Quinta-feira, 27 de Fevereiro de 2020
Matérias-Primas

Mercado do milho fecha a sessão desta 4ª feira com ligeiras perdas na CBOT
Campinas, SP, 12 de Setembro de 2019 - As cotações futuras do milho encerraram a sessão de ontem, quarta-feira (11), com ligeiras desvalorizações na Bolsa de Chicago (CBOT). Os principais vencimentos da commodity finalizaram o dia com recuo de 0,25 a 1,50 pontos. O contrato setembro/19 fechou o pregão cotado a US$ 3,48 por bushel, enquanto, o dezembro/19 encerrou a US$ 3,60 por bushel.

Segundo análise de Ben Potter da Farm Futures, os preços dos grãos reverteram os ganhos nesta quarta-feira em algumas vendas técnicas, provocadas por um clima mais quente que poderia ajudar as plantações tardias em todo o Centro-Oeste. “Os preços do milho diminuíram um pouco, com os traders voltando sua atenção para previsões mais quentes de curto prazo, provocando uma pequena reversão técnica depois de obter ganhos significativos ontem”, afirmou Potter.

De acordo com as informações da Reuters Internacional, as cotações do milho se enfraqueceram por conta da colheita nos Estados Unidos serem beneficiadas por uma onda de calor no final do verão. “Grande parte do foco do mercado está no próximo relatório do USDA, que deve mostrar culturas menores de milho e soja nos EUA depois que a agência surpreendeu no mês passado com uma previsão acima do previsto”, destacou.

Ainda segundo as informações da Reuters Internacional, esperava-se que o clima mais quente do que o normal em grande parte do cinturão agrícola do Meio-Oeste acelerasse a maturidade das culturas plantadas tardiamente, reduzindo o risco de que a geada comprometesse a produção.

“As previsões climáticas apontam temperaturas acima do normal para os próximos 8 a 14 dias. Os grãos seriam os mais suscetíveis a qualquer geada nesse período ”, disse Ted Seifried, estrategista-chefe de mercado do Zaner Group em entrevista à Reuters Internacional.

Mercado interno

No caso do mercado interno, as principais praças registravam movimentações pontuais nesta quarta-feira. Segundo o levantamento realizado pelo o Notícias Agrícolas, a região de Campinas/SP, a saca do cereal registrou uma valorização de 1,33% e terminou o dia cotada a R$ 37,43 por saca.

Em Brasília, a referência para a saca do milho está em torno de R$ 29,00 com uma queda de 3,33%. No Porto de Paranaguá, a saca disponível registrou uma queda de 1,30% e está cotada a R$ 36,50.

A XP Investimentos ressaltou em seu boletim diário que o mercado físico de milho está indefinido e segue aguardando o relatório de Oferta e Demanda do USDA de hoje. A dinâmica local se mantém há duas semanas, com fluxo de comercialização baixo e compradores/vendedores se testando (preço).
(Notícias Agrícolas) (Andressa Simão)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Quinta-Feira, 27/02
Boi: China deve começar a retomar as importações com mais força na segunda quinzena de Abril (12:25)
Importações de carne bovina na China devem ser lentas, mas recuperação vem no segundo semestre (11:28)
Em um ano, avicultura de Apucarana tem crescimento de 9% (10:33)
Milho abre a quinta-feira ainda em queda na Bolsa de Chicago (09:21)
Soja volta a recuar em Chicago nesta 5ª feira (09:20)
Conab realiza leilões para a venda e contratação do transporte de milho destinado a criadores de animais (09:15)
Pif Paf Alimentos recebe autoridades em Santa Catarina (07:55)
Mapa oferece atualização para veterinários dos estados, municípios e consórcios públicos (07:51)
Pecuarista segura gado aguardando preços melhores (07:49)
Milho: 4ª feira se encerra com pequenas perdas em Chicago (07:48)
Soja nos portos sobe R$ 1,50/saca com altas do dólar e de Chicago (07:45)
Quarta-Feira, 26/02
Ovos: cotações mensais atingem recorde nominal (13:37)
Milho: cotações continuam em alta em praticamente todas as regiões (13:32)
Soja: apesar do avanço da colheita, preços seguem firmes (13:30)
Brasil deve produzir 10,5 mi de t de carne bovina em 2020, diz USDA (11:02)
Milho abre a 4ª feira estável em Chicago (09:40)
Soja tem estabilidade e leve recuo em Chicago nesta 4ª feira (08:00)
Empresa avícola paranaense monitora qualidade de água gerada em suas operações por meio de bioindicadores (07:37)
Commodities agrícolas registram alta mesmo em novo dia de aversão com o coronavírus (07:34)
Terça-Feira, 25/02
Segunda-Feira, 24/02
Estados Unidos reabrem mercado para carne in natura do Brasil (15:05)
Sexta-Feira, 21/02
Unidade brasileira da Vetanco realiza Convenção de Vendas 2020 (15:07)
Cadeia de frango da China se abre em meio ao caos das medidas de vírus (13:58)
Frango: apesar da fraca demanda, custo de produção elevado faz com que avicultor aumente preço (13:40)
Cotações do milho no mercado físico tem perdido força (13:30)
Milho: cotações registram leves altas em Chicago (13:25)
Soja: à espera de novas compras da China, mercado em Chicago segue estável (13:22)
Programa Ovos RS promove curso de Boas Práticas de Fabricação para Fábricas de Ração (09:33)
Boi: preços de balcão em SP giram ao redor de R$200,00/@ (09:15)
Praticamente metade da safra do milho já está colhida no RS (08:38)
Surto de vírus não mudará compromissos da China de comprar produtos dos EUA (08:37)
CNA diz que MP do Agro dá mais alternativas de financiamento e simplifica acesso ao crédito (08:26)
Suíno: animal vivo segue valorizado nas principais praças (07:55)
Mercado do boi gordo está firme (07:53)
Oferta restrita dá sustentação ao mercado de carne bovina no atacado (07:52)
Milho fecha a 5ª feira desvalorizado em Chicago após encontro do USDA (07:51)
Soja mais barata no Brasil do que nos EUA pressiona Chicago mais uma vez (07:48)