Domingo, 05 de Julho de 2020
Matérias-Primas

Milho: Bolsa de Chicago cai até 1,60% nesta terça-feira
Campinas, SP, 18 de Setembro de 2019 - A terça-feira (17) chegou ao final com desvalorizações para os preços internacionais do milho futuro na Bolsa de Chicago (CBOT). As principais cotações registraram baixas entre 6,00 e 6,25 pontos.

O vencimento dezembro/19 foi cotado à US$ 3,68 com queda de 6 pontos, o março/20 valeu US$ 3,80 com perda de 6 pontos, o maio/20 foi negociado por US$ 3,88 com desvalorização de 6,25 pontos e o julho/20 teve valor de US$ 3,95 com baixa de 6,25 pontos.

Esses índices representaram valorizações, com relação ao fechamento da última segunda-feira, de 1,60% para o dezembro/19, 1,55% no março/20, de 1,52% para o maio/20 e de 1,50% para o julho/20.

Segundo informações da Agência Reuters, os futuros de milho nos Estados Unidos caíram na terça-feira pela primeira vez em quatro sessões em condições de cultivo melhores do que o esperado e à medida que os preços do petróleo, que alimentavam o comício da sessão anterior, recuavam.

“Ontem ficamos muito entusiasmados com os preços do petróleo subindo ao redor do mundo. Hoje, com o relaxamento do petróleo, nosso foco está de volta à colheita”, disse Don Roose, presidente da US Commodities em West Des Moines, Iowa.

O USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) disse na segunda-feira que 55% do milho dos EUA estava em condições de bom a excelente, acima das expectativas dos analistas de 54%. “A colheita também está em andamento”, destaca o analista de grãos Ben Potter.

Mercado interno

No mercado físico brasileiro, a terça-feira registrou cotações permanecendo sem movimentações, em sua maioria. Em levantamento realizado pela equipe do Notícias Agrícolas, as únicas desvalorizações registradas aconteceram em São Gabriel do Oeste/MS (1,79% e preço de R$ 27,50), Alto Garças/MT (3,70% e preço de R$ 26,00), Itiquira/MT, Rondonópolis/MT e Primavera do Leste/MT (3,85% e preço de R$ 25,00).

Já as valorizações foram percebidas nas praças do Oeste da Bahia (0,79% e preço de R$ 32,00), Campinas/SP (1,32% e preço de R$ 38,42), Palma Sola/SC (1,54% e preço de R$ 33,00), Pato Branco/PR (1,74% e preço de R$ 29,20), Londrina/PR, Cascavel/PR e Ubiratã/PR (1,82% e preço de R$ 28,00), Tangará da Serra/MT (1,92% e preço de R$ 26,50) e Campo Novo do Parecis/MT (2,04% e preço de R$ 25,00).

A XP Investimentos divulgou nota apontando que, a dinâmica do mercado físico de milho permanece inalterada há quase um mês.

“De maneira geral, o fluxo de comercialização é baixo e compradores/vendedores vão se testando em preço. Nenhuma das partes possui um grande interesse/necessidade de concretizar os negócios e, assim, a comercialização em nível Brasil para. Importante citar que boa parte desses agentes acompanham fielmente as referências de Chicago e a taxa de câmbio para proxy de preço externo”.
(Notícias Agrícolas) (Guilherme Dorigatti)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Domingo, 05/07
Sexta-Feira, 03/07
China absorve 10% de toda carne bovina produzida no Brasil (08:46)
Frangos, pintainhos e até ovos: caminhoneiro conta como carrega carga viva (08:44)
Inspeções na China devem atrasar fluxo nos portos (08:43)
Quinta-Feira, 02/07
Suínos: cotações encerram junho em alta (09:35)
Boi: vantagem da carne sobre boi se reduz em junho (09:30)
Milho fecha 1º dia do mês subindo no mercado brasileiro (07:37)
Apesar de safra recorde de soja, país deve fechar ano com menor estoque da história (07:27)
Soja: Brasil fecha semestre com embarques de mais de 63 mi de t, 43% a mais na comparação anual (07:19)
Quarta-Feira, 01/07
Plano Safra 2020/2021 entra em vigor nesta 4ª feira (09:52)
Frigoríficos: Paim quer anular portarias com medidas de prevenção que ele considera ineficazes (09:45)
Surpresa no relatório de área plantada eleva preços de soja e milho em Chicago (08:00)
Terça-Feira, 30/06
Mato Grosso já colheu 31,56% da segunda safra de milho; preços caíram 17% no mês (09:18)
O uso de imunomoduladores e betaglucanos nas aves é tema do novo episódio do podcast da FACTA (09:01)
China suspende importações de carne de três frigoríficos brasileiros devido à Covid-19 (06:26)