Sábado, 29 de Fevereiro de 2020
Matérias-Primas

Milho: clima e exportações americanas atuam para desvalorizar cotações em Chicago
Campinas, SP, 20 de Agosto de 2019 - A segunda-feira (19) chegou ao final com desvalorização para os preços internacionais do milho futuro na Bolsa de Chicago (CBOT). As principais cotações registraram perdas entre 5,75 e 6,25 pontos.

O vencimento setembro/19 foi cotado à US$ 3,65 com baixa de 6,00 pontos, o dezembro/19 valeu US$ 3,74 com desvalorização de 6,25 pontos, o março/20 era negociado por US$ 3,87 com perda de 5,75 e o maio/20 teve valor de US$ 3,94 com queda de 5,75 pontos.

Esses índices representaram desvalorizações, com relação ao fechamento da última sexta-feira, de 1,62% para o setembro/19, 1,58% no dezembro/19, 1,28% para o março/20 e 1,50% para o maio/19.

Segundo informações da Agência Reuters, os futuros do milho nos Estados Unidos caíram nesta segunda-feira após chuvas muito necessárias cruzarem as áreas secas do Cinturão do Milho durante o fim de semana, trazendo a umidade bem-vinda para o desenvolvimento de culturas.

“A chuva superou as expectativas na maioria das áreas, particularmente no oeste Centro-Oeste, melhorando as condições para o milho e crescimento da soja”, disse a empresa de tecnologia espacial Maxar em nota aos clientes.

“As chuvas do final de semana, juntamente com as previsões para mais chuva nesta semana, coloca o foco do mercado de volta nas perspectivas para os suprimentos dos Estados Unidos”, aponta Julie Ingwersen da Reuters Chicago.

Nesta segunda-feira, o USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) divulgou boletim apontando que as inspeções de exportação de milho movimentaram-se moderadamente mais baixas semana a semana, enquanto chegaram a 20,1 milhões de bushels (510.540 toneladas). Isso também ficou abaixo das estimativas dos analistas, que variaram entre 22 milhões e 40 milhões de bushels (entre 508 mil e 1,016 milhões de toneladas).

“As remessas de milho continuam a perder terreno. O total para o ano de comercialização tem uma chance de atingir a meta do USDA porque os totais do censo estão muito acima das inspeções deste ano. Mas, às vezes, os totais registrados pela ala internacional do USDA não se alinham aos números usados ​​pelo painel de perspectiva da agência em seus relatórios mensais”, comenta o analista de grãos da Farm Futures, Bryce Knorr.

Mercado interno

No mercado físico brasileiro, a sexta-feira registrou cotações permanecendo sem movimentações, em sua maioria. Em levantamento realizado pela equipe do Notícias Agrícolas, as únicas valorizações registradas aconteceram em São Gabriel do Oeste/MS (1,89% e preço de R$ 27,00) e Brasília/DF (9,43% e preço de R$ 29,00).

Já as desvalorizações foram percebidas apenas nas praças de Porto Paranaguá/PR (1,33% e preço de R$ 37,00), Assis/SP (1,31% e preço de R$ 30,50), Sorriso/MT disponível (4,35% e preço de R$ 22,00) e Sorriso/MT balcão (5,00% e preço de R$ 19,00).

A Agrifatto Consultoria aponta que, no Centro-Oeste, as negociações acontecem em compasso lento, de maneira a atender especialmente confinadores e fábricas da região. Em Paranaguá, as indicações estão ao redor de R$ 35,00/sc – no início da última semana, os valores estavam próximos a R$ 38,00/sc.

A XP Investimentos destaca que a abertura da semana se dá com as referências do milho pressionadas, guiadas pelas quedas significativas em Chicago. “O ponto chave da baixa externa ainda são as melhoras das condições das lavouras e a guerra comercial com a China. Nem mesmo a valorização do Dólar frente as moedas concorrentes têm sido eficiente para equilibrar as contas e a paridade no porto. Isto porque, compradores recuaram seus “bid’s” no mercado interno e vão puxando vendedores que, agora, começam a ceder”.
(Notícias Agrícolas) (Guilherme Dorigatti)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Sábado, 29/02
Sexta-Feira, 28/02
APA atualiza programa do Congresso de Ovos 2020 (15:25)
Frango: poder de compra do avicultor paulista se eleva no mês (11:17)
Suínos: menor oferta continua sustentando cotações do suíno vivo (11:10)
Boi: baixa oferta de animais mantém preços do boi firmes em fevereiro (11:00)
Milho abre a sexta-feira com leves baixas em Chicago (09:00)
Encerra hoje, sexta-feira, a primeira etapa inscrições para o SBSA 2020 (06:56)
Katayama Alimentos conquista Certificação Halal (06:54)
Grupo Mantiqueira ganha certificado do Great Place To Work (GPTW) (06:53)
Suínos: valorização no preço do animal vivo na maioria das praças produtoras (06:52)
Frigoríficos enfrentam demanda reduzida da China em meio ao coronavírus (06:51)
Soja desaba nesta 6ª feira (06:48)
Milho cai até 1,62% nesta 5ª feira na Bolsa de Chicago (06:46)
Emater define safra de soja 2019/20 no RS como irregular e já verifica perdas consolidadas (06:33)
Quinta-Feira, 27/02
Boi: China deve começar a retomar as importações com mais força na segunda quinzena de Abril (12:25)
Importações de carne bovina na China devem ser lentas, mas recuperação vem no segundo semestre (11:28)
Em um ano, avicultura de Apucarana tem crescimento de 9% (10:33)
Milho abre a quinta-feira ainda em queda na Bolsa de Chicago (09:21)
Soja volta a recuar em Chicago nesta 5ª feira (09:20)
Conab realiza leilões para a venda e contratação do transporte de milho destinado a criadores de animais (09:15)
Pif Paf Alimentos recebe autoridades em Santa Catarina (07:55)
Mapa oferece atualização para veterinários dos estados, municípios e consórcios públicos (07:51)
Pecuarista segura gado aguardando preços melhores (07:49)
Milho: 4ª feira se encerra com pequenas perdas em Chicago (07:48)
Soja nos portos sobe R$ 1,50/saca com altas do dólar e de Chicago (07:45)
Quarta-Feira, 26/02
Ovos: cotações mensais atingem recorde nominal (13:37)
Milho: cotações continuam em alta em praticamente todas as regiões (13:32)
Soja: apesar do avanço da colheita, preços seguem firmes (13:30)
Brasil deve produzir 10,5 mi de t de carne bovina em 2020, diz USDA (11:02)
Milho abre a 4ª feira estável em Chicago (09:40)
Soja tem estabilidade e leve recuo em Chicago nesta 4ª feira (08:00)
Empresa avícola paranaense monitora qualidade de água gerada em suas operações por meio de bioindicadores (07:37)
Commodities agrícolas registram alta mesmo em novo dia de aversão com o coronavírus (07:34)
Terça-Feira, 25/02