Terça-feira, 14 de Julho de 2020
Agronegócios

FAO prevê avanço menor da demanda por commodities
Genebra, Suíça, 17 de Abril de 2019 - Os preços da maioria das commodities agrícolas deverão continuar em queda em termos reais no futuro próximo, de acordo com projeções da FAO, agência das Nações Unidas para agricultura e alimentação.

Em debate entre especialistas sobre as tendências para as matérias-primas organizado pela Unctad, a agência da ONU para comércio e desenvolvimento, em Genebra, a representante da FAO, Katia Covarrubias, apontou uma desaceleração no crescimento da demanda nos próximos anos.


A análise da FAO se apoia numa equação composta por crescimento menor da população mundial, aumento de renda de 3,5% ao ano, preço do barril de petróleo em US$ 67 por volta de 2027 e desvalorização das moedas dos principal exportadores de commodities agrícolas.

Para Katia Covarrubias, haverá uma gradual substituição em certas áreas de consumo- carnes inclusive -, e o incremento do consumo de açúcar e óleos ampliará preocupações de saúde pública para combater a má nutrição.

Conforme a FAO, o valor global da produção agrícola deverá aumentar cerca de 15% até 2027. Entre as lavouras, o aumento tende a ser de 14,5%, na pecuária de 14,7% e na pesca de 12,4%. A maior parte das expansões refletirá alta de volumes.

Outros analistas mostraram que os índices de preços de alimentos continuam bem abaixo do pico. O preço internacional do açúcar, por exemplo, está 54% mais baixo que seu pico de janeiro de 2011. Já a cotação da carne bovina é 23% inferior ao pico observado em agosto de 2014.

Laurent Pipitone, diretor da consultoria FarmBridge International, de Londres, abordou as perspectivas para o mercado internacional de café. Destacou que a produção mundial deverá crescer 1,5% em 2018/19. O Brasil, maior produtor, aumenta seu volume em 19%, enquanto o resto do mundo tem declínio de 6%. Nos últimos cinco anos, o Brasil contribuiu com 52% do aumento global da produção.

O consultor destacou que as tensões no comércio internacional atingem também o comércio de café. China e Canadá aumentaram as tarifas de importação do café originário dos EUA. E quem ganha não é quem produz a commodity: exportações de US$ 20 bilhões de café resultam em ganho de US$ 200 bilhões para a rede de distribuidores.

Janvier Nkurunziza, chefe da divisão de commodities da Unctad, observou que as persistentes tensões comerciais entre os EUA e a China podem "amortecer" os preços de metais em 2019. Para a secretária-geral adjunta da Unctad, Isabelle Durant, a volatilidade persistente nos mercados de commodities inquieta porque 91 de 135 países em desenvolvimento são muito dependentes de poucas matérias-primas.

(Valor) (Assis Moreira)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Terça-Feira, 14/07
Agências da ONU recomendam mudança na área de alimentos (10:16)
Crise? Que crise? Setor de alimentos está bombando na Bolsa (10:12)
Ajuste da oferta faz frango subir no país (08:38)
Governador do Tocantins reafirma compromisso com a iniciativa privada visando a geração de empregos (08:25)
Sistema de compartimentação abre portas para a avicultura catarinense em mercados exigentes (08:20)
Brasil importa mais que o triplo de soja nos primeiros 8 dias úteis de julho do que em todo mesmo mês de 2019 (07:39)
Apenas em 2 semanas de julho Brasil já exportou 132% a mais de milho do que todo o mês de junho (07:30)
Segunda-Feira, 13/07
Doença de Gumboro é tema do novo podcast FACTA (14:59)
Frigoríficos avícolas gaúchos investem no combate a pandemia (14:58)
OVOS/CEPEA: maior demanda e oferta limitada elevam preços (13:05)
Milho: indicador CEPEA volta a fechar acima de R$ 50/sc (13:02)
Soja: com baixo excedente, importação é a maior desde ju/16 (13:00)
PDSA desevolve cursos virtuais para garantir sanidade no RS (11:06)
Instituto Ovos Brasil e CEPEA criam ferramenta para consulta de preço de ovos (08:34)
Governo do Paraná e JBS discutem investimentos no Estado (08:00)
Uberlândia recebe anúncio de R$ 80 milhões em investimentos (07:59)
Secretaria de Saúde do Paraná acompanha atividades em frigoríficos (07:57)
Pandemia estimula consumo de frango no mercado interno e aquece exportações (07:57)
Sexta-Feira, 10/07
Com alta de 24,5%, exportações do agronegócio batem recorde para meses de junho e ultrapassam US$ 10 bilhões (13:53)
FRANGO/CEPEA: apesar de queda nos embarques, preço interno da carne está firme (07:31)
Agronegócio responde por 72% das exportações catarinenses no primeiro semestre de 2020 (07:26)
Com recordes de valores de soja e milho, VBP de 2020 é estimado em R$ 716,6 bilhões (07:25)
Comercialização de soja 2019/20 e da safra nova em junho foi mais lenta (07:10)
Quinta-Feira, 09/07
SUÍNOS/CEPEA: preços do vivo sobem em quase todas as regiões; exportações estão aquecidas (09:47)
BOI/CEPEA: indicador volta a fechar acima de R$ 220 (09:46)
Dicas para inovar no agronegócio e vender mais (08:15)
C.Vale e Pluma Agroavícola colocam em funcionamento frigorífico da Plusval (08:14)
Brasil retoma posto de maior produtor de soja do planeta (07:53)
Quarta-Feira, 08/07
Produção de grãos deve atingir 251,4 milhões de toneladas segundo levantamento da Conab (11:32)
Indústria global de carne de aves se recupera gradualmente, mas 2º semestre pode trazer volatilidade (09:12)
Nui Markets vê bom potencial no Brasil (09:10)
Exportadores do Brasil propõem testar carne para acalmar China (09:10)
Exportação de grãos deve beirar recorde (09:09)