Quinta-feira, 04 de Junho de 2020
Produção

Avicultura decola no norte do Paraná
Apucarana , 15 de Abril de 2019 - Nos últimos anos, as propriedades rurais da região do Vale do Ivaí, no norte do Paraná, foram invadidas por aviários que, em pouco tempo, transformaram o panorama da produção agrícola nestes municípios. Hoje, a avicultura desponta como uma das principais atividades econômicas da região, perdendo apenas para a soja em geração de riqueza. Várias características fazem com que estas 27 cidades formem um dos principais polos do setor em todo o Paraná.

O Valor Bruto de Produção (VBP) é um índice que soma toda a riqueza produzida nos municípios através da agricultura. O documento referente a 2017 aponta que o VBP de toda a região foi de quase R$ 3,32 bilhões. Deste total, 30,1% é referente ao cultivo de soja, o que equivale a cerca de R$ 1 bilhão. Já 23,2%, ou pouco mais de R$ 771 milhões, vem da avicultura.

A importância da criação de aves para a região fica clara nos números do setor. Dos 27 municípios da região, 17 têm a avicultura de corte entre as três principais atividades agrícolas. Em oito deles, a avicultura de corte fica em primeiro lugar no VBP. Em seis, é o segundo lugar no índice e, em outros três, a atividade fica na terceira colocação.

Apucarana é a cidade com maior valor gerado pela avicultura de corte na região: foram quase R$ 117,7 milhões em 2017. A cidade conta com um 3 milhões de aves alojadas e produção de mais de 15,5 mil toneladas ao longo do ano.

Ciclo de criação
Wilson Massambani é avicultor no município. A cada 60 dias, o aviário da propriedade dele recebe 26 mil pintinhos, que depois de 45 dias são recolhidos pela empresa responsável pelos abates. Depois de 15 dias de preparo, o aviário recebe novas aves, reiniciando o ciclo.

“A criação de frangos tem crescido muito na região. Estamos muito próximos de grandes empresas e abatedouros, o que torna a atividade perfeita do ponto de vista logístico. Para o produtor, é uma vantagem imensa. O aviário não ocupa muito espaço e, com isso, não há disputa com outras culturas. É possível plantar o que quiser e ter um aviário, tudo na mesma propriedade”, diz.
Ele destaca ainda que o substrato resultante de cada ciclo, a chamado ‘cama de aviário’, pode ser usado como adubo para as plantações. “Outra vantagem é que, a cada 60 dias, o agricultor recebe uma quantia. É diferente da soja, por exemplo, que demora seis meses entre plantio e colheita. Com as aves, o fluxo de caixa fica mais dinâmico, além de diversificar a produção”.

Ovos de codorna
Apucarana se destaca ainda na produção de ovos de codorna. Foram mais de 106,4 milhões de unidades produzidas, com valor gerado de mais de R$ 6,6 milhões. A avicultura da cidade é completada pela produção de ovos de galinha, que gerou R$ 134 mil através da produção de 648 mil unidades. Toda a avicultura da cidade movimenta quase R$ 124,5 milhões, o que equivale a 42,3% de todo o VBP do município (R$ 294,3 milhões).

Arapongas de destaca na produção de ovos
Arapongas é a cidade onde a avicultura ocupa o maior percentual em relação ao VBP total. Em 2017, o município gerou R$ 347 milhões no campo, sendo 52,5%, ou R$ 182 milhões, derivado da avicultura. Com um rebanho de 1,8 milhões de cabeças, o município produziu cerca de 11 mil toneladas de carne de ave, gerando mais de R$ 92,6 milhões.

Além da avicultura de corte, a cidade é a maior produtora de ovos de galinha do Paraná. Em 2017, os 422,6 milhões de ovos geraram R$ 87,3 milhões. Já os ovos de codorna renderam R$ 2 milhões, através de 33 milhões de unidades. Os principais aviários de galinhas poedeiras existem no município há pelo menos cinco décadas, mas souberam se modernizar e hoje têm boa parte das linhas de produção automatizadas.

Potencial em crescimento
“A avicultura tem enorme potencial na região por uma série de fatores. Um dele é geográfico: temos vários abatedouros em cidades próximas, o que facilita o transporte e diminui custos. Também há a própria vocação da região, que tem uma predominância de propriedades de porte menor. Como os aviários não ocupam muito espaço, são uma opção excelente. O Paraná é o líder em frangos de corte no país e a região de Apucarana é um dos maiores polos do setor no estado”, afirma Mário Bezerra Guimarães, chefe do Núcleo Regional da Secretaria Estadual da Agricultura e Abastecimento (SEAB).

Segundo ele, há uma importância fundamental no avanço da criação de aves na região. “A avicultura eleva a produção rural e gera renda para as pessoas do campo. Isso tem reflexos não apenas econômicos como também sociais, contribuindo para a redução do êxodo rural e também dando empregos dignos a esta população”, ressalta.

Modernidade
Hoje, os aviários da região contam com o que há de mais moderno em termos de criação. Praticamente todos contam com climatizadores, que mantém a temperatura amena e umidade controlada para os animais. Além disso, boa parte das estruturas é automatizada, com a liberação de ração em períodos específicos e monitoramento 24 horas. Tudo isso eleva consideravelmente a eficiência, fazendo com que as perdas animais sejam próximas a zero, com lucros cada vez maiores.

Outro município que se destaca na avicultura é Jandaia do Sul. A cidade produziu, em 2017, R$ 67 milhões, o equivalente a 45,2% do VBP total, que foi de R$ 148,3 milhões. O número de aves é de 1,4 milhão de cabeças, com produção de 8,6 mil toneladas. Em Novo Itacolomi, um dos municípios pioneiros na implantação das granjas, a produção foi de 8,1 mil toneladas. São 1,3 milhão de aves alojadas que renderam R$ 60,4 milhões, ou 51,6% do VBP total, de R$ 117,1 milhões.
(TN On Line) (Renan Vallim )
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Quinta-Feira, 04/06
Quarta-Feira, 03/06
Covid-19: empresa pode responder por contágio (09:31)
Consumo de frango no Brasil é três vezes maior do que em 1990 (09:30)
Rumos do consumo pós-crise ainda estão indefinidos, diz JBS (09:28)
Soja dá continuidade às altas na Bolsa de Chicago nesta 4ª feira (08:32)
Asgav e Programa Ovos RS realizam em julho atividades de qualificação em formato virtual (08:27)
Suíno: preços estáveis ou com leves altas nesta terça-feira (08:22)
Vietnã habilita 4 plantas de aves e 1 de suínos para importar carne do Brasil (08:21)
Milho: mercado físico brasileiro se movimenta pouco nesta terça-feira (08:08)
Soja: produtor brasileiro só deve voltar às vendas internacionais no segundo semestre (08:05)
Embarques de soja do BR devem desacelerar a partir de julho, após recorde de volume até maio (08:00)
Terça-Feira, 02/06
JBS de Ipumirim volta às atividades: “outro ânimo para trabalhar”, diz produtor (09:10)
Soja: mercado em Chicago trabalha em campo positivo nesta 3ª feira (08:13)
ABPA afirma que o Brasil está pronto para exportar mais carnes para a China durante imbróglio com os EUA (07:39)
Embarques de carne suína batem recorde para um mês de maio (07:36)
Preço pago pelo quilo do suíno vivo no RS inicia junho estável (07:35)
Suíno: cotações estáveis ou em alta neste início de junho (07:34)
Boi: escalas de abate recuam e dão fortes indicações que a oferta de animais será menor neste final de safra (07:32)
Milho começa junho se desvalorizando no Brasil (07:29)
USDA: plantio do milho chega a 93% e 60% da soja está em boas/excelentes condições (07:27)
Soja em Chicago fica estável (07:24)
Segunda-Feira, 01/06
Governo de SC auxilia em processo de reabertura do frigorífico de Ipumirim (15:57)
FACTA lança podcast sobre avicultura (15:09)
Perspectivas dos preços de insumos e ração animal para aves e suínos para 2020 (13:45)
Webinar da Aviagen explora os meios para alcançar uma saúde intestinal ideal (09:51)
Milho começa a semana com leves quedas na B3 e em Chicago (09:46)
Soja inicia junho com estabilidade em Chicago (08:42)
China pede a estatais que parem compras de soja e carne suína dos EUA, dizem fontes (08:30)
Ministério da Agricultura recomenda que sacrifício de animais seja última opção (08:27)
‘É melhor abater no concorrente do que jogar a carne fora’ ,diz especialista em saúde animal (08:26)
Cooperativas do Sul discutem impactos da pandemia na indústria frigorífica (08:08)
Testes de salmonella acontecem antes, durante e após o abate dos frangos (08:07)
MAPA divulga consórcios municipais selecionados para participar do projeto de ampliação do mercado de Produtos de Origem Animal (08:02)
JBS tem aval da Justiça do trabalho para reabrir planta de Ipumirim, SC (08:00)
Em consulta pública, MAPA colhe sugestões sobre atos normativos da Defesa Agropecuária (07:58)
Ovos/CEPEA: menor demanda no fim de maio acentua desvalorização (07:43)
Milho: colheita da segunda safra avança e enfraquece preços (07:42)
Suíno: cotações ficam estáveis no fechamento de maio (07:33)
Embora calmo, o mercado do boi está firme (07:31)
BRF diz que contraprova de Covid-19 em fábricas em SC e RS confirma número baixo de positivos (07:19)
Sexta-Feira, 29/05
Semana teve poucas alterações nos preços físico do milho (09:59)
China deixará mercado de frango dos EUA durante recuperação (09:48)
Conselho do FCO aprova R$ 146,1 milhões em investimentos em MS (09:47)
Alojamento de pintos de corte caiu menos do que o esperado pela Apinco (09:46)
Soja: mercado ainda caminha de lado na Bolsa de Chicago nesta 6ª feira (08:02)
FRANGO/CEPEA: poder de compra frente ao farelo de soja é o mais baixo em dois anos (07:53)
Preço do boi gordo teve um ganho de 1,23% nesta semana no RS (07:44)
Suíno: cotação caiu 3,4% nas granjas paulistas em uma semana (07:41)
Preços para a suinocultura independente têm leve alta ou estabilidade nesta semana (07:40)
Suínos: mês se encaminha para o final com cotações mistas (07:37)
Milho cai no mercado físico com início da colheita, mas sobe na B3 (07:28)
Soja em Chicago pode mudar patamar de preços com influência do mercado climático nos EUA a partir de junho (07:21)
Produtores de soja tiveram 1º quadrimestre com resultado financeiro positivo (07:19)