Quinta-feira, 04 de Junho de 2020
Matérias-Primas

Clima colabora e safrinha de milho deve ser recorde
São Paulo, SP, 10 de Maio de 2019 - A antecipação do plantio de soja neste ciclo 2018/19 provocou perdas de produtividade nas lavouras da oleaginosa em diversos Estados do país, mas será responsável pela maior safrinha de milho da história. Isso porque praticamente 100% da área de inverno do cereal foi plantada dentro da "janela ideal" de semeadura - que vai até o fim de fevereiro -, o que garantiu bom rendimento.

Levantamento divulgado ontem pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) confirma o que já vinham sinalizando agricultores, analistas e consultorias: a safrinha será recorde. Conforme a estatal, o volume alcançará 69,1 milhões de toneladas, quase 30% maior que o do ciclo 2017/18, quando o clima foi desfavorável e provocou quebra em diversos polos produtivos, e volume superior ao recorde atual, de 2016/17 (67,4 milhões). Em relação à estimativa de abril, a de ontem apresenta aumento de 1 milhão de toneladas.



"As estrelas se alinharam e favoreceram a safrinha", brincou Guilherme Bellotti, analista sênior de agronegócio do Itaú BBA. Afora a janela ideal de plantio propiciada pela antecipação da semeadura de soja - que, geralmente, é a primeira cultura produzida na safra por agricultores que plantam milho safrinha -, o clima tem ajudado no desenvolvimento das lavouras.

"O clima acabou favorecendo bem. Não é à toa que temos visto sucessivas revisões de produção para cima", completou Bellotti. A própria Conab sinalizou que poderá efetuar novas correções para cima nos próximos meses. Isso porque, conforme o diretor de política agrícola e informações da estatal, Guilherme Bastos, as condições de solo e umidade estão "muito boas".

Nesta semana, a consultoria AgRural já foi mais otimista que a Conab, ao projetar a segunda safra de milho em 73,5 milhões de toneladas em 2018/19, 6 milhões de toneladas acima da projeção que divulgou em abril.

Se os sucessivos aumentos das projeções dão ânimo aos produtores, por outro faz cair as cotações do milho no mercado interno. Segundo o indicador de preços do milho da Esalq/BM&FBovespa, a saca de 60 quilos do cereal recuou 15% neste ano no mercado doméstico e cerca de 20% no acumulado de 12 meses.

No mercado externo, o cenário também não é muito animador, com cotações em queda em Chicago, refletindo impasses nas negociações entre Estados Unidos e China e as boas estimativas de produção no Brasil e na Argentina. Somente neste ano, a commodity acumula queda de 4,9% na bolsa de Chicago. Em 12 meses, a desvalorização é de 9,7%.

Ontem, a Conab manteve a perspectiva de abril de exportação de 31 milhões de toneladas de milho da safra 2018/19. Apesar de representar um aumento de pouco mais de 6 milhões de toneladas sobre o ciclo 2017/18, ainda será insuficiente para balancear a oferta de 110 milhões de toneladas - 95,3 milhões de toneladas de produção total no ciclo e estoques iniciais de 14,2 milhões de toneladas. O consumo interno do cereal está projetado em 62,5 milhões de toneladas.

"O Brasil teria de exportar mais para segurar quedas nos preços do milho, mas o cenário não é favorável", ponderou o analista do Itaú BBA. De acordo com ele, a questão do tabelamento do frete segue pressionando o preço do milho direcionado ao mercado exportador.

Ele pontua que atualmente, se a tabela fosse aplicada, representaria um aumento de entre R$ 5 e R$ 6 em relação ao valor precificado pelo mercado na rota de Sorriso (MT) até o porto de Paranaguá (PR). "Mas a verdade é que não temos milho para exportar neste momento. O que sabemos é que há um compromisso de maior fiscalização do frete aplicado e isso deve pesar na formação do preço do milho", disse.

Enquanto os fundamentos de oferta e demanda pelo cereal são baixistas, o produtor pode ter esperanças no cenário cambial. O dólar comercial tem flertado com a cotação de R$ 4, refletindo questões macroeconômicos e políticas, especialmente, o andamento da reforma da Previdência, que está na Comissão Especial da Câmara dos Deputados.

(Valor) (Kauanna Navarro)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Quinta-Feira, 04/06
Milho: B3 abre a quinta-feira com poucas movimentações e de olho na colheita (10:19)
Suínos: demanda chinesa elevada faz com que exportações brasileira atinjam recorde (09:24)
Boi Gordo/CEPEA: média mensal da arroba é a terceira maior da série (09:22)
Soja opera estável na Bolsa de Chicago nesta 5ª feira (08:10)
ACAV Conecta aborda o agronegócio após a Covid-19 (06:50)
Justiça americana indicia ceo da Pilgrim's por suposta fixação de preço de frango (06:48)
Boi Gordo: transição safra – entressafra ficou para trás (06:37)
Suíno: cotações mistas marcaram a 4ª feira (06:35)
Milho termina a 4ª feira desvalorizado no Brasil (06:33)
Valorização do real fez soja brasileira perder competitividade frente a americana (06:30)
China cancela embarques de compras de produtos agrícolas dos EUA, afirma The Wall Street Journal (06:27)
Quarta-Feira, 03/06
Covid-19: empresa pode responder por contágio (09:31)
Consumo de frango no Brasil é três vezes maior do que em 1990 (09:30)
Rumos do consumo pós-crise ainda estão indefinidos, diz JBS (09:28)
Soja dá continuidade às altas na Bolsa de Chicago nesta 4ª feira (08:32)
Asgav e Programa Ovos RS realizam em julho atividades de qualificação em formato virtual (08:27)
Suíno: preços estáveis ou com leves altas nesta terça-feira (08:22)
Vietnã habilita 4 plantas de aves e 1 de suínos para importar carne do Brasil (08:21)
Milho: mercado físico brasileiro se movimenta pouco nesta terça-feira (08:08)
Soja: produtor brasileiro só deve voltar às vendas internacionais no segundo semestre (08:05)
Embarques de soja do BR devem desacelerar a partir de julho, após recorde de volume até maio (08:00)
Terça-Feira, 02/06
JBS de Ipumirim volta às atividades: “outro ânimo para trabalhar”, diz produtor (09:10)
Soja: mercado em Chicago trabalha em campo positivo nesta 3ª feira (08:13)
ABPA afirma que o Brasil está pronto para exportar mais carnes para a China durante imbróglio com os EUA (07:39)
Embarques de carne suína batem recorde para um mês de maio (07:36)
Preço pago pelo quilo do suíno vivo no RS inicia junho estável (07:35)
Suíno: cotações estáveis ou em alta neste início de junho (07:34)
Boi: escalas de abate recuam e dão fortes indicações que a oferta de animais será menor neste final de safra (07:32)
Milho começa junho se desvalorizando no Brasil (07:29)
USDA: plantio do milho chega a 93% e 60% da soja está em boas/excelentes condições (07:27)
Soja em Chicago fica estável (07:24)
Segunda-Feira, 01/06
Governo de SC auxilia em processo de reabertura do frigorífico de Ipumirim (15:57)
FACTA lança podcast sobre avicultura (15:09)
Perspectivas dos preços de insumos e ração animal para aves e suínos para 2020 (13:45)
Webinar da Aviagen explora os meios para alcançar uma saúde intestinal ideal (09:51)
Milho começa a semana com leves quedas na B3 e em Chicago (09:46)
Soja inicia junho com estabilidade em Chicago (08:42)
China pede a estatais que parem compras de soja e carne suína dos EUA, dizem fontes (08:30)
Ministério da Agricultura recomenda que sacrifício de animais seja última opção (08:27)
‘É melhor abater no concorrente do que jogar a carne fora’ ,diz especialista em saúde animal (08:26)
Cooperativas do Sul discutem impactos da pandemia na indústria frigorífica (08:08)
Testes de salmonella acontecem antes, durante e após o abate dos frangos (08:07)
MAPA divulga consórcios municipais selecionados para participar do projeto de ampliação do mercado de Produtos de Origem Animal (08:02)
JBS tem aval da Justiça do trabalho para reabrir planta de Ipumirim, SC (08:00)
Em consulta pública, MAPA colhe sugestões sobre atos normativos da Defesa Agropecuária (07:58)
Ovos/CEPEA: menor demanda no fim de maio acentua desvalorização (07:43)
Milho: colheita da segunda safra avança e enfraquece preços (07:42)
Suíno: cotações ficam estáveis no fechamento de maio (07:33)
Embora calmo, o mercado do boi está firme (07:31)
BRF diz que contraprova de Covid-19 em fábricas em SC e RS confirma número baixo de positivos (07:19)
Sexta-Feira, 29/05
Semana teve poucas alterações nos preços físico do milho (09:59)
China deixará mercado de frango dos EUA durante recuperação (09:48)
Conselho do FCO aprova R$ 146,1 milhões em investimentos em MS (09:47)
Alojamento de pintos de corte caiu menos do que o esperado pela Apinco (09:46)
Soja: mercado ainda caminha de lado na Bolsa de Chicago nesta 6ª feira (08:02)
FRANGO/CEPEA: poder de compra frente ao farelo de soja é o mais baixo em dois anos (07:53)
Preço do boi gordo teve um ganho de 1,23% nesta semana no RS (07:44)
Suíno: cotação caiu 3,4% nas granjas paulistas em uma semana (07:41)
Preços para a suinocultura independente têm leve alta ou estabilidade nesta semana (07:40)
Suínos: mês se encaminha para o final com cotações mistas (07:37)
Milho cai no mercado físico com início da colheita, mas sobe na B3 (07:28)
Soja em Chicago pode mudar patamar de preços com influência do mercado climático nos EUA a partir de junho (07:21)
Produtores de soja tiveram 1º quadrimestre com resultado financeiro positivo (07:19)