Segunda-feira, 17 de Fevereiro de 2020
Empresas

BRF teve lucro líquido de R$ 293,9 milhões no 3º trimestre
São Paulo, SP, 08 de Novembro de 2019 - Impulsionada pela recuperação dos preços das carnes de frango e suína nos mercados doméstico e internacional, a BRF reportou hoje um lucro líquido (atribuído aos sócios da controladora) de R$ 293,9 milhões no terceiro trimestre.

Trata-se de um desempenho bastante superior ao registrado no mesmo intervalo de 2018, quando a dona das marcas Sadia e Perdigão teve um prejuízo de R$ 798,9 milhões. No ano passado, a BRF sofria com efeitos da excesso de oferta de carne de frango e do embargo da União Europeia, que vetou os produtos da empresa depois da terceira fase da Operação Carne Fraca.

Nesse cenário de retomada, a BRF teve uma receita líquida de R$ 8,5 bilhões no terceiro trimestre, aumento de 8,4% na comparação com os R$ 7,8 bilhões do mesmo período do ano passado. No Brasil, a receita líquida aumentou 6,3%, totalizando R$ 4,4 bilhões.

Na mesma base de comparação, o preço médio dos produtos vendidos pela BRF em todo o mundo aumentou 10%. Em contrapartida, o volume vendido globalmente caiu 1,4%. No Brasil, principal mercado da companhia, a queda do volume comercializado foi de 1,7%. O preço médio dos produtos da Sadia e Perdigão no mercado nacional aumentou 8,1%.

Com a redução do volume vendido no país, a BRF voltou a perder participação no mercado brasileiro. De acordo com dados da consultoria Nielsen, a participação de mercado consolidada da empresa no país atingiu 43,3%, ante 44,2% no segundo trimestre.

É a menor participação de mercado da BRF em pelo menos dois anos, o que indica o desafio da empresa de manter a fatia de mercado em momentos de reajustes de preços. Essa dificuldade já havia aparecido na gestão de Pedro Faria — na era Abilio Diniz.

Em termos de rentabilidade, porém, o aumento dos preços teve resultados. No terceiro trimestre, o lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda, na sigla em inglês) ajustado da BRF totalizou R$ 1,6 bilhão, incremento de 178,1% ante os R$ 579 milhões do mesmo período do ano passado. Excluindo os ganhos com ICMS, que não devem se repetir em 2020, o Ebitda ajustado quase dobrou, atingindo R$ 1,1 bilhão.

A margem Ebitda ajustada atingiu 19% no terceiro trimestre, aumento de 11,6 pontos percentuais na comparação anual. Sem os ganhos de ICMS, a margem aumentou 6,1 pontos, atingindo 13,5% no terceiro trimestre. Na comparação com o segundo trimestre, porém, a margem Ebitda ajustada piorou. Entre março e junho, esse indicador alcançou 14,6%.

Financeiramente, a melhora dos resultados — o grupo gerou R$ 1,3 bilhão em caixa livre no trimestre — ajudou a BRF a reduzir rapidamente o índice de alavancagem. A relação entre o Ebitda ajustado e a dívida líquida da companhia encerrou o terceiro trimestre em 2,9 vezes, ante 3,74 vezes no fim de junho deste ano. Para o fim de 2019, a companhia prevê que o índice de alavancagem atinja 2,75 vezes, o que significa uma melhora ante a meta anterior. Até agosto, a companhia tinha como meta fechar o ano com 3,15 vezes.

Em comunicado assinado pelo presidente-executivo Lorival Luz, a BRF argumentou que, mesmo sem o efeito positivo do IFRS16 — norma que mudou o tratamento contábil sobre os arrendamento, aumentando o Ebitda da BRF ao reduzir despesas operacionais —, o índice de alavancagem teria atingido 3,21 vezes, ante 6,74 vezes de um ano atrás. A empresa não divulgou o cálculo combinado da alavancagem sem os ganhos de ICMS e o IFRS16.

No fim de setembro, a dívida bruta da BRF somava R$ 21,4 bilhões, redução de 5,4% na comparação anual. A companhia não considera em seus cálculos de dívida o IFRS16, que neste caso teria efeito negativo, já que os arrendamentos contariam como dívidas.
(Valor) (Luiz Henrique Mendes)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Segunda-Feira, 17/02
Sexta-Feira, 14/02
Sasso e Gramado Avicultura estabelecem parceria (12:29)
Agroqualitá realiza curso sobre HACCP para fábricas de ração em Chapecó (12:01)
Programa Ovos RS apresenta resultados ao Serviço Oficial (11:59)
Frango: valorização das concorrentes eleva competitividade da carne de frango (11:48)
Suíno: estabilidade nos preços nesta quinta-feira (06:24)
Valor da Produção Agropecuária para 2020 é estimado em R$ 674,10 bilhões (06:22)
Produção de ovos sobe 4,3% no 4º tri de 2019 ante 4º tri de 2018, diz IBGE (06:21)
Depois de pagar R$ 205,00/@ em SP, frigoríficos alongam escalas e reduzem ritmo de compras (06:18)
Milho fecha com mais de 1% de alta nesta 5ª feira (06:17)
Soja sobe até 2,6% no interior do Brasil com demanda e dólar ainda forte frente ao real (06:15)
CNA vai mostrar que tabelamento obrigatório do frete prejudica o setor (06:06)
Quinta-Feira, 13/02
CNA e Caixa Econômica discutem renegociação de dívidas e Crédito Rural (15:30)
FAESC apoia campanha de proteção ao agronegócio catarinense (15:27)
SBSA 2020: em debate, a inovação e o futuro da avicultura (12:54)
Luiz Carlos Giongo assume a presidência do Nucleovet (12:50)
Suínos: exportações firmes elevam preço do suíno no Brasil (12:26)
Boi: apesar da queda de 36% em janeiro, embarques à china seguem elevados (12:25)
Abate de bovinos cai e o de suínos e frangos sobe no último trimestre (12:22)
Abate de bovinos cai 1,8% no 4º trimestre de 2019 ante o 4º tri de 2018, diz IBGE (12:11)
ABPA e Apex-Brasil levam 14 agroindústrias para a Gulfood 2020 (08:45)
Soja: otimismo diminui em Chicago nesta 5ª feira com anúncio de novas mortes pelo Corona; BR mantém foco no dólar (08:12)
Exportações do agronegócio totalizam US$ 5,8 bilhões em janeiro (08:07)
Suíno: preço da arroba permanece estável acima dos R$ 100 em SP (08:00)
Milho: 4ª feira termina com altas em Chicago e no Brasil (07:55)
Soja sobe forte no Brasil com dólar em recorde histórico e 4ª feira de altas em Chicago (07:50)
Quarta-Feira, 12/02
Adisseo apresenta pesquisa sobre micotoxinas em milho (14:49)
Mercado árabe é foco de ação de promoção da carne brasileira (12:24)
ABPA promove SIAVS durante IPPE 2020 (10:10)
Vai e vem da carne bovina no varejo (09:26)
BRDE reabre frigorífico em Umuarama (09:17)
Soja: mercado em Chicago mantém estabilidade nesta 4ª com foco nas relações China x EUA (09:10)
Estão abertas as inscrições online para o Congresso de Ovos 2020 (07:16)
PIB-Agro/CEPEA: Ramo pecuário cresce e mantém elevação do PIB (07:12)
Santa Catarina cria campanha de proteção ao agronegócio (07:07)
Suínos: dia de valorização nos preços (07:00)
MAPA prevê mais um recorde histórico para a safra de grãos: 251 milhões de toneladas (06:58)
Preços do milho brasileiro atingem maior patamar em 4 anos com demanda aquecida (06:57)
Soja no Brasil pode passar dos R$ 90 nos portos a partir do dia 15/02 (06:55)
USDA sobe safra de soja do Brasil para 125 mi de t e reduz estoques finais dos EUA; estoques de milho mantidos (06:50)
Terça-Feira, 11/02
Milho: ofertas do cereal ficaram mais restritas nos últimos dias no mercado paulista (14:43)
Boi: chuvas reforçam o poder de retenção do pecuarista (14:41)
Preço do ovo subiu 24,2% em uma semana nas granjas em São Paulo (12:28)
Soja caminha de lado na Bolsa de Chicago nesta 3ª feira (12:24)
PIB do agronegócio cresce 2,4% de janeiro a novembro de 2019 (12:22)
Conab apresenta novo recorde de grãos que chega a 251 milhões de toneladas (09:19)
Campanha na Europa defende a cobrança de nova taxa sobre carnes (08:59)
Ministério da Agricultura cria o ‘Núcleo China’ (08:52)
Desempenho do crédito rural na atual safra atinge R$ 116,7 bilhões em sete meses (08:38)
Suíno: semana começa com cotações positivas (07:08)
Alta demanda interna de ovos diminui exportações em janeiro (07:07)
Boi Gordo: cotação da arroba sobe em quinze praças pecuárias (07:04)
Milho: mercado tem altas pontuais no interior do Brasil de até 2,5% nesta 2ª feira (07:00)
Soja: preços no Brasil tem até R$ 1,50 a mais por saca com pequenas altas da CBOT e do dólar (06:58)
USDA pode reduzir estoques finais dos EUA e aumentar safra de soja do Brasil (06:55)