Segunda-feira, 06 de Julho de 2020
Exportação

Controle sanitário em granjas no Brasil garante vendas para China, que sofre com peste suína
São Paulo, 13 de Maio de 2019 - A China vai ter que importar mais carne de porco por causa da peste suína africana e, no Brasil, as granjas contam com controles sanitários para garantir a saúde dos rebanhos e aumentar as vendas para o país.

Em Santa Catarina, por exemplo, boa parte da carne suína que sai dos portos tem a China como destino. Só no mês de março, 40% do total embarcado no estado foi para o mercado chinês, que comprou 12 mil toneladas.

"Cada vez mais a China vai ser o mercado para se olhar e exportar carne suína, porque a gente vê que 48% da produção mundial está na China e eles estão passando por uma dificuldade sanitária, abatendo rebanhos inteiros. É uma oportunidade para o Brasil exportar para aquele país e cada vez mais melhorar essa questão comercial", diz Lozivanio Lorenzi, presidente da Associação Catarinense dos criadores suínos.

O estado espera poder ocupar mais espaço nas exportações e, para isso, não descuida do controle sanitário dos rebanhos.

"Dentro da cadeia de produção nós temos inúmeras barreiras pelas quais controlamos e monitoramos toda a sanidade de nossos plantéis. Barreiras tão efetivas que são o que há de melhor no mundo em segurança na produção. São barreiras que controlam toda a entrada de materiais, todos os materiais, antes de entrar na granja, passam por desinfecção. E também tem o controle de pessoas", diz José Antônio Ribas Júnior, diretor da Seara.

A 'blindagem' na prática
Para conhecer mais sobre essa "blindagem sanitária" de toda a cadeia, o Globo Rural visitou uma granja integrada à agroindústria, em Seara, no Oeste catarinense.

Antes de entrar na ganja, a reportagem passou por todo o protocolo de biosseguridade. Óculos, relógio e crachá tiveram que ser deixados em um armário. Foi preciso ainda passar pela área de banho e troca de roupas, procedimento faz parte da barreira sanitária, que funciona como divisão de áreas: a suja e a limpa.
O equipamento usado para gravar gravação também foi desinfetado antes de iniciar a visita.

A granja é fechada, com um sistema de pressão negativa, que usa exaustores e placas de resfriamento para controle de temperatura. O contato com os animais fica restrito aos funcionários e técnicos, e eles também seguem todo o protocolo de segurança. Esse procedimento cria uma barreira evitando a entrada de doenças.

"A gente tem que seguir à risca porque está na nossa mão. Se deixar um pouco flexível, já começa a gerar problemas. Então a gente tenta proteger 100%", diz o criador Rodrigo Bisollo.
A granja de Rodrigo tem 1,2 mil matrizes e uma produção mensal de quase 3 mil leitões. Ele investiu em torno de R$ 5 milhões na produção e está otimista com os resultados.

"A gente precisa de todo um contexto para conseguir criar esses animais com qualidade. Mas, com certeza, um mercado novo é uma porta para conseguir ganhar um valor a mais."

Oportunidade local
Com as grandes agroindústrias voltadas ao mercado internacional, os produtores independentes têm mais espaço para explorar o mercado interno.

É o caso do suinocultor Bazilio Knakiewicz, que tem uma pequena propriedade em Nova Erechim. Ele entrega cerca de 200 animais por mês para frigoríficos da região e conta que, nos dois últimos anos, os preços estavam baixos, mas agora já sente uma mudança no mercado.

"O faturamento bruto de um suíno terminado hoje fica em torno de R$ 100 a mais do que estava há seis meses. Com esse diferencial dá para a gente respirar."

Vale lembrar que existem dois tipos de peste suína: a africana e a clássica. No Brasil, existem focos da peste clássica em criações caseiras de alguns estados do Nordeste. A que está preocupando tanto na China é a peste suína africana, muito mais contagiosa e, hoje, não existem focos no Brasil.
(Globo Rural) (Assessoria de imprensa)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Segunda-Feira, 06/07
China suspende exportações de mais duas unidades brasileiras (09:47)
Terceirização em frigoríficos da Alemanha na berlinda (09:45)
Ovos/CEPEA: cotações encerram junho em queda (09:43)
Milho/CEPEA: movimento de alta continua, e indicador se aproxima dos R$50/sc (09:41)
Soja sobe forte nesta 2ª feira (08:28)
JBS recebe aval para reabrir unidade de Passo Fundo após surto de Covid-19 (07:28)
Saúde pública JBS recebe aval para reabrir unidade de Passo Fundo após surto de Covid-19 (07:25)
Sexta-Feira, 03/07
China absorve 10% de toda carne bovina produzida no Brasil (08:46)
Frangos, pintainhos e até ovos: caminhoneiro conta como carrega carga viva (08:44)
Inspeções na China devem atrasar fluxo nos portos (08:43)
Quinta-Feira, 02/07
Suínos: cotações encerram junho em alta (09:35)
Boi: vantagem da carne sobre boi se reduz em junho (09:30)
Milho fecha 1º dia do mês subindo no mercado brasileiro (07:37)
Apesar de safra recorde de soja, país deve fechar ano com menor estoque da história (07:27)
Soja: Brasil fecha semestre com embarques de mais de 63 mi de t, 43% a mais na comparação anual (07:19)
Quarta-Feira, 01/07
Plano Safra 2020/2021 entra em vigor nesta 4ª feira (09:52)
Frigoríficos: Paim quer anular portarias com medidas de prevenção que ele considera ineficazes (09:45)
Surpresa no relatório de área plantada eleva preços de soja e milho em Chicago (08:00)
Terça-Feira, 30/06
Mato Grosso já colheu 31,56% da segunda safra de milho; preços caíram 17% no mês (09:18)
O uso de imunomoduladores e betaglucanos nas aves é tema do novo episódio do podcast da FACTA (09:01)
China suspende importações de carne de três frigoríficos brasileiros devido à Covid-19 (06:26)