Quinta-feira, 04 de Junho de 2020
Exportação

Ministra apresenta a japoneses áreas do agronegócio com potencial de investimento

Tereza Cristina reuniu-se com representantes de Agência de Cooperação Internacional do Japão (Jica) e federação das indústrias do país (Keidanren).
Brasília, DF, 09 de Maio de 2019 - A ministra Tereza Cristina (Agricultura, Pecuária e Abastecimento) iniciou nesta quinta-feira (9) agenda de compromissos no Japão. O primeiro foi uma reunião com o vice-presidente da Agência de Cooperação Internacional do Japão (Jica), Kazuhiko Koshikawa, e demais membros da organização.

Na reunião, a ministra, acompanhada do embaixador do Brasil no Japão, Eduardo Saboia, apresentou dados da produção agrícola e áreas com potencial de investimento externo.

Tereza Cristina ressaltou que a Jica é uma “parceira de longa data” do Brasil, citando o Programa de Cooperação Nipo-Brasileira para o Desenvolvimento dos Cerrados (Prodecer), que tem mais de 40 anos de criação. Na avaliação da ministra, uma das áreas com possibilidade de atuação conjunta é a Matopiba (que compreende o bioma Cerrado dos estados do Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia e responde por grande parte da produção brasileira de grãos e fibras).

“Viemos reavivar essas relações de cooperação, amizade e parceria tecnológica com essa instituição que tanto já ajudou o Brasil e queremos que continue sendo nosso parceiro principal aqui no Japão”, disse a ministra.

O vice-presidente da Jica saudou a melhora no ambiente de negócios no Brasil e relembrou parcerias com o país nas décadas de 1970 e 1980, como exploração de minérios em Carajás (PA) e o complexo Celulose Nipo-Brasileira (Cenibra), instalado em Minas Gerais. Koshikawa demonstrou interesse em repetir grandes empreendimentos como esses no Brasil.

A Jica comprometeu-se em ajudar o Brasil a atrair investimentos japoneses para infraestrutura de transporte dos produtos agropecuários (ferrovias, rodovias e aeroportos).

Depois, a delegação brasileira reuniu-se com a Federação das Indústrias do Japão (Keidanren).

Aos empresários japoneses, a ministra Tereza Cristina apresentou os setores do agronegócio brasileiro com interesse em investimentos externos. “Há oportunidades ao longo de todas as cadeias produtivas do agronegócio: insumos, maquinários, produção, processamento, estocagem, distribuição e transporte. O aumento contínuo da produtividade no campo será realizado via implementação de processos inovadores de produção. As principais áreas de inovação que o Brasil busca investimentos externos são: conectividade nas áreas rurais, isso é importantíssimo, agricultura de precisão, rastreabilidade, mecanização agrícola de última geração e automatização”, disse.

A ministra destacou ainda que além de "uma potência agrícola, o Brasil é também uma potência ambiental". Tereza Cristina citou que 66% do território nacional são cobertos de vegetação nativa e que o Código Florestal determina ao agricultor conservar de 20% a 80% da vegetação nativa, dependendo do bioma. Outra medida destacada pela ministra é a Integração Lavoura-Pecuária-Floresta (iPLF), que integra o Programa Agricultura de Baixo Carbono. Em 2016, conforme a ministra, cerca de 12,6 milhões de hectares já adotavam a prática de iPLF.

“O Brasil se soma à comunidade internacional na sua preocupação com os efeitos da mudança do clima na agricultura e na segurança alimentar”, disse.

Tereza Cristina ressaltou, aos representantes da Jica e da Keidanren, ainda as medidas adotadas pelo governo federal para melhoria do ambiente de negócios no país, entre elas a reforma da Previdência e a Medida Provisória da Liberdade Econômica, editada em abril, a reforma tributária, desburocratização e simplificação de processos. “Essas medidas devem tornar o Brasil um destino ainda mais atraente para investidores externos”, afirmou.

O embaixador Eduardo Saboia destacou que mais da metade das importações de carne e frango do Japão são provenientes do Brasil, o que atesta a qualidade dos produtos, já que o mercado japonês é considerado um dos mais exigentes do mundo. “Dobrar a qualidade e segurança da produção, melhorar o ambiente de negócios para investidores nacionais e estrangeiros. Em menos de seis meses de atuação, o ministério teve resultados importantes em áreas como agricultura familiar, pesca e ampliação de zonas de febre aftosa sem vacinação”.

Os empresários fizeram várias perguntas sobre conjuntura brasileira e oportunidades de negócios no país. O diretor da Keidanren, Takao Omae, ressaltou que o Brasil tem demonstrado interesse em se tornar mais competitivo na exportação de grãos e, para isso, pretende melhorar o escoamento da produção via portos. Ele lembrou que 80% da produção são escoadas via portos do Sul do Brasil, e que é preciso aumentar a participação dos portos localizados na Região Norte. Segundo ele, esse é um ponto de diálogo entre Japão e Brasil.

A ministra convidou os empresários a visitarem o interior do Brasil e também conhecerem áreas em que possam investir.De acordo com a ministra, 46 projetos estão em andamento no Programa de Parcerias de Investimentos (PPI), sendo 35 no setor de transporte, somando quase US$ 27 bilhões.

Na comitiva, estão presentes o secretário de Comércio e Relações Internacionais, Orlando Leite Ribeiro, demais integrantes do ministério e diplomatas, além de representantes de empresas brasileiras e deputados federais, entre eles o presidente da Frente Parlamentar da Agropecuária, Alceu Moreira (MDB-RS).
(MAPA) (Assessoria de Imprensa)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Quinta-Feira, 04/06
Milho: B3 abre a quinta-feira com poucas movimentações e de olho na colheita (10:19)
Suínos: demanda chinesa elevada faz com que exportações brasileira atinjam recorde (09:24)
Boi Gordo/CEPEA: média mensal da arroba é a terceira maior da série (09:22)
Soja opera estável na Bolsa de Chicago nesta 5ª feira (08:10)
ACAV Conecta aborda o agronegócio após a Covid-19 (06:50)
Justiça americana indicia ceo da Pilgrim's por suposta fixação de preço de frango (06:48)
Boi Gordo: transição safra – entressafra ficou para trás (06:37)
Suíno: cotações mistas marcaram a 4ª feira (06:35)
Milho termina a 4ª feira desvalorizado no Brasil (06:33)
Valorização do real fez soja brasileira perder competitividade frente a americana (06:30)
China cancela embarques de compras de produtos agrícolas dos EUA, afirma The Wall Street Journal (06:27)
Quarta-Feira, 03/06
Covid-19: empresa pode responder por contágio (09:31)
Consumo de frango no Brasil é três vezes maior do que em 1990 (09:30)
Rumos do consumo pós-crise ainda estão indefinidos, diz JBS (09:28)
Soja dá continuidade às altas na Bolsa de Chicago nesta 4ª feira (08:32)
Asgav e Programa Ovos RS realizam em julho atividades de qualificação em formato virtual (08:27)
Suíno: preços estáveis ou com leves altas nesta terça-feira (08:22)
Vietnã habilita 4 plantas de aves e 1 de suínos para importar carne do Brasil (08:21)
Milho: mercado físico brasileiro se movimenta pouco nesta terça-feira (08:08)
Soja: produtor brasileiro só deve voltar às vendas internacionais no segundo semestre (08:05)
Embarques de soja do BR devem desacelerar a partir de julho, após recorde de volume até maio (08:00)
Terça-Feira, 02/06
JBS de Ipumirim volta às atividades: “outro ânimo para trabalhar”, diz produtor (09:10)
Soja: mercado em Chicago trabalha em campo positivo nesta 3ª feira (08:13)
ABPA afirma que o Brasil está pronto para exportar mais carnes para a China durante imbróglio com os EUA (07:39)
Embarques de carne suína batem recorde para um mês de maio (07:36)
Preço pago pelo quilo do suíno vivo no RS inicia junho estável (07:35)
Suíno: cotações estáveis ou em alta neste início de junho (07:34)
Boi: escalas de abate recuam e dão fortes indicações que a oferta de animais será menor neste final de safra (07:32)
Milho começa junho se desvalorizando no Brasil (07:29)
USDA: plantio do milho chega a 93% e 60% da soja está em boas/excelentes condições (07:27)
Soja em Chicago fica estável (07:24)
Segunda-Feira, 01/06
Governo de SC auxilia em processo de reabertura do frigorífico de Ipumirim (15:57)
FACTA lança podcast sobre avicultura (15:09)
Perspectivas dos preços de insumos e ração animal para aves e suínos para 2020 (13:45)
Webinar da Aviagen explora os meios para alcançar uma saúde intestinal ideal (09:51)
Milho começa a semana com leves quedas na B3 e em Chicago (09:46)
Soja inicia junho com estabilidade em Chicago (08:42)
China pede a estatais que parem compras de soja e carne suína dos EUA, dizem fontes (08:30)
Ministério da Agricultura recomenda que sacrifício de animais seja última opção (08:27)
‘É melhor abater no concorrente do que jogar a carne fora’ ,diz especialista em saúde animal (08:26)
Cooperativas do Sul discutem impactos da pandemia na indústria frigorífica (08:08)
Testes de salmonella acontecem antes, durante e após o abate dos frangos (08:07)
MAPA divulga consórcios municipais selecionados para participar do projeto de ampliação do mercado de Produtos de Origem Animal (08:02)
JBS tem aval da Justiça do trabalho para reabrir planta de Ipumirim, SC (08:00)
Em consulta pública, MAPA colhe sugestões sobre atos normativos da Defesa Agropecuária (07:58)
Ovos/CEPEA: menor demanda no fim de maio acentua desvalorização (07:43)
Milho: colheita da segunda safra avança e enfraquece preços (07:42)
Suíno: cotações ficam estáveis no fechamento de maio (07:33)
Embora calmo, o mercado do boi está firme (07:31)
BRF diz que contraprova de Covid-19 em fábricas em SC e RS confirma número baixo de positivos (07:19)
Sexta-Feira, 29/05
Semana teve poucas alterações nos preços físico do milho (09:59)
China deixará mercado de frango dos EUA durante recuperação (09:48)
Conselho do FCO aprova R$ 146,1 milhões em investimentos em MS (09:47)
Alojamento de pintos de corte caiu menos do que o esperado pela Apinco (09:46)
Soja: mercado ainda caminha de lado na Bolsa de Chicago nesta 6ª feira (08:02)
FRANGO/CEPEA: poder de compra frente ao farelo de soja é o mais baixo em dois anos (07:53)
Preço do boi gordo teve um ganho de 1,23% nesta semana no RS (07:44)
Suíno: cotação caiu 3,4% nas granjas paulistas em uma semana (07:41)
Preços para a suinocultura independente têm leve alta ou estabilidade nesta semana (07:40)
Suínos: mês se encaminha para o final com cotações mistas (07:37)
Milho cai no mercado físico com início da colheita, mas sobe na B3 (07:28)
Soja em Chicago pode mudar patamar de preços com influência do mercado climático nos EUA a partir de junho (07:21)
Produtores de soja tiveram 1º quadrimestre com resultado financeiro positivo (07:19)