Sábado, 29 de Fevereiro de 2020
Matérias-Primas

China disputa soja do Brasil com processadores locais; preços sobem 10% no mês
São Paulo, SP, 19 de Agosto de 2019 - O mercado de soja do Brasil ganhou um ingrediente adicional na última semana, com processadores locais ampliando a disputa pela matéria-prima com chineses, que também buscaram mais fortemente o produto sul-americano, devido à guerra comercial com os Estados Unidos.

Há relatos no mercado de compras pela China de mais de 1 milhão de toneladas de soja de Brasil e Argentina apenas nos últimos dois dias, com a situação cambial facilitando a vida de importadores.

Enquanto isso, os negócios entre produtores e processadores brasileiros foram fortes, especialmente nesta semana em que foi realizado um leilão para compra de biodiesel, cuja matéria-prima é em sua maioria óleo de soja.

O prêmio pela soja nacional no porto de Paranaguá, importante termômetro da exportação, subiu mais de 15% na semana para 1,50 dólar por bushel ante contrato de referência da bolsa de Chicago, maior nível desde novembro de 2018, com a forte demanda chinesa.

No mercado local, preço da soja no acumulado do mês atingiu 85,40 reais por saca de 60 kg (base Paranaguá), também o maior valor desde meados de novembro, com alta de mais de 10 por cento no mês, de acordo com dados do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), da Esalq/USP.

"Isto é sinal do aumento da demanda chinesa sobre a soja da América do Sul, especialmente Brasil e Argentina", disse Luiz Pacheco, da T&F Agronômica, em relatório.

Ele disse que foram reportados negócios de 14 carregamentos na quarta-feira e outros quatro, na quinta-feira, totalizando mais de 1 milhão de toneladas do produto.

"No Brasil, houve vendas de origem de mais 120 mil toneladas. Na Argentina, os agricultores venderam mais 300 mil toneladas... fugindo dos eventuais problemas político-econômicos e aproveitando a alta do dólar, com boa participação dos exportadores", acrescentou Pacheco.

Relatos de outras fontes do mercado confirmaram tais negócios de soja no Brasil. As transações têm sido impulsionadas tanto pela guerra comercial, já que chineses disseram que não estão comprando mais o produto dos EUA, quanto pelo câmbio.

No Brasil, o dólar foi visto a patamares não registrados desde maio, valendo mais de 4 reais, enquanto na Argentina, com derrota do presidente Maurício Macri nas primárias, um dólar valeu 65 pesos no início da semana, o maior valor da história.

"O acirramento da guerra comercial, desde a semana passada, gerou uma série de incertezas, e o ponto de inflexão foi a desvalorização da moeda chinesa em relação ao dólar, e o Brasil também teve desvalorização, e a Argentina nem se fale", disse o pesquisador do Cepea Lucilio Alves.

O professor chamou também a atenção para a maior demanda interna, seja para atender a uma mistura maior de biodiesel no diesel, que passará a partir de setembro, de 10% para 11%, seja para atender a indústria de ração, em meio a uma boa demanda de indústrias de carnes, que também estão elevando exportações, especialmente para a China, atendida pela peste suína africana.

Alves lembrou do leilão de biodiesel da última segunda-feira. Embora os resultados não tenham sido divulgados, há indicações de que houve boa participação dos agentes, comentou.

O aumento da mistura para B11 eleva a demanda pela oleaginosa em cerca de 200 mil toneladas ao mês, já que o biodiesel é feito majoritariamente de óleo de soja no Brasil.

Isso adiciona mais pressão em um balanço de oferta de demanda apertado no Brasil, após uma colheita menor em 2019.

"Tem um fato novo que contribuiu para o acirramento da disputa pela matéria-prima, o leilão de biodiesel... Isso aumentou um pouco a disputa interna", disse.

Segundo o especialista, nessa conjuntura, os preços do óleo estão nos maiores níveis desde o final de 2018, enquanto o farelo de soja também vem sendo absorvido pela demanda do setor de carnes.

"Tem um ambiente interno de preços maiores para os derivados, e isso melhora a margem do esmagador", destacou.
(Reuters) (Redação)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Sábado, 29/02
Sexta-Feira, 28/02
APA atualiza programa do Congresso de Ovos 2020 (15:25)
Frango: poder de compra do avicultor paulista se eleva no mês (11:17)
Suínos: menor oferta continua sustentando cotações do suíno vivo (11:10)
Boi: baixa oferta de animais mantém preços do boi firmes em fevereiro (11:00)
Milho abre a sexta-feira com leves baixas em Chicago (09:00)
Encerra hoje, sexta-feira, a primeira etapa inscrições para o SBSA 2020 (06:56)
Katayama Alimentos conquista Certificação Halal (06:54)
Grupo Mantiqueira ganha certificado do Great Place To Work (GPTW) (06:53)
Suínos: valorização no preço do animal vivo na maioria das praças produtoras (06:52)
Frigoríficos enfrentam demanda reduzida da China em meio ao coronavírus (06:51)
Soja desaba nesta 6ª feira (06:48)
Milho cai até 1,62% nesta 5ª feira na Bolsa de Chicago (06:46)
Emater define safra de soja 2019/20 no RS como irregular e já verifica perdas consolidadas (06:33)
Quinta-Feira, 27/02
Boi: China deve começar a retomar as importações com mais força na segunda quinzena de Abril (12:25)
Importações de carne bovina na China devem ser lentas, mas recuperação vem no segundo semestre (11:28)
Em um ano, avicultura de Apucarana tem crescimento de 9% (10:33)
Milho abre a quinta-feira ainda em queda na Bolsa de Chicago (09:21)
Soja volta a recuar em Chicago nesta 5ª feira (09:20)
Conab realiza leilões para a venda e contratação do transporte de milho destinado a criadores de animais (09:15)
Pif Paf Alimentos recebe autoridades em Santa Catarina (07:55)
Mapa oferece atualização para veterinários dos estados, municípios e consórcios públicos (07:51)
Pecuarista segura gado aguardando preços melhores (07:49)
Milho: 4ª feira se encerra com pequenas perdas em Chicago (07:48)
Soja nos portos sobe R$ 1,50/saca com altas do dólar e de Chicago (07:45)
Quarta-Feira, 26/02
Ovos: cotações mensais atingem recorde nominal (13:37)
Milho: cotações continuam em alta em praticamente todas as regiões (13:32)
Soja: apesar do avanço da colheita, preços seguem firmes (13:30)
Brasil deve produzir 10,5 mi de t de carne bovina em 2020, diz USDA (11:02)
Milho abre a 4ª feira estável em Chicago (09:40)
Soja tem estabilidade e leve recuo em Chicago nesta 4ª feira (08:00)
Empresa avícola paranaense monitora qualidade de água gerada em suas operações por meio de bioindicadores (07:37)
Commodities agrícolas registram alta mesmo em novo dia de aversão com o coronavírus (07:34)
Terça-Feira, 25/02