Segunda-feira, 06 de Julho de 2020
Exportação

Tereza Cristina: “Podemos oferecer muito mais do que soja e carne para China”

Ministra reforça aos chineses as boas perspectivas para investimento no agronegócio brasileiro.
Brasília, DF, 25 de Outubro de 2019 - Ao participar de seminário sobre agronegócio e o comércio agrícola entre Brasil e China, em Pequim, a ministra Tereza Cristina (Agricultura, Pecuária e Abastecimento) destacou nesta sexta-feira (25) que as exportações ao mercado chinês estão concentradas em soja e carne, e os produtores brasileiros têm mais a oferecer ao país asiático.

Em 2018, a China comprou mais de US$ 31 bilhões em produtos agropecuários do Brasil, volume 70% superior ao registrado em 2015. Do total exportado, quase 88% foram de soja em grão. Em segundo lugar, aparece carne bovina, com apenas 4,7%. A soja e as carnes (bovina, frango e suína) concentram 96% dos produtos agropecuários vendidos aos chineses.

“Queremos continuar como o principal fornecedor de alimentos para a China, mas podemos oferecer muito mais do que soja e carnes”, disse a ministra no seminário, promovido pela Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (ApexBrasil).

“Considerando a diversidade da agropecuária do Brasil e os US$ 140 bilhões em produtos agrícolas importados pela China de todo o mundo, vemos claramente que há muito espaço para ampliação das nossas relações comerciais, não apenas em volume, mas também em variedade”.

A ministra voltou a ressaltar que o Brasil é um dos poucos países com capacidade de expandir a oferta de alimentos aliada à sustentabilidade. “O Brasil é o terceiro maior produtor de alimentos do mundo e ao mesmo tempo possui 66,3% do seu território coberto por vegetação nativa. Isso só é possível porque o produtor brasileiro produz ao mesmo tempo em que preserva”, afirmou.

De acordo com Tereza Cristina, o uso de videoconferências para discussão entre as equipes técnicas chinesas e brasileiras agilizou os processos, como inspeção sanitária. Porém, segundo a ministra, “precisamos continuar buscando soluções inovadoras que tornem a comunicação ainda mais fluida e gerem resultados concretos de grande impacto”.

Investimentos

Aos empresários chineses, Tereza Cristina apontou diversas oportunidades de investimentos na cadeia produtiva da agropecuária: insumos, maquinário, produção, processamento, estocagem, distribuição, transporte, pesquisa e inovação no campo.

“O crescimento exponencial do setor agropecuários nas últimas décadas, que colocou o Brasil entre os líderes mundiais do setor, foi fruto do casamento bem-sucedido entre recursos naturais abundantes, pesquisa científica de ponta e empreendedorismo dos agricultores”.

De 2013 a 2018, os chineses investiram cerca de US$ 69,2 bilhões no Brasil, principalmente no setor energético. "Queremos que o agro também se torne um setor prioritário para o investidor chinês", acrescentou.

Além da alta produtividade do agro, a ministra destacou que o agro é um bom investimento, pois o Brasil detém um mercado interno com 210 milhões de consumidores e tem acesso a mais de 55 milhões de pessoas que vivem nos países vizinhos.

O número de consumidores de produtos brasileiros deve crescer ainda mais nos próximos anos, em razão dos acordos comerciais Mercosul-União Europeia e com o EFTA (bloco integrado por Suíça, Noruega, Islândia e Liechtenstein). Os dois blocos, juntos, somam 510 milhões de consumidores.

“A conclusão desses dois acordos é um sinal claro à comunidade internacional de que o Brasil está aberto ao mundo, em prol do livre comércio”, disse.

Ela reforçou que o compromisso do governo federal é fomentar ambiente de negócios saudável, simplificar a burocracia, facilitar o acesso ao crédito e melhorar a infraestrutura para o produtor rural.

“O Brasil tem a China como parceiro estratégico e da maior importância. Estou certa que, ao trabalharmos cada vez mais juntos, colheremos os frutos do aprofundamento dessa relação em benefício de ambos os nossos povos”.

De acordo com a ministra, a prioridade do governo é melhorar a economia, por meio de uma agenda de micro e macro reformas, como a da Previdência, recentemente aprovada pelo Congresso Nacional.
(MAPA) (Assessoria de Imprensa)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Segunda-Feira, 06/07
Hisex apresenta novo gestor da linhagem de poedeiras (17:33)
China suspende exportações de mais duas unidades brasileiras (09:47)
Terceirização em frigoríficos da Alemanha na berlinda (09:45)
Ovos/CEPEA: cotações encerram junho em queda (09:43)
Milho/CEPEA: movimento de alta continua, e indicador se aproxima dos R$50/sc (09:41)
Soja sobe forte nesta 2ª feira (08:28)
JBS recebe aval para reabrir unidade de Passo Fundo após surto de Covid-19 (07:28)
Saúde pública JBS recebe aval para reabrir unidade de Passo Fundo após surto de Covid-19 (07:25)
Sexta-Feira, 03/07
China absorve 10% de toda carne bovina produzida no Brasil (08:46)
Frangos, pintainhos e até ovos: caminhoneiro conta como carrega carga viva (08:44)
Inspeções na China devem atrasar fluxo nos portos (08:43)
Quinta-Feira, 02/07
Suínos: cotações encerram junho em alta (09:35)
Boi: vantagem da carne sobre boi se reduz em junho (09:30)
Milho fecha 1º dia do mês subindo no mercado brasileiro (07:37)
Apesar de safra recorde de soja, país deve fechar ano com menor estoque da história (07:27)
Soja: Brasil fecha semestre com embarques de mais de 63 mi de t, 43% a mais na comparação anual (07:19)
Quarta-Feira, 01/07
Plano Safra 2020/2021 entra em vigor nesta 4ª feira (09:52)
Frigoríficos: Paim quer anular portarias com medidas de prevenção que ele considera ineficazes (09:45)
Surpresa no relatório de área plantada eleva preços de soja e milho em Chicago (08:00)
Terça-Feira, 30/06
Mato Grosso já colheu 31,56% da segunda safra de milho; preços caíram 17% no mês (09:18)
O uso de imunomoduladores e betaglucanos nas aves é tema do novo episódio do podcast da FACTA (09:01)
China suspende importações de carne de três frigoríficos brasileiros devido à Covid-19 (06:26)