Segunda-feira, 06 de Julho de 2020
Matérias-Primas

Milho: terça-feira encerra mercado com quedas na Bolsa de Chicago
Campinas, SP, 16 de Outubro de 2019 - A cotação do milho futuro fechou com quedas na Bolsa de Chicago (CBOT) nesta terça-feira (15). As principais cotações encerraram as movimentações com quedas entre 0,75 e 4,50 pontos.

O contrato com vencimento em dezembro/2019 foi cotado à US$ 3,93 com queda de 4,50 pontos, março/20 registrou queda de 3,25 pontos e estava cotado por US$ 4,40. Mayo/20 foi cotado à US$ 4,10 com queda de 2,00 pontos e julho/20 teve queda de 0,75 pontos sendo cotado por US$ 4,15.

Segundo o site americano Farm Futures, o mercado do milho futuro teve cortes moderados, com algumas vendas técnicas estimuladas por mais uma rodada de dados de inspeção de exportação do USDA.

"As ofertas de base de milho foram praticamente constantes na terça-feira, mas ocorreram duas grandes oscilações depois de subir 13 centavos acima no terminal do rio Iowa, mas cair 10 centavos abaixo no processador de Iowa ontem. As vendas dos agricultores foram relativamente lentas no geral", afirma.

Nesta terça-feira o USDA divulgou os novos números dos embarques semanais de grãos norte-americanos. De milho, os embarques semanais somaram 470,612 mil toneladas, enquanto as projeções do mercado variavam de 380 mil e 690 mil toneladas. Na temporada, os EUA já embarcaram 2.496,284 milhões de toneladas, muito abaixo do registrado no mesmo período de 2018, quando os embarques somavam 6,92 milhões de toneladas.

Mercado interno

No mercado físico brasileiro, a terça-feira (15) registrou cotações sem variações em sua maioria. As maiores altas foram registradas em Sorriso/MT (disponível) com 6,72% de variação e preço por R$ 27,00. Também em Sorriso/MT a cotação do milho balcão teve alta de 10% e preço por R$ 22,00.

Jataí/GO registrou alta de 1,56% e preço por R$ 32,50. Rio Verde/GO registrou os mesmos números. Brasília/DF teve alta de 6,45% e preço por R$ 33,00. Dourados/MS registrou alta de 1,54% e preço por R$ 33,00. Em Campinas/SP a alta foi de 1,16% e o preço estabelecido em R$ 42,85.

Em seu reporte diário, a XP Investimentos afirmou que os produtores seguem reajustando as pedidas pelos grãos no mercado local, de olho em Chicago e no avanço do dólar frente ao real.

"O fluxo de comercialização é baixo e, assim, as ofertas demoram se consolidar em altas expressivas. Lá fora, os preços encontram suporte na piora do clima no Cinturão Agrícola norte americano, com queda intensa de temperatura e dos possíveis estresses climáticos decorrentes. Os avanços recentes, inclusive, dão firmeza as referências nos portos brasileiros", afirma a XP.
(Notícias Agrícolas) (Virgínia Alves)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Segunda-Feira, 06/07
Sexta-Feira, 03/07
China absorve 10% de toda carne bovina produzida no Brasil (08:46)
Frangos, pintainhos e até ovos: caminhoneiro conta como carrega carga viva (08:44)
Inspeções na China devem atrasar fluxo nos portos (08:43)
Quinta-Feira, 02/07
Suínos: cotações encerram junho em alta (09:35)
Boi: vantagem da carne sobre boi se reduz em junho (09:30)
Milho fecha 1º dia do mês subindo no mercado brasileiro (07:37)
Apesar de safra recorde de soja, país deve fechar ano com menor estoque da história (07:27)
Soja: Brasil fecha semestre com embarques de mais de 63 mi de t, 43% a mais na comparação anual (07:19)
Quarta-Feira, 01/07
Plano Safra 2020/2021 entra em vigor nesta 4ª feira (09:52)
Frigoríficos: Paim quer anular portarias com medidas de prevenção que ele considera ineficazes (09:45)
Surpresa no relatório de área plantada eleva preços de soja e milho em Chicago (08:00)
Terça-Feira, 30/06
Mato Grosso já colheu 31,56% da segunda safra de milho; preços caíram 17% no mês (09:18)
O uso de imunomoduladores e betaglucanos nas aves é tema do novo episódio do podcast da FACTA (09:01)
China suspende importações de carne de três frigoríficos brasileiros devido à Covid-19 (06:26)