Sábado, 30 de Maio de 2020
Mercado Externo

Apesar do jejum, Ramadã faz crescer demanda por alimentos
São Paulo, 15 de Maio de 2019 - Um mês de jejum durante o dia. E de encontros e refeições partilhadas após o pôr do sol. Para os muçulmanos, o calendário da religião aponta o ano de 1440 e a época é de Ramadã, mês que impacta também o calendário comercial dos países árabes. Neste período, as refeições noturnas começam com a quebra do jejum (Iftar). É costume iniciar a alimentação com tâmara e seguir com banquetes para reunir parentes e amigos.

São essas reuniões e a tradição de doar alimentos aos pobres que influenciam no comércio e importação de alimentos. “Logicamente, nos meses que antecedem o Ramadã as movimentações e compras aumentam. Há consumo maior na região e o estoque também cresce. As pessoas acabam estocando mais para atender a demanda, porque esses países recebem muitos turistas, além de pessoas de fora que retornam aos seus países de origem em função da celebração”, afirmou Mohamed Hussein El Zoghbi, presidente da Federação das Associações Muçulmanas do Brasil (Fambras), em entrevista à ANBA.
E quais os impactos no setor de alimentos do Brasil em decorrência do Ramadã? “Os contratos [com países árabes] são fechados com antecedência de pelo menos três meses, porque além da produção, há o embarque e a estocagem. E tudo que você compra leva um tempo para chegar ao seu destino. As compras começam a se normalizar no mês do Ramadã. As exportações, você vai ver [subirem] nos meses que antecedem, com certeza”, declarou Zoghbi.

Além do consumo noturno, o estoque se dá em decorrência da redução das atividades comerciais, feitas habitualmente durante o dia e que diminuem no Ramadã. Entre os produtos que têm maiores demandas estão alguns de grande produção no Brasil, frango, carne bovina e soja. Itens industrializados como sopas e sucos também têm vendas ampliadas pela época. Entre os árabes, agricultores de tâmara intensificam a produção.

Do Brasil para os árabes
Este ano o Ramadã teve início em 05 de maio, e o aumento nos embarques de alimentos do Brasil aos países árabes pode ser visto a partir de março. Foram 1,05 millhão de toneladas, frente a 963 mil toneladas em fevereiro. A tendência vem seguindo até o mês de abril, que antecede a celebração.

Um dos principais mercados para o setor produtivo de carne de frango do Brasil, o bloco de países árabes aumenta sua demanda no período. No comparativo entre abril de 2018 e abril de 2019, a venda de frango aos países árabes cresceu 34,9% em volume, para 338,9 mil toneladas, segundo dados da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA).

Acarne bovina e a soja também apresentaram maior movimentação. De acordo com dados da Inteligência de Mercado da Câmara de Comércio Árabe Brasileira, em abril de 2019 em relação ao mesmo mês de 2018, houve crescimento de 107% na exportação de carne bovina, chegando a 24,45 mil toneladas. Já as vendas de soja no mesmo comparativo subiram 58,34%, somando 116 mil toneladas do produto.
Ainda no comparativo dos meses de abril deste ano e do ano passado, os embarques totais de alimentos seguiram em variação positiva de 46,13%, atingindo 926,25 mil toneladas exportadas. Embora possam existir variações nesse crescimento em alguns anos, Zoghbi explica que elas não afetam a tendência natural de aumento. “O mercado é consistente. É um mercado muito importante para o Brasil. São sempre assim sazonais e nessa época dois meses antes sobem as vendas. Já no mês do Ramadã, caem um pouco por causa dos estoques”, apontou.
(ANBA ) (Thais Sousa)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Sábado, 30/05
Sexta-Feira, 29/05
Semana teve poucas alterações nos preços físico do milho (09:59)
China deixará mercado de frango dos EUA durante recuperação (09:48)
Conselho do FCO aprova R$ 146,1 milhões em investimentos em MS (09:47)
Alojamento de pintos de corte caiu menos do que o esperado pela Apinco (09:46)
Soja: mercado ainda caminha de lado na Bolsa de Chicago nesta 6ª feira (08:02)
FRANGO/CEPEA: poder de compra frente ao farelo de soja é o mais baixo em dois anos (07:53)
Preço do boi gordo teve um ganho de 1,23% nesta semana no RS (07:44)
Suíno: cotação caiu 3,4% nas granjas paulistas em uma semana (07:41)
Preços para a suinocultura independente têm leve alta ou estabilidade nesta semana (07:40)
Suínos: mês se encaminha para o final com cotações mistas (07:37)
Milho cai no mercado físico com início da colheita, mas sobe na B3 (07:28)
Soja em Chicago pode mudar patamar de preços com influência do mercado climático nos EUA a partir de junho (07:21)
Produtores de soja tiveram 1º quadrimestre com resultado financeiro positivo (07:19)
Quinta-Feira, 28/05
Por um país mais cooperativo, por Francisco Turra (10:17)
Milho começa a 5ª feira subindo na B3 e em Chicago (09:35)
Frigoríficos temem perder mercado após interdições por Covid-19 (09:30)
BRF busca manter oferta ajustada às curvas da demanda (09:19)
Frango Americano projeta crescimento de 30% com apoio do Governo do Tocantins (09:18)
Pandemia já afeta produção de carne bovina (09:15)
Pela primeira vez, produção global de carne de frango deve ser maior que a de proteína suína (09:11)
Aviagen Brasil mostra espírito solidário com doações no interior de São Paulo (09:04)
Soja caminha de lado em Chicago nesta 5ª feira (08:32)
Suínos: vendas aumentam e elevam preços em maio (08:15)
Boi Gordo: mercado externo aquecido e menor oferta interna sustentam preços (08:13)
Indústrias estão oferecendo mais pela arroba do boi gordo (08:10)
Milho cai no mercado físico e na B3 seguindo baixa do dólar (08:03)
Soja brasileira está US$0,10/bushel mais cara que a americana (08:00)
Quarta-Feira, 27/05
Sindirações lança guia de boas práticas na indústria de alimentação animal para o enfrentamento da Covid-19 (15:23)
Milho: 4ª feira começa com resultados em campo misto na B3 (09:29)
PIB agropecuário crescerá até 2,5%,diz Ipea (09:13)
Mais proteína na cesta básica (09:12)
Soja em Chicago dá continuidade às últimas altas e segue em campo positivo nesta 4ª feira (08:50)
Agroindústrias de SC doam R$ 35 milhões para o combate à pandemia (08:24)
Ministra destaca trabalho do Mapa para garantir abastecimento durante a pandemia (08:21)
Suínos: cotações começam a ceder, principalmente para animal vivo (08:12)
Milho cai no mercado físico e na B3 nesta 3ª feira (08:10)
Boi: vencimentos futuros finalizam a 3ª feira com leves baixas na B3 (08:08)
Boi Gordo registra pouca oferta de boiadas e sem progresso nas escalas de abate (08:06)
Mercado climático pode fazer soja em Chicago buscar os US$ 9,00/bushel (08:00)
USDA: plantios de soja e milho avançam bem nos EUA e ficam dentro das expectativas (07:55)
Senado aprova prorrogação de vencimento de dívidas rurais (07:51)
Operações de embarque de grãos em berço de Paranaguá param após caso de Covid-19 (07:49)
Terça-Feira, 26/05
ACAV reitera compromisso firmado com o governo de SC em busca de soluções adequadas ao Estado (10:17)
Maioria dos funcionários da BRF volta ao trabalho em SC (08:49)
Empresários preveem que oferta de produtos agrícolas será mantida (08:48)
Preços do milho andam de lado no mercado brasileiro (08:37)
Soja sobe em Chicago nesta 3ª feira, retomando negócios pós feriado nos EUA em campo positivo (08:36)
CNA e FEBRABAN discutem medidas estruturantes para o Agro (08:31)
Suíno: cotações mistas e altas mais discretas nesta segunda-feira (08:26)
Exportação de suínos deve ser recorde em maio; no caso das aves, preços vêm caindo (08:24)
Mais de 93% dos trabalhadores da BRF em Concórdia/SC voltam ao trabalho (08:18)
Em SP, antecipação do feriado deixou mercado do boi calmo (08:09)
Contratos futuros do boi finalizam a sessão desta 2ª feira sem grandes movimentações na B3 (08:07)
Média diária exportada de carne bovina in natura teve um aumento de 34,54% frente ao ano passado (08:06)
Milho se movimenta pouco no mercado físico brasileiro (08:05)
Soja: semana começa com foco do produtor nos prêmios diante da pressão do dólar e de Chicago (08:00)
Exportação de soja do Brasil alcança 12,2 mi t no mês e já supera maio de 2019 (07:50)