Segunda-feira, 24 de Fevereiro de 2020
Ciência e Tecnologia

Nos laboratórios, a carne do futuro está quase no ponto
São Paulo, SP, 15 de Maio de 2019 - Em mais um passo nessa direção, a Cargill anunciou ontem que fará um aporte na startup israelense Aleph Farms, que desenvolve bifes 3D. A múlti americana faz parte de um grupo de empresas, liderado pela VisVires New Protein, que decidiu financiar o que parecia impossível e, juntas, alocaram US$ 12 milhões na Aleph. O objetivo é que o bife 3D chegue ao mercado comercial em um prazo de três a cinco anos.

Não foi a primeira rodada realizada pela Aleph para atrair investimentos. Fundada em 2017, a empresa já havia levantado US$ 2,25 milhões para suas pesquisas com The Kitchen, Peregrine Ventures, CPT Capital e New Crop Capital.

"A tecnologia pesquisada não é geneticamente modificada e depende de um processo natural que ocorre nas vacas para regenerar e construir tecidos musculares". A descrição poderia ter sido pensada por Steven Spielberg, mas está disponível no site da Aleph Farms. A empresa desenvolveu uma maneira de isolar as células responsáveis por esse processo e cultivá-las fora do animal para formar o mesmo tecido complexo típico dos bifes.

Também não é o primeiro investimento da Cargill em carne de laboratório. Em 2017, a companhia foi uma das primeiras "patrocinadoras" da Memphis Meats, fundada em 2005 e que se tornou uma das líderes no desenvolvimento de carne a partir de células animais. A Tyson Foods, maior produtora de carnes dos Estados Unidos, foi outra gigante que investiu na Memphis, em 2018.

A produção de carne em laboratório responde a uma grande demanda do consumidor, sobretudo em países desenvolvidos: a redução do impacto ambiental da produção de carne e o bem-estar animal. Nos laboratórios, a carne ainda é carne, mas não há animais abatidos nem a emissão de gases de efeito estufa.

"Comer realmente carne sem causar toda a destruição do planeta é o que significa 'carne limpa'", aponta um vídeo institucional da Just Meat Company, que tem sede em San Francisco, nos EUA, e aposta na produção de carne de frango a partir de células coletadas de penas das aves.

As startups defendem que a carne de laboratório também é mais segura do ponto de vista alimentar, já que não apresenta risco de doenças animais e não precisam de antibióticos ou vacinas para ser produzidas.

Com os investimentos crescentes, espera-se abreviar o tempo para a chegada da carne de laboratório no prato do consumidor. Não há nada do gênero nas gôndolas e nem legislação que regule esse mercado.

A realidade mais próxima hoje são as alternativas desenvolvidas a partir de vegetais. Exemplos de startups nessa área não faltam, e já há oferta disponível para consumo. Esse mercado também cresce a reboque de mudanças nos hábitos de consumidores que querem reduzir a ingestão de proteína animal.

A própria Cargill investe nessa área. Nesse sentido, em 2018 anunciou uma joint-venture com Puris, maior produtora de proteína de ervilha na América do Norte.

E há outros movimentos importantes nessa frente. Nesta semana, informou a agência Reuters, a Impossible Foods, que produz hambúrguer sem carne, fez uma rodada com investidores e atraiu cerca de US$ 300 milhões. Apostaram na empresa Bill Gates, cofundador da Microsoft, além de Google, UBS e Temasek.

Na semana passada, a americana Beyond Meat, fabricante de carne à base de vegetais, lançou seus papéis na bolsa de Nasdaq, com um valor de mercado inicial de US$ 1,5 bilhão. O montante já saltou para a casa dos US$ 4 bilhões.

Segundo da Grand View Research, o mercado de produtos que substituem alimentos à base de carne deverá alcançar US$ 5,8 bilhões até 2022, e ninguém quer perder uma fatia desse mercado.

(Valor) (Kauanna Navarro)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Segunda-Feira, 24/02
Estados Unidos reabrem mercado para carne in natura do Brasil (15:05)
Sexta-Feira, 21/02
Unidade brasileira da Vetanco realiza Convenção de Vendas 2020 (15:07)
Cadeia de frango da China se abre em meio ao caos das medidas de vírus (13:58)
Frango: apesar da fraca demanda, custo de produção elevado faz com que avicultor aumente preço (13:40)
Cotações do milho no mercado físico tem perdido força (13:30)
Milho: cotações registram leves altas em Chicago (13:25)
Soja: à espera de novas compras da China, mercado em Chicago segue estável (13:22)
Programa Ovos RS promove curso de Boas Práticas de Fabricação para Fábricas de Ração (09:33)
Boi: preços de balcão em SP giram ao redor de R$200,00/@ (09:15)
Praticamente metade da safra do milho já está colhida no RS (08:38)
Surto de vírus não mudará compromissos da China de comprar produtos dos EUA (08:37)
CNA diz que MP do Agro dá mais alternativas de financiamento e simplifica acesso ao crédito (08:26)
Suíno: animal vivo segue valorizado nas principais praças (07:55)
Mercado do boi gordo está firme (07:53)
Oferta restrita dá sustentação ao mercado de carne bovina no atacado (07:52)
Milho fecha a 5ª feira desvalorizado em Chicago após encontro do USDA (07:51)
Soja mais barata no Brasil do que nos EUA pressiona Chicago mais uma vez (07:48)
Quinta-Feira, 20/02
Exportações de genética avícola decrescem em janeiro (11:03)
Suínos: poder de compra frente ao milho é o mais baixo desde Fev/19 (10:22)
Boi: abate cai no final de 2019 e confirma baixa oferta (10:21)
Milho: Vendedores tem mostrado interesse em negociar, enquanto o comprador se abastece para os próximos dias (09:20)
Boi: A queda das cotações no mercado atacadista influenciou as tentativas de compra (09:16)
Vetanco participa do Show Rural Coopavel 2020 (09:01)
Milho abre a 5ª feira com baixas em Chicago à espera de números do USDA (09:00)
Soja recua em Chicago nesta 5ª feira (08:00)
Suíno: cotações estáveis em São Paulo; animal vivo segue valorizado nas principais praças produtoras (07:16)
APA divulga programa definitivo do Congresso de Ovos 2020 (07:01)
CNA discute impactos da reforma tributária para o Agro (06:59)
Pouco boi provoca alta significativa no Norte do país (06:55)
Milho cai em Chicago nesta 4ª feira (06:51)
Poucos negócios novos com a soja brasileira (06:48)
Quarta-Feira, 19/02
Katayama Alimentos é a primeira indústria brasileira a produzir ovos em grande escala com o “Certificado Ovos Livres de Antibióticos” (14:38)
Avicultores conferem as tendências dos mercados de grãos e ovos no primeiro Qualificaves de 2020 (14:34)
Milho: aos poucos os vendedores tem ofertado mais volumes (10:36)
China garantirá mais fornecimento de aves em meio a epidemia (10:30)
ABPA vai propor criação de sistema de prevenção à gripe aviária no Cone Sul (10:01)
Tocantins registrou a maior alta para o boi gordo em fevereiro (09:32)
Milho abre a quarta-feira levemente em queda na Bolsa de Chicago (08:45)
Soja em Chicago segue caminhando de lado nesta 4ª feira, Brasil ainda tem preços firmes (08:30)
Embarque da China para Brasil cai 50% (08:07)
Suíno: cotações seguem subindo (07:14)
China alerta para impacto do coronavírus sobre suprimento de frango e ovos (07:12)
Turra projeta crescimento na produção de carne suína e de frangos (07:10)
Milho sobe em Chicago nesta terça-feira (07:05)
Isenção tarifária e a redução dos fretes marítimos abrem portas para demanda chinesa sobre a soja americana (07:00)
Terça-Feira, 18/02
ABPA apoia VI AVISULAT 2020 (14:46)
APA e CDA dão oportunidade de treinamento para a habilitação de emissão de GTA durante o Congresso de Ovos (12:38)
Milho abre a 3ª feira com altas em Chicago após feriado americano (09:25)
Brasil quer criar bloco continental para defesa sanitária (08:28)
Suíno: São Paulo começa a semana com aumento no preço da arroba suína (08:18)
Soja: mercado opera em alta na Bolsa de Chicago com volta do feriado dos EUA (08:15)
Sem movimentações em Chicago, milho sobe na B3 nesta 2ª feira (08:12)
Disponibilidade ainda limitada de soja no Brasil provoca altas comedidas nos fretes (08:00)
IPPA/CEPEA: índice inicia 2020 em queda (07:50)