Domingo, 05 de Julho de 2020
Exportação

O perigo de mexer com o Irã

Família Bolsonaro, a exemplo de Trump e de Netanyahu, escolhe agora esse país para críticas.
São Paulo, SP, 18 de Abril de 2019 - A família Bolsonaro começa, agora, a mexer com o Irã, no rastro de Donald Trump e de Binyamin Netanyahu, que não se cansam de fazê-lo, cada um com suas razões.

Neste mês, o deputado Eduardo Bolsonaro disse em rede social que o Irã é o país mais malquisto do Oriente Médio, que dá suporte a grupos terroristas e causa caos na região.

O problema é que, para o agronegócio brasileiro, esse é mais um importante parceiro comercial que pode ser afetado por paixões ideológicas.

O Irã ficou com 18% do milho exportado pelo Brasil nos três primeiros meses deste ano. Os iranianos compraram 1,2 milhão de toneladas. No mesmo período do ano passado, haviam comprado 2,24 milhões de toneladas.

A concorrência internacional neste ano será acirrada no setor de milho, e o Brasil não poderá se dar ao luxo de perder um mercado importante como esse.

A vizinha Argentina terá produção recorde de 46 milhões de toneladas, e sobrarão ao país pelo menos 30 milhões de toneladas do cereal disponível para exportar.

O milho, com liquidez menor do que a soja, é sempre menos rentável para os produtores brasileiros, e as exportações são necessárias para dar renda ao setor.

E as vendas externas serão bastante relevantes neste ano, uma vez que a produção brasileira caminha para mais um recorde. A Céleres estima a safra 2018/19 de milho em 98 milhões de toneladas. Desse volume, 70 milhões de toneladas viriam da safra de inverno, a chamada safrinha.

O Irã é importante também nas compras de soja e seus derivados. O país ficou com 286 mil toneladas da soja e 279 mil do farelo exportados pelo Brasil no trimestre.

Tradicionais importadores de carnes e de açúcar, adicionaram também arroz na lista de compras neste ano.
De janeiro a março, os gastos totais dos persas no Brasil foram de US$ 548 milhões. Em todo o ano de 2018, levaram mercadorias no valor de US$ 2,2 bilhões.

As exportações totais do agronegócio brasileiro somaram US$ 102 bilhões no ano passado.
(Folha de São Paulo) (Mauro Zafalon)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Domingo, 05/07
Sexta-Feira, 03/07
China absorve 10% de toda carne bovina produzida no Brasil (08:46)
Frangos, pintainhos e até ovos: caminhoneiro conta como carrega carga viva (08:44)
Inspeções na China devem atrasar fluxo nos portos (08:43)
Quinta-Feira, 02/07
Suínos: cotações encerram junho em alta (09:35)
Boi: vantagem da carne sobre boi se reduz em junho (09:30)
Milho fecha 1º dia do mês subindo no mercado brasileiro (07:37)
Apesar de safra recorde de soja, país deve fechar ano com menor estoque da história (07:27)
Soja: Brasil fecha semestre com embarques de mais de 63 mi de t, 43% a mais na comparação anual (07:19)
Quarta-Feira, 01/07
Plano Safra 2020/2021 entra em vigor nesta 4ª feira (09:52)
Frigoríficos: Paim quer anular portarias com medidas de prevenção que ele considera ineficazes (09:45)
Surpresa no relatório de área plantada eleva preços de soja e milho em Chicago (08:00)
Terça-Feira, 30/06
Mato Grosso já colheu 31,56% da segunda safra de milho; preços caíram 17% no mês (09:18)
O uso de imunomoduladores e betaglucanos nas aves é tema do novo episódio do podcast da FACTA (09:01)
China suspende importações de carne de três frigoríficos brasileiros devido à Covid-19 (06:26)