Sábado, 29 de Fevereiro de 2020
Matérias-Primas

Perspectiva da Conab prevê aumento de 3,6% na produção dos quatro principais grãos do país até 2020
Brasília, DF, 21 de Agosto de 2019 - O estudo de Perspectivas para a Agropecuária da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) revela que, apesar da queda de rentabilidade das culturas, a safra de grãos brasileira, considerando os quatro principais produtos, deve aumentar em 3,6% até 2020. O trabalho foi apresentado pelo diretor de Política Agrícola e Informações da Companhia, Guilherme Bastos, durante o Seminário Conjuntura da Economia Agrícola, realizado na terça-feira (20), no Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea). A palestra mostrou quatro commodities – milho, soja, arroz e algodão – que estão no espectro dos grãos analisados neste projeto, que inclui também carnes, feijão e lácteos.

No caso do milho, dependendo dos problemas na safra americana, mostra-se que o país poderá ter números recordes de exportação.
“Já quanto aos números da safra, nas perspectivas atuais, estamos prevendo um aumento de área de 1 milhão de hectares, que deverá levar a 18,3 milhões de hectares plantados, com produtividade menor (-321 kg/ha) e redução de 38 mil toneladas na produção total, que deve fechar em 99,2 milhões de toneladas na previsão para 2020”, explica o diretor Guilherme Bastos. “Há também a expectativa de aumento de 2% na demanda interna de milho para uso na ração animal”.

Já para a soja, o estudo mostra um crescimento de área de 1,7% até 2020, que é menor em comparação com anos anteriores. A produtividade deve crescer em torno de 140kg/ha e com isso espera-se um aumento de 7 milhões de toneladas na produção. “A expectativa é que os preços do mercado futuro tenham recuperação, graças à redução da área plantada nos EUA, alcançando 937cents/bu”, explica o diretor. “Os números representam uma melhora na remuneração ao produtor, embora não alcancem os patamares de anos anteriores”.

Em relação ao quadro de oferta e demanda da safa 2019/20, as perspectivas estimam um estoque final de 2,8 milhões de toneladas de soja, com um consumo de 48 milhões e exportação de 72 milhões de toneladas. “Temos a possibilidade de enfrentar problemas no estoques de passagem, que não serão adequados para atender uma demanda internacional muito forte”, ressalta o diretor. “Mas o Brasil deve consagrar-se como líder mundial na produção de soja, salvo algum problema climático, com produção em torno de 122,1 milhões de toneladas, ultrapassando os EUA”.

Para o arroz está previsto uma redução de área de 19 mil hectares, o que levará a uma área plantada de 1,6 milhão de hectares, ainda concentrada na região Sul. O destaque nessa commoditie, segundo o estudo, é a produtividade, que vem crescendo com a migração para áreas irrigadas e uso de mais tecnologias. Com isso, a safra de arroz deverá ser de aproximadamente 10,7 milhões de toneladas.

Na contramão dos demais produtos, o algodão poderá sofrer uma redução de 6% de área e quase 7% na produção devido ao aumento dos estoque e redução dos preços internacionais. Com isso, a previsão é que a safra seja de 2,5 milhões de toneladas com uma área plantada de 1,5 milhão de hectares.

Nas perspectivas agrícolas apresentadas pela Conab, outros temas foram tratados, como os cenários relativos à macroeconomia e à geopolítica no contexto da agricultura, infraestrutura, mercado e custos de produção das commodities.
(Conab) (Assessoria de Imprensa)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Sábado, 29/02
Sexta-Feira, 28/02
APA atualiza programa do Congresso de Ovos 2020 (15:25)
Frango: poder de compra do avicultor paulista se eleva no mês (11:17)
Suínos: menor oferta continua sustentando cotações do suíno vivo (11:10)
Boi: baixa oferta de animais mantém preços do boi firmes em fevereiro (11:00)
Milho abre a sexta-feira com leves baixas em Chicago (09:00)
Encerra hoje, sexta-feira, a primeira etapa inscrições para o SBSA 2020 (06:56)
Katayama Alimentos conquista Certificação Halal (06:54)
Grupo Mantiqueira ganha certificado do Great Place To Work (GPTW) (06:53)
Suínos: valorização no preço do animal vivo na maioria das praças produtoras (06:52)
Frigoríficos enfrentam demanda reduzida da China em meio ao coronavírus (06:51)
Soja desaba nesta 6ª feira (06:48)
Milho cai até 1,62% nesta 5ª feira na Bolsa de Chicago (06:46)
Emater define safra de soja 2019/20 no RS como irregular e já verifica perdas consolidadas (06:33)
Quinta-Feira, 27/02
Boi: China deve começar a retomar as importações com mais força na segunda quinzena de Abril (12:25)
Importações de carne bovina na China devem ser lentas, mas recuperação vem no segundo semestre (11:28)
Em um ano, avicultura de Apucarana tem crescimento de 9% (10:33)
Milho abre a quinta-feira ainda em queda na Bolsa de Chicago (09:21)
Soja volta a recuar em Chicago nesta 5ª feira (09:20)
Conab realiza leilões para a venda e contratação do transporte de milho destinado a criadores de animais (09:15)
Pif Paf Alimentos recebe autoridades em Santa Catarina (07:55)
Mapa oferece atualização para veterinários dos estados, municípios e consórcios públicos (07:51)
Pecuarista segura gado aguardando preços melhores (07:49)
Milho: 4ª feira se encerra com pequenas perdas em Chicago (07:48)
Soja nos portos sobe R$ 1,50/saca com altas do dólar e de Chicago (07:45)
Quarta-Feira, 26/02
Ovos: cotações mensais atingem recorde nominal (13:37)
Milho: cotações continuam em alta em praticamente todas as regiões (13:32)
Soja: apesar do avanço da colheita, preços seguem firmes (13:30)
Brasil deve produzir 10,5 mi de t de carne bovina em 2020, diz USDA (11:02)
Milho abre a 4ª feira estável em Chicago (09:40)
Soja tem estabilidade e leve recuo em Chicago nesta 4ª feira (08:00)
Empresa avícola paranaense monitora qualidade de água gerada em suas operações por meio de bioindicadores (07:37)
Commodities agrícolas registram alta mesmo em novo dia de aversão com o coronavírus (07:34)
Terça-Feira, 25/02