Quinta-feira, 02 de Julho de 2020
Matérias-Primas

Brasil passa a controlar mais de 50% da exportação de soja
São Paulo, SP, 13 de Agosto de 2019 - As disputas comerciais entre Estados Unidos e China, que ainda não têm hora marcada para terminar, abriram espaço para o aumento da participação brasileira nas exportações mundiais de soja em grão na safra internacional 2018/19, que terminará neste mês, e deverão manter em alta o protagonismo do país nesse mercado na próxima temporada. O cenário foi confirmado por novas estimativas para oferta e demanda de grãos divulgadas nesta segunda-feira pelo Departamento de Agricultura dos EUA (USDA) — que atestaram, ainda, a consolidação do Brasil como um grande fornecedor global de milho.

De acordo com o USDA, os embarques brasileiros de soja alcançarão 76,9 milhões de toneladas no ciclo que chegará ao fim este ano, ou 51,8% do total (148,3 milhões). Em 2017/18, segundo o órgão, foram 76,2 milhões de toneladas, ou 49,8% de um volume que totalizou 153,1 milhões de toneladas. A queda do total é puxada pela China, cujas importações cairão de 94,1 milhões de toneladas, em 2017/18, para 83 milhões em 2018/19 — 56,3% do total global —, e vitimou os EUA, cuja fatia nas exportações recuará de 37,9% para 31,2% na mesma comparação.

Para a safra 2019/20, o quadro não deverá mudar muito. Embalado por uma colheita que o USDA projeta em 123 milhões de toneladas, 6 milhões a mais que em 2018/19 e volume equivalente a 35,4% do total projetado para o mundo, o Brasil deverá exportar, segundo o órgão, 76,5 milhões de toneladas, ou 50,6% de um total de 149,2 milhões. Com a renovação da tensão entre Washington e Pequim, os EUA, cuja colheita deverá cair 19%, para 100,2 milhões de toneladas, deverão exportar 48,3 milhões, ou 31,9% do total — Argentina e Paraguai tendem a ganhar pequenas fatias no comércio, e a China deverá importar 2 milhões de toneladas a mais (cerca de 85 milhões).

Se prevalecer o preço médio das exportações de soja em grão do Brasil em julho (US$ 356,6), os embarques previstos pelo USDA para o país em 2019/20 renderão US$ 27,3 bilhões. No Hemisfério Norte, a colheita de grãos da safra 2019/20 começará a ganhar força em setembro, ao passo que no Hemisfério Sul é o plantio da nova temporada que terá início no mês que vem. Ainda não há projeções oficiais no Brasil sobre as tendências para a semeadura, mas analistas preveem novo aumento, sobretudo pelo fortalecimento da “parceria” com a China — que, em mais um round da briga com os EUA, orientou recentemente suas estatais a não comprarem produtos agrícolas americanos.

Além de confirmar a consolidação do Brasil na liderança das exportações mundiais de soja em grão, o levantamento publicado nesta segunda-feira pelo USDA também apontou que o país está se firmando como um importante fornecedor de milho. Nas contas do órgão, a safra 2018/19 vai terminar com os embarques do país em 34 milhões de toneladas, ou 21% do total — em 2017/18, com 25,1 milhões de toneladas, a fatia brasileira foi de 16,9%. Embora produza muito menos que os EUA (101 milhões de toneladas, contra 366,3 milhões), o Brasil, sem problemas climáticos, tem condições de apresentar um excedente exportável expressivo, o que deverá se repetir no ciclo 2019/20.

De acordo com os dados divulgados pelo USDA, que ainda não levam em consideração estimativas concretas de plantio, o Brasil repetirá na próxima temporada o volume de produção e de exportações. Se confirmado o horizonte, o país vai se manter como o segundo maior exportador de milho do mundo, com cerca de 20% do total e, mais uma vez, atrás apenas dos americanos.

(Valor) (Fernando Lopes, Fernanda Pressinott, Marina Salles)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Quinta-Feira, 02/07
Suínos: cotações encerram junho em alta (09:35)
Boi: vantagem da carne sobre boi se reduz em junho (09:30)
Milho fecha 1º dia do mês subindo no mercado brasileiro (07:37)
Apesar de safra recorde de soja, país deve fechar ano com menor estoque da história (07:27)
Soja: Brasil fecha semestre com embarques de mais de 63 mi de t, 43% a mais na comparação anual (07:19)
Quarta-Feira, 01/07
Plano Safra 2020/2021 entra em vigor nesta 4ª feira (09:52)
Frigoríficos: Paim quer anular portarias com medidas de prevenção que ele considera ineficazes (09:45)
Surpresa no relatório de área plantada eleva preços de soja e milho em Chicago (08:00)
Terça-Feira, 30/06
Mato Grosso já colheu 31,56% da segunda safra de milho; preços caíram 17% no mês (09:18)
O uso de imunomoduladores e betaglucanos nas aves é tema do novo episódio do podcast da FACTA (09:01)
China suspende importações de carne de três frigoríficos brasileiros devido à Covid-19 (06:26)
Segunda-Feira, 29/06
OVOS/CEPEA: fraca demanda e baixa liquidez seguem pressionando cotações (09:47)
Milho: dólar elevado favorece competitividade do milho no mercado externo (09:46)
Soja: demanda por óleo de soja volta a crescer no Brasil (09:45)
EUA: exportadores declaram segurança, mas refugam garantia de "vírus-free" (09:07)
Novo Outlook da Fiesp: boas perspectivas para um produtor confiável (09:05)
Pesquisadores da Unicamp analisam impacto das mudanças climáticas na safra de milho (07:53)
Justiça autoriza retomada parcial de unidade da JBS em Passo Fundo por quatro dias (07:47)
Ministério da Agricultura suspende exportação de frigorífico da JBS à China (07:45)
Sexta-Feira, 26/06
Com formato inédito, Qualificaves debate sobre a laringotraqueíte (08:12)
ABPA e Sindiavipar defendem o fim da interrupção das atividades da Avenorte (08:03)