro do boi teve mais um dia de paralisação dos negócios por limite de alta

Pecuaristas retraem as vendas diante de um mercado que registra altas significativas num mesmo dia.
Campinas, SP, 19 de Novembro de 2019 - Na Bolsa Brasileira (B3), as negociações futuras estão paradas em função dos contratos terem atingido um novo limite de alta. No caso do mercado físico, os pecuaristas estão cautelosos para fechar novos contratos devido as valorizações significativas dos últimos dias.

Segundo o Consultor em Gerenciamento de Riscos da INTL FCStone, Caio Toledo Godoy, na semana passada esse fato ocorreu e logo em seguida os preços recuaram na sessão da última quinta-feira. “Todos querem comprar, mas ninguém quer vender. Quando essas movimentações são muito fortes e rápidas a bolsa de valores para e esperar o animo acalmar”, comenta.

Um dos fatores que tem motivado as indústrias a buscaram por animais com mais afinco é a demanda interna que começou a melhorar. “Esse movimento é um primeiro ponto a ser destacado, já que temos uma melhora da economia e a época do ano que estamos com as festas do final de ano”, destaca.

O segundo ponto é o fator externo com as exportações chinesas aquecidas e a questão cambial.“A questão do dólar elevado deixa a carne brasileira competitiva internacionalmente e o apetite chinês que parece não ter fim, na qual está contribuindo para as exportações”, ressalta.

Do lado da oferta, o consultor destaca que é preciso levar em consideração que alguns pecuaristas estão retraindo as vendas diante das altas expressivas no mercado. “Tem uma redução da oferta de animais, mas está sendo agravada com pecuaristas cautelosos para negociar. Por isso, o boi de R$ 200,00/@ já uma realidade no Brasil e está vindo para ficar por um bom tempo”, informa Godoy.
(Notícias Agrícolas) (Redação)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Segunda-Feira, 06/07
Hisex apresenta novo gestor da linhagem de poedeiras (17:33)
China suspende exportações de mais duas unidades brasileiras (09:47)
Terceirização em frigoríficos da Alemanha na berlinda (09:45)
Ovos/CEPEA: cotações encerram junho em queda (09:43)
Milho/CEPEA: movimento de alta continua, e indicador se aproxima dos R$50/sc (09:41)
Soja sobe forte nesta 2ª feira (08:28)
JBS recebe aval para reabrir unidade de Passo Fundo após surto de Covid-19 (07:28)
Saúde pública JBS recebe aval para reabrir unidade de Passo Fundo após surto de Covid-19 (07:25)
Sexta-Feira, 03/07
China absorve 10% de toda carne bovina produzida no Brasil (08:46)
Frangos, pintainhos e até ovos: caminhoneiro conta como carrega carga viva (08:44)
Inspeções na China devem atrasar fluxo nos portos (08:43)
Quinta-Feira, 02/07
Suínos: cotações encerram junho em alta (09:35)
Boi: vantagem da carne sobre boi se reduz em junho (09:30)
Milho fecha 1º dia do mês subindo no mercado brasileiro (07:37)
Apesar de safra recorde de soja, país deve fechar ano com menor estoque da história (07:27)
Soja: Brasil fecha semestre com embarques de mais de 63 mi de t, 43% a mais na comparação anual (07:19)
Quarta-Feira, 01/07
Plano Safra 2020/2021 entra em vigor nesta 4ª feira (09:52)
Frigoríficos: Paim quer anular portarias com medidas de prevenção que ele considera ineficazes (09:45)
Surpresa no relatório de área plantada eleva preços de soja e milho em Chicago (08:00)
Terça-Feira, 30/06
Mato Grosso já colheu 31,56% da segunda safra de milho; preços caíram 17% no mês (09:18)
O uso de imunomoduladores e betaglucanos nas aves é tema do novo episódio do podcast da FACTA (09:01)
China suspende importações de carne de três frigoríficos brasileiros devido à Covid-19 (06:26)