Quarta-feira, 03 de Junho de 2020
Mercado Externo

Acordo entre UE e Mercosul beneficia a carne argentina
São Paulo, SP, 08 de Julho de 2019 - No mundo da carne, a Argentina desponta como a principal beneficiada pelo acordo comercial entre União Europeia e Mercosul. Se é verdade que os exportadores de todos os países que fazem parte do bloco sul-americano receberão uma injeção de rentabilidade de até 40%, os hermanos abocanharão a maior parte das cotas de exportação de carne bovina com tarifa zero ou imposto reduzido.

Na prática, os argentinos terão acesso a cotas de 50 mil toneladas de carne bovina. O Brasil, que tem um rebanho bovino quatro vezes maior que o do vizinho e é o principal exportador mundial de carne, ficará com cerca de 38,5 mil toneladas. O Uruguai terá 20,4 mil toneladas e o Paraguai, 5,7 mil.

Em 2018, os frigoríficos brasileiros receberam US$ 705,6 milhões ao exportar 116,7 mil toneladas à União Europeia, segundo dados da Secretaria de Comércio Exterior (Secex) compilados pelo Ministério da Agricultura. As exportações da carne argentina, mais valorizada no exterior devido à tradicional qualidade, somaram 47 mil toneladas e renderam US$ 490 milhões, de acordo com dados da indústria local.

A vantagem de cota que os argentinos terão com o acordo entre UE e Mercosul é uma herança da cota Hilton, válida para cortes nobres. Essa cota, que já conta com tarifas de importação menores, terá a alíquota zerada com o acordo.

Atualmente, a cota Hilton possui uma tarifa de 20% e, no Mercosul, a Argentina detém o maior volume dela: 30 mil toneladas anuais. Para os brasileiros, o limite é de 10 mil toneladas, mas as indústrias nacionais dificilmente conseguem cumpri-lo devido às restrições do protocolo sanitário com a União Europeia. No último ano-fiscal, encerrado em junho, os frigoríficos brasileiros ocuparam 41% da cota Hilton.

Além de eliminação total da tarifa de importação de carne bovina por meio da Hilton, o acordo comercial prevê a criação de uma cota de 99 mil toneladas de carne bovina em equivalente carcaça (67 mil toneladas de carne bovina, efetivamente), com tarifa de 7,5%. Essa cota levará seis anos para ser implementada no volume total, contados a partir da entrada em vigor do acordo comercial - o que deverá demorar no mínimo dois anos.

No caso dessa nova cota, o Brasil ficará com a maior parte. A divisão foi definida pelo setor privado dos países do Mercosul em um acordo assinado em 2004 que deu aos brasileiros 42,5% do volume (cerca de 28,5 mil toneladas). A Argentina terá 29,5% (19,7 mil toneladas).

Ao Valor, uma fonte da alta cúpula de um dos maiores frigoríficos brasileiros argumentou que a vantagem argentina poderá atrair novos investimentos ao país, caso o acordo comercial saia do papel. O parque frigorífico argentino é pulverizado e fontes do setor acreditam que um movimento de consolidação ocorrerá no médio prazo.

No setor privado, as brasileiras Marfrig e Minerva estão em melhor posição relativa para se beneficiar da redução tarifária proporcionada pelo acordo comercial. As duas empresas estão entre os principais frigoríficos da Argentina. No Uruguai, a Marfrig é a maior empresa privada, ao passo que a Minerva, que também atua no mercado uruguaio, detém cerca de 50% da capacidade de abate no Paraguai. A JBS, maior produtora de carne bovina do Brasil e do mundo, deixou de atuar em outros países do Mercosul em 2017, quando vendeu as operações de carne bovina à Minerva.

Se a distribuição da nova cota entre as empresas seguir os mesmos critérios da Hilton (que continuará existindo), a Marfrig ficará com a maior cota de carne bovina entre os frigoríficos do Mercosul.

No último ano-cota europeu, a empresa comercializou 6,2 mil toneladas por meio da Hilton - 1,033 mil a partir do Brasil, 1,6 mil toneladas do Uruguai e 3,6 mil na Argentina. A Minerva, por seu turno, exportou 5,4 mil toneladas (440 toneladas do Paraguai, 1,2 mil toneladas do Uruguai, 1,3 mil toneladas do Brasil e 2,4 toneladas mil da Argentina). A JBS, por fim, embarcou 1,6 mil toneladas de carne a partir do Brasil.

Estimativa preliminar de uma fonte da indústria indica que as cotas de carne bovina do acordo comercial poderão, com a redução de impostos, agregar 40% da receita com as vendas de carne à Europa aos frigoríficos, considerando os preços médios atuais. Parte desse valor, no entanto, deve ser capturado pelos importadores europeus.

O benefício potencial é significativo porque as tarifas atuais pagas pelos frigoríficos para exportar aos europeus são altas, sobretudo para a carne comercializada fora da cota Hilton e da cota do Acordo Geral de Tarifas e Comércio (GATT, na sigla em inglês), que é de 54,5 mil toneladas de carne bovina congelada e também tem uma tarifa de 20%. No caso da GATT, o volume determinado é válido para todas as regiões do mundo, não só para o Mercosul. Fora da cota, a tarifa de importação é de € 3,04 por quilo, mais 12,6%. Em geral, os frigoríficos do Brasil exportam cortes nobres (como filé mignon e contra filé) fora da cota.

Como a tarifa fora da cota é muito elevada - o que chega a dobrar o valor da carne no mercado europeu -, não é possível vender cortes mais baratos, em especial as partes do dianteiro bovino.

Na avaliação do presidente-executivo da Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carnes (Abiec), Antonio Jorge Camardelli, é justamente aí que reside a grande oportunidade para o Brasil. Segundo ele, a cota de 67 mil toneladas, com tarifa de 7,5%, permitirá a exportação de cortes do dianteiro para serem usados para processamento por indústrias europeias.

(Valor) (Luiz Henrique Mendes)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Quarta-Feira, 03/06
Terça-Feira, 02/06
JBS de Ipumirim volta às atividades: “outro ânimo para trabalhar”, diz produtor (09:10)
Soja: mercado em Chicago trabalha em campo positivo nesta 3ª feira (08:13)
ABPA afirma que o Brasil está pronto para exportar mais carnes para a China durante imbróglio com os EUA (07:39)
Embarques de carne suína batem recorde para um mês de maio (07:36)
Preço pago pelo quilo do suíno vivo no RS inicia junho estável (07:35)
Suíno: cotações estáveis ou em alta neste início de junho (07:34)
Boi: escalas de abate recuam e dão fortes indicações que a oferta de animais será menor neste final de safra (07:32)
Milho começa junho se desvalorizando no Brasil (07:29)
USDA: plantio do milho chega a 93% e 60% da soja está em boas/excelentes condições (07:27)
Soja em Chicago fica estável (07:24)
Segunda-Feira, 01/06
Governo de SC auxilia em processo de reabertura do frigorífico de Ipumirim (15:57)
FACTA lança podcast sobre avicultura (15:09)
Perspectivas dos preços de insumos e ração animal para aves e suínos para 2020 (13:45)
Webinar da Aviagen explora os meios para alcançar uma saúde intestinal ideal (09:51)
Milho começa a semana com leves quedas na B3 e em Chicago (09:46)
Soja inicia junho com estabilidade em Chicago (08:42)
China pede a estatais que parem compras de soja e carne suína dos EUA, dizem fontes (08:30)
Ministério da Agricultura recomenda que sacrifício de animais seja última opção (08:27)
‘É melhor abater no concorrente do que jogar a carne fora’ ,diz especialista em saúde animal (08:26)
Cooperativas do Sul discutem impactos da pandemia na indústria frigorífica (08:08)
Testes de salmonella acontecem antes, durante e após o abate dos frangos (08:07)
MAPA divulga consórcios municipais selecionados para participar do projeto de ampliação do mercado de Produtos de Origem Animal (08:02)
JBS tem aval da Justiça do trabalho para reabrir planta de Ipumirim, SC (08:00)
Em consulta pública, MAPA colhe sugestões sobre atos normativos da Defesa Agropecuária (07:58)
Ovos/CEPEA: menor demanda no fim de maio acentua desvalorização (07:43)
Milho: colheita da segunda safra avança e enfraquece preços (07:42)
Suíno: cotações ficam estáveis no fechamento de maio (07:33)
Embora calmo, o mercado do boi está firme (07:31)
BRF diz que contraprova de Covid-19 em fábricas em SC e RS confirma número baixo de positivos (07:19)
Sexta-Feira, 29/05
Semana teve poucas alterações nos preços físico do milho (09:59)
China deixará mercado de frango dos EUA durante recuperação (09:48)
Conselho do FCO aprova R$ 146,1 milhões em investimentos em MS (09:47)
Alojamento de pintos de corte caiu menos do que o esperado pela Apinco (09:46)
Soja: mercado ainda caminha de lado na Bolsa de Chicago nesta 6ª feira (08:02)
FRANGO/CEPEA: poder de compra frente ao farelo de soja é o mais baixo em dois anos (07:53)
Preço do boi gordo teve um ganho de 1,23% nesta semana no RS (07:44)
Suíno: cotação caiu 3,4% nas granjas paulistas em uma semana (07:41)
Preços para a suinocultura independente têm leve alta ou estabilidade nesta semana (07:40)
Suínos: mês se encaminha para o final com cotações mistas (07:37)
Milho cai no mercado físico com início da colheita, mas sobe na B3 (07:28)
Soja em Chicago pode mudar patamar de preços com influência do mercado climático nos EUA a partir de junho (07:21)
Produtores de soja tiveram 1º quadrimestre com resultado financeiro positivo (07:19)
Quinta-Feira, 28/05
Por um país mais cooperativo, por Francisco Turra (10:17)
Milho começa a 5ª feira subindo na B3 e em Chicago (09:35)
Frigoríficos temem perder mercado após interdições por Covid-19 (09:30)
BRF busca manter oferta ajustada às curvas da demanda (09:19)
Frango Americano projeta crescimento de 30% com apoio do Governo do Tocantins (09:18)
Pandemia já afeta produção de carne bovina (09:15)
Pela primeira vez, produção global de carne de frango deve ser maior que a de proteína suína (09:11)
Aviagen Brasil mostra espírito solidário com doações no interior de São Paulo (09:04)
Soja caminha de lado em Chicago nesta 5ª feira (08:32)
Suínos: vendas aumentam e elevam preços em maio (08:15)
Boi Gordo: mercado externo aquecido e menor oferta interna sustentam preços (08:13)
Indústrias estão oferecendo mais pela arroba do boi gordo (08:10)
Milho cai no mercado físico e na B3 seguindo baixa do dólar (08:03)
Soja brasileira está US$0,10/bushel mais cara que a americana (08:00)