Quinta-feira, 20 de Fevereiro de 2020
Mercado Externo

China condiciona compras agrícolas à redução de tarifas dos EUA

Veto chinês ao frango norte-americano pode cair por terra
São Paulo, 16 de Outubro de 2019 - Pequim quer que as tarifas em sua guerra comercial com os Estados Unidos sejam reduzidas antes de a China concordar em comprar até US$ 50 bilhões em produtos agrícolas norte-americanos que, segundo o presidente Donald Trump, fazem parte de um acordo inicial, disseram pessoas a par do assunto.

As autoridades chinesas estão dispostas a começar a comprar mais produtos agrícolas dos EUA como parte da “primeira fase” do acordo comercial. Mas essas compras não devem ficar na faixa entre US$ 40 bilhões e US$ 50 bilhões anunciados por Trump nas circunstâncias atuais, disseram as pessoas, que falaram sob a condição de anonimato.

A condição destaca a distância entre Washington e Pequim, mesmo depois do acordo de “aperto de mão” anunciado pelos EUA na semana passada. Washington havia dito que a China, que importou cerca de US$ 20 bilhões em produtos agrícolas dos EUA em 2017, concordou em fazer grandes compras agrícolas em troca de um alívio nas próximas tarifas. A posição de Pequim torna um acordo mais complexo do que o inicialmente descrito.

Sob os termos do acordo comercial parcial, os gastos chineses em produtos agrícolas dos EUA devem somar um valor anual entre US$ 40 bilhões e US$ 50 bilhões em dois anos, segundo informação anterior do secretário do Tesouro dos EUA, Steven Mnuchin.

Pequim já concedeu isenções para que suas empresas possam comprar produtos agrícolas dos EUA sem pagar tarifas. Isso poderia ser repetido para iniciar as compras, disseram as pessoas. No entanto, as isenções são consideradas impraticáveis para volumes de até US$ 50 bilhões por ano, disse uma das pessoas.

As empresas chinesas compraram produtos agrícolas dos EUA, incluindo 20 milhões de toneladas de soja e 700 mil toneladas de carne suína até agora este ano e vão acelerar as compras, disse o porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Geng Shuang, a repórteres na terça-feira.

Questionado sobre o acordo comercial da “primeira fase”, ele afirmou que o governo americano foi “preciso” sobre o que disse, e que EUA e China têm o mesmo entendimento sobre a situação.

Os dois lados trabalham para que um acordo possa ser assinado na cúpula de Cooperação Econômica da Ásia-Pacífico no próximo mês, no Chile. A China quer novas reuniões até o final de outubro para acertar os detalhes, disseram outras pessoas a par do assunto anteriormente.

A China está considerando comprar uma ampla variedade de itens para aumentar as importações, o que inclui soja, cereais, algodão, etanol, fertilizantes, suco, café e carne, disseram as pessoas. Também pode eliminar barreiras aos grãos secos de destiladores e a proibição de importação de frango.

Máquinas, madeira e pesticidas também podem ser adicionados, disseram as fontes. Essas compras somariam mais de US$ 40 bilhões, mas, segundo as pessoas, a China não decidiu valores específicos para os itens.

O Ministério do Comércio da China não respondeu imediatamente a um fax solicitando comentários sobre possíveis compras agrícolas dos EUA.
(Exame ) (Redação)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Quinta-Feira, 20/02
Exportações de genética avícola decrescem em janeiro (11:03)
Suínos: poder de compra frente ao milho é o mais baixo desde Fev/19 (10:22)
Boi: abate cai no final de 2019 e confirma baixa oferta (10:21)
Milho: Vendedores tem mostrado interesse em negociar, enquanto o comprador se abastece para os próximos dias (09:20)
Boi: A queda das cotações no mercado atacadista influenciou as tentativas de compra (09:16)
Vetanco participa do Show Rural Coopavel 2020 (09:01)
Milho abre a 5ª feira com baixas em Chicago à espera de números do USDA (09:00)
Soja recua em Chicago nesta 5ª feira (08:00)
Suíno: cotações estáveis em São Paulo; animal vivo segue valorizado nas principais praças produtoras (07:16)
APA divulga programa definitivo do Congresso de Ovos 2020 (07:01)
CNA discute impactos da reforma tributária para o Agro (06:59)
Pouco boi provoca alta significativa no Norte do país (06:55)
Milho cai em Chicago nesta 4ª feira (06:51)
Poucos negócios novos com a soja brasileira (06:48)
Quarta-Feira, 19/02
Katayama Alimentos é a primeira indústria brasileira a produzir ovos em grande escala com o “Certificado Ovos Livres de Antibióticos” (14:38)
Avicultores conferem as tendências dos mercados de grãos e ovos no primeiro Qualificaves de 2020 (14:34)
Milho: aos poucos os vendedores tem ofertado mais volumes (10:36)
China garantirá mais fornecimento de aves em meio a epidemia (10:30)
ABPA vai propor criação de sistema de prevenção à gripe aviária no Cone Sul (10:01)
Tocantins registrou a maior alta para o boi gordo em fevereiro (09:32)
Milho abre a quarta-feira levemente em queda na Bolsa de Chicago (08:45)
Soja em Chicago segue caminhando de lado nesta 4ª feira, Brasil ainda tem preços firmes (08:30)
Embarque da China para Brasil cai 50% (08:07)
Suíno: cotações seguem subindo (07:14)
China alerta para impacto do coronavírus sobre suprimento de frango e ovos (07:12)
Turra projeta crescimento na produção de carne suína e de frangos (07:10)
Milho sobe em Chicago nesta terça-feira (07:05)
Isenção tarifária e a redução dos fretes marítimos abrem portas para demanda chinesa sobre a soja americana (07:00)
Terça-Feira, 18/02
ABPA apoia VI AVISULAT 2020 (14:46)
APA e CDA dão oportunidade de treinamento para a habilitação de emissão de GTA durante o Congresso de Ovos (12:38)
Milho abre a 3ª feira com altas em Chicago após feriado americano (09:25)
Brasil quer criar bloco continental para defesa sanitária (08:28)
Suíno: São Paulo começa a semana com aumento no preço da arroba suína (08:18)
Soja: mercado opera em alta na Bolsa de Chicago com volta do feriado dos EUA (08:15)
Sem movimentações em Chicago, milho sobe na B3 nesta 2ª feira (08:12)
Disponibilidade ainda limitada de soja no Brasil provoca altas comedidas nos fretes (08:00)
IPPA/CEPEA: índice inicia 2020 em queda (07:50)
Segunda-Feira, 17/02
VBP terá valor recorde em 2020 (11:06)
Milho: as cotações do milho subiram de maneira nítida em todo país (10:32)
Boi: a semana anterior foi de valorização dos preços de balcão (10:27)
Ovos: preços seguem em alta; diferença entre brancos e vermelhos é a maior em 10 meses (09:25)
Milho: cotações voltam a subir na maioria das regiões acompanhadas pelo Cepea (09:15)
Soja: aumento da oferta e dólar forte elevam liquidez no Brasil; preços sobem (09:00)
Suínos: preço do animal vivo mostra reação; produtor independente vê cotações subirem (08:06)
China anuncia retirada de proibição de importação de frango dos EUA (08:04)
Milho tem semana de preços firmes no mercado brasileiro (08:00)
Soja fecha semana com sustentação dos preços no Brasil (07:55)
Sexta-Feira, 14/02
Sasso e Gramado Avicultura estabelecem parceria (12:29)
Agroqualitá realiza curso sobre HACCP para fábricas de ração em Chapecó (12:01)
Programa Ovos RS apresenta resultados ao Serviço Oficial (11:59)
Frango: valorização das concorrentes eleva competitividade da carne de frango (11:48)
Suíno: estabilidade nos preços nesta quinta-feira (06:24)
Valor da Produção Agropecuária para 2020 é estimado em R$ 674,10 bilhões (06:22)
Produção de ovos sobe 4,3% no 4º tri de 2019 ante 4º tri de 2018, diz IBGE (06:21)
Depois de pagar R$ 205,00/@ em SP, frigoríficos alongam escalas e reduzem ritmo de compras (06:18)
Milho fecha com mais de 1% de alta nesta 5ª feira (06:17)
Soja sobe até 2,6% no interior do Brasil com demanda e dólar ainda forte frente ao real (06:15)
CNA vai mostrar que tabelamento obrigatório do frete prejudica o setor (06:06)