Domingo, 31 de Maio de 2020
Diversos

Em 2040, 60% da carne consumida no mundo não será de origem animal
São Paulo, SP, 14 de Junho de 2019 - Em abril de 2018, a SUPER foi à Nova York experimentar o Impossible Burguer. Você já deve ter ouvido falar dele: produzido pela Impossible Foods, é um hambúrguer de origem vegetal e que imita o sabor e a aparência de carne bovina.

Corta para 2019. Em um ano, o hambúrguer sem carne, antes restrito a pequenas lanchonetes, entrou no cardápio de algumas unidades americanas do Burger King, uma das maiores redes de fast-food do mundo. O disco de proteína vegetal, resultado de nove anos de pesquisa e US$250 milhões de investimento, recheia o “Impossible Whopper”, à venda em quatro cidades dos EUA.

Ele se popularizou rápido. E tudo indica que o céu é o limite: em 2040, 60% da carne consumida no mundo será de origem vegetal ou cultivada em laboratório. Pelo menos, é o que sugere um novo relatório sobre o assunto, divulgado nesta quarta (12).
Elaborado pela consultoria ATKearney, o estudo aponta uma forte tendência para uma mudança na maneira como nos alimentamos: o número de veganos e vegetarianos aumentará cada vez mais, e até os menos engajados darão cada vez mais atenção ao impacto ambiental da agropecuária – e ao bem-estar dos bichinhos.

Os substitutos do boi

O relatório diz que, destes 60% de carne alternativa, 35% será cultivada em laboratório; as opções veganas corresponderão aos 25% restantes. Mas qual a diferença entre as duas opções?
No primeiro caso, células-tronco de um animal adulto (porco, vaca, frango, etc.) são extraídas e enviadas para um laboratório. Lá, elas são cultivadas em um reator biológico até se multiplicarem e se diferenciarem: uma parte vira gordura, a outra músculo e por aí vai. Como o sabor e a textura da carne produzida desta forma são bem parecidos com os do alimento convencional, o relatório sugere que ela será a preferida pelo público.

Já as carnes de origem vegetal, como a do hambúrguer impossível, são criadas a partir de proteínas extraídas de plantas. Com uma pitada de gordura, sabor artificial e engenharia genética, os cientistas conseguem recriar (ao menos em parte) o sabor característico dos animais.

O estudo listou 27 empresas que já trabalham em projetos para desenvolver alimentos do tipo. Ao todo, esse setor recebeu US$ 950 milhões em investimento em 2018 – inclusive de grandes empresas produtoras de carne convencional. A moda já chegou ao Brasil: o Futuro Burger, feito com proteínas de soja, ervilha e grão-de-bico, já pode ser comprado em supermercados mais sofisticados e em algumas lanchonetes.

Gado demais

Fazer hambúrguer tem um impacto ambiental monstruoso. Segundo a divisão de Alimentação e Agricultura da ONU, 46% de toda a produção agrícola mundial é usada somente para alimentar os 20 bilhões de aves, 1,4 bilhão de bovinos, 1 bilhão de suínos e 1,9 bilhão de ovinos e caprinos que existem no planeta.

O relatório se apoia justamente na ideia de que o consumo de carne vai se tornar mais consciente. O alto de número de cabeças de gado também afeta o meio ambiente. Além do desmatamento provocado para dar espaço à pecuária, esses animais contribuem com 18% das emissões de gases do efeito estufa.

A mudança, apesar de gradual, não deve ser fácil – a indústria da carne movimenta cerca de US$ 1 trilhão por ano. Mas se os hambúrgueres sem carne já estão ganhando espaço nos fast-foods, tudo é possível. Só não vale hambúrguer de siri.
(Infomoney) (Rafael Battaglia )
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Domingo, 31/05
Sexta-Feira, 29/05
Semana teve poucas alterações nos preços físico do milho (09:59)
China deixará mercado de frango dos EUA durante recuperação (09:48)
Conselho do FCO aprova R$ 146,1 milhões em investimentos em MS (09:47)
Alojamento de pintos de corte caiu menos do que o esperado pela Apinco (09:46)
Soja: mercado ainda caminha de lado na Bolsa de Chicago nesta 6ª feira (08:02)
FRANGO/CEPEA: poder de compra frente ao farelo de soja é o mais baixo em dois anos (07:53)
Preço do boi gordo teve um ganho de 1,23% nesta semana no RS (07:44)
Suíno: cotação caiu 3,4% nas granjas paulistas em uma semana (07:41)
Preços para a suinocultura independente têm leve alta ou estabilidade nesta semana (07:40)
Suínos: mês se encaminha para o final com cotações mistas (07:37)
Milho cai no mercado físico com início da colheita, mas sobe na B3 (07:28)
Soja em Chicago pode mudar patamar de preços com influência do mercado climático nos EUA a partir de junho (07:21)
Produtores de soja tiveram 1º quadrimestre com resultado financeiro positivo (07:19)
Quinta-Feira, 28/05
Por um país mais cooperativo, por Francisco Turra (10:17)
Milho começa a 5ª feira subindo na B3 e em Chicago (09:35)
Frigoríficos temem perder mercado após interdições por Covid-19 (09:30)
BRF busca manter oferta ajustada às curvas da demanda (09:19)
Frango Americano projeta crescimento de 30% com apoio do Governo do Tocantins (09:18)
Pandemia já afeta produção de carne bovina (09:15)
Pela primeira vez, produção global de carne de frango deve ser maior que a de proteína suína (09:11)
Aviagen Brasil mostra espírito solidário com doações no interior de São Paulo (09:04)
Soja caminha de lado em Chicago nesta 5ª feira (08:32)
Suínos: vendas aumentam e elevam preços em maio (08:15)
Boi Gordo: mercado externo aquecido e menor oferta interna sustentam preços (08:13)
Indústrias estão oferecendo mais pela arroba do boi gordo (08:10)
Milho cai no mercado físico e na B3 seguindo baixa do dólar (08:03)
Soja brasileira está US$0,10/bushel mais cara que a americana (08:00)
Quarta-Feira, 27/05
Sindirações lança guia de boas práticas na indústria de alimentação animal para o enfrentamento da Covid-19 (15:23)
Milho: 4ª feira começa com resultados em campo misto na B3 (09:29)
PIB agropecuário crescerá até 2,5%,diz Ipea (09:13)
Mais proteína na cesta básica (09:12)
Soja em Chicago dá continuidade às últimas altas e segue em campo positivo nesta 4ª feira (08:50)
Agroindústrias de SC doam R$ 35 milhões para o combate à pandemia (08:24)
Ministra destaca trabalho do Mapa para garantir abastecimento durante a pandemia (08:21)
Suínos: cotações começam a ceder, principalmente para animal vivo (08:12)
Milho cai no mercado físico e na B3 nesta 3ª feira (08:10)
Boi: vencimentos futuros finalizam a 3ª feira com leves baixas na B3 (08:08)
Boi Gordo registra pouca oferta de boiadas e sem progresso nas escalas de abate (08:06)
Mercado climático pode fazer soja em Chicago buscar os US$ 9,00/bushel (08:00)
USDA: plantios de soja e milho avançam bem nos EUA e ficam dentro das expectativas (07:55)
Senado aprova prorrogação de vencimento de dívidas rurais (07:51)
Operações de embarque de grãos em berço de Paranaguá param após caso de Covid-19 (07:49)
Terça-Feira, 26/05
ACAV reitera compromisso firmado com o governo de SC em busca de soluções adequadas ao Estado (10:17)
Maioria dos funcionários da BRF volta ao trabalho em SC (08:49)
Empresários preveem que oferta de produtos agrícolas será mantida (08:48)
Preços do milho andam de lado no mercado brasileiro (08:37)
Soja sobe em Chicago nesta 3ª feira, retomando negócios pós feriado nos EUA em campo positivo (08:36)
CNA e FEBRABAN discutem medidas estruturantes para o Agro (08:31)
Suíno: cotações mistas e altas mais discretas nesta segunda-feira (08:26)
Exportação de suínos deve ser recorde em maio; no caso das aves, preços vêm caindo (08:24)
Mais de 93% dos trabalhadores da BRF em Concórdia/SC voltam ao trabalho (08:18)
Em SP, antecipação do feriado deixou mercado do boi calmo (08:09)
Contratos futuros do boi finalizam a sessão desta 2ª feira sem grandes movimentações na B3 (08:07)
Média diária exportada de carne bovina in natura teve um aumento de 34,54% frente ao ano passado (08:06)
Milho se movimenta pouco no mercado físico brasileiro (08:05)
Soja: semana começa com foco do produtor nos prêmios diante da pressão do dólar e de Chicago (08:00)
Exportação de soja do Brasil alcança 12,2 mi t no mês e já supera maio de 2019 (07:50)