Sexta-feira, 28 de Fevereiro de 2020
Exportação

Brasil busca diversificar pauta de exportações ao Oriente Médio
Brasília, DF, 12 de Setembro de 2019 - A ministra da Agricultura, Tereza Cristina, partiu na noite de ontem para sua primeira viagem oficial ao Oriente Médio. Fará escalas no Egito, na Arábia Saudita, nos Emirados Árabes Unidos e no Kuwait, e leva na bagagem o desafio de tentar diversificar a pauta de exportações do agronegócio brasileiro na região, muito concentrada em carnes, sobretudo de frango. A missão comercial terá duração de dez dias.

Segundo o ministério da Agricultura, há potencial para o Brasil ampliar as vendas de carne bovina, grãos, farelo de soja, frutas e lácteos para a região. Apesar de os muçulmanos não consumirem carne suína por questões religiosas, até para esse produto há oportunidades - especificamente nos Emirados Árabes Unidos, em consequência do turismo e do mercado gastronômico desenvolvido de Dubai.

Atualmente, cerca de 40% das importações de carne de aves dos países do Oriente Médio são provenientes do Brasil, o que indica menos espaço para crescer nesse mercado, de acordo com um negociador do governo brasileiro - segundo ele, um embaixador árabe, em tom de brincadeira, disse "no more chicken" recentemente em uma reunião sobre perspectivas para esse comércio.

A BRF, maior exportadora de frango para a região, conta inclusive com uma planta em Abu Dhabi, nos Emirados, que o presidente do conselho da empresa, Pedro Parente, visitou em agosto. O governo brasileiro não descarta, no futuro, incentivar modelos de parceria para que outras empresas possam produzir em países da região. Até porque países como a Arábia Saudita, por exemplo, planejam incentivar o crescimento da indústrias locais de alimentos e reduzir as importações nas próximas décadas.

Ao Valor, Tereza Cristina confirmou que, em duas reuniões recentes, o ministro saudita da Agricultura foi categórico: no caso da carne de frango, seu país não quer comprar volume superior a 450 mil toneladas por ano do Brasil, para abrir espaço à produção doméstica. Segundo a ministra, os sauditas demonstraram interesse em desenvolver outras etapas do processo de produção halal.

No Egito, a comitiva do Ministério da Agricultura também espera tratar da decisão do país de deixar de comprar carne de frango de todos os seus fornecedores, incluindo o Brasil. Em 2018, as exportações agropecuárias brasileiros a 22 países árabes e integrantes da Organização para a Cooperação Islâmica (55 nações no total) somaram US$ 16,1 bilhões, ou quase 20% da receita total dos embarques do agronegócio brasileiro.

Daí porque Tereza Cristina há tempos queria visitar a região. Sobretudo depois das rusgas provocadas pela insistência inicial do governo de Jair Bolsonaro de transferir a embaixada brasileira em Israel de Tel-Aviv para Jerusalém, o que seria um sinal político negativo para a maior parte dos países árabes. A embaixada não foi transferida e a poeira baixou, mas gestos de boa vontade são sempre bem recebidos.

(Valor) (Cristiano Zaia)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Sexta-Feira, 28/02
Quinta-Feira, 27/02
Boi: China deve começar a retomar as importações com mais força na segunda quinzena de Abril (12:25)
Importações de carne bovina na China devem ser lentas, mas recuperação vem no segundo semestre (11:28)
Em um ano, avicultura de Apucarana tem crescimento de 9% (10:33)
Milho abre a quinta-feira ainda em queda na Bolsa de Chicago (09:21)
Soja volta a recuar em Chicago nesta 5ª feira (09:20)
Conab realiza leilões para a venda e contratação do transporte de milho destinado a criadores de animais (09:15)
Pif Paf Alimentos recebe autoridades em Santa Catarina (07:55)
Mapa oferece atualização para veterinários dos estados, municípios e consórcios públicos (07:51)
Pecuarista segura gado aguardando preços melhores (07:49)
Milho: 4ª feira se encerra com pequenas perdas em Chicago (07:48)
Soja nos portos sobe R$ 1,50/saca com altas do dólar e de Chicago (07:45)
Quarta-Feira, 26/02
Ovos: cotações mensais atingem recorde nominal (13:37)
Milho: cotações continuam em alta em praticamente todas as regiões (13:32)
Soja: apesar do avanço da colheita, preços seguem firmes (13:30)
Brasil deve produzir 10,5 mi de t de carne bovina em 2020, diz USDA (11:02)
Milho abre a 4ª feira estável em Chicago (09:40)
Soja tem estabilidade e leve recuo em Chicago nesta 4ª feira (08:00)
Empresa avícola paranaense monitora qualidade de água gerada em suas operações por meio de bioindicadores (07:37)
Commodities agrícolas registram alta mesmo em novo dia de aversão com o coronavírus (07:34)
Terça-Feira, 25/02
Segunda-Feira, 24/02
Estados Unidos reabrem mercado para carne in natura do Brasil (15:05)