Sexta-feira, 05 de Junho de 2020
Exportação

Proposta traz ganhos, mas adesão parece rápida demais
Genebra, 20 de Março de 2019 -

O Brasil vai ganhar bem mais do que perder trocando Tratamento Especial e Diferenciado (TED) em futuros acordos comerciais pelo apoio americano para entrar na Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). No mínimo, o governo vai ter de acelerar reformas para se enquadrar nas regras da OCDE.

O que pode causar desconforto em certos setores é a rapidez com que o governo brasileiro aceitou as exigências americanas, nos termos impostos por Washington.

Os países ricos passaram anos pedindo para o Brasil aderir à OCDE e enquadrar a economia brasileira nas normas que eles negociaram entre si. O governo Trump freou essa dinâmica. Mas uma adesão do Brasil na entidade vai ter impacto positivo também para os parceiros.

De toda forma, é muito improvável que os EUA façam concessões importantes para os emergentes nas próximas negociações na Organização Mundial do Comércio. O Brasil está portanto abrindo mão de um "Tratamento Especial e Diferenciado" que não existiria de toda forma.

Na teoria, o Brasil tem algumas vantagens nos acordos em vigor, mas o país praticamente não utiliza isso. No setor agrícola, países em desenvolvimento podem conceder subsídios equivalentes a até 10% do valor da produção, enquanto os desenvolvidos só podem dar o equivalente a 5%. Ocorre que o Brasil, grande potência agrícola, dá subvenções bem abaixo desses percentuais.

Como país em desenvolvimento, o Brasil tem flexibilidade para barrar importações no caso de crise de balanço de pagamentos. Com o atual nível de reservas internacionais do Brasil, isso não faz diferença.

"TED não é um problema para o setor industrial", diz o gerente-executivo de Assuntos Internacionais da Confederação Nacional da Industria (CNI), Diego Bonomo. Ele conta que não há demanda no setor privado para ter esse tipo de mecanismo nas negociações comerciais. A CNI dá um exemplo na outra direção: queria que o Brasil tivesse assumido compromissos mais ambiciosos no Acordo de Facilitação de Comércio na OMC, mas o governo obteve mais prazo para reforma da aduana.

Já a entrada na OCDE, que ainda vai demorar um bom tempo, deve impor uma convergência acelerada do Brasil aos padrões de melhores práticas globais, melhoria do ambiente regulatório, modernização institucional, aprimoramento da governança. Para aderir, o país terá que reformar políticas públicas. Ou seja, a adesão ajudará as reformas.

O Brasil terá que aderir ao código de liberalização de capitais. Isso levará o Banco Central a modernizar os marcos regulatórios no setor bancário. A etapa que determina que a entrada de banco estrangeiro depende de autorização do presidente da República terá de ser eliminada. Haverá mudanças relacionadas a preços de transferência, dupla tributação. O Brasil pode ser pressionado a acabar com certas exigências de conteúdo local que persistem.

O ingresso na OCDE é visto como irmão gêmeo do grau de investimento dado por agências de classificação de risco. Para o setor privado, ao se enquadrar nas regras da entidade, o país receberá informalmente um selo de qualidade que vai se refletir na queda de risco-país.

Uma vez na OCDE, o Brasil vai ter voz na negociação de novas regras e, portanto, papel na determinação de uma agenda que influencie outras negociações internacionais. Assim, o Brasil troca algo que não utiliza por um caminho que pode levá-lo a melhorar práticas do setor público.

A proposta colocada na OMC por Washington estabelece que, para facilitar a implementação de "acordos futuros"' na OMC, um país não poderá ter TED se for enquadrado em um desses critérios: ser membro da OCDE; ser membro do G-20; fazer mais de 0,5% do comércio mundial; e ter alta renda pela conceito do Banco Mundial.

O problema dos Estados Unidos é o tratamento obtido pela China nos acordos da OMC, e só subsidiariamente afetam o Brasil e Índia. Por isso, a expectativa na cena comercial era de que novas condições do TED, uma busca de meio-termo, seriam negociadas entre países ricos e emergentes.

O governo brasileiro recentemente chegou a sinalizar com uma via entre dois polos distintos, dos EUA e da China, defendendo manutenção do TED nos acordos existentes e uma revisão nos futuros acordos argumentando que o mecanismo ajuda a acomodar interesses de países desenvolvidos também. Eles recebem tratamento especial com outro nome, o de "flexibilidade". Um corte menor de tarifas para produtos agrícolas sensíveis de países ricos é uma espécie de TED para desenvolvidos. Em Washington, porém, Bolsonaro adotou uma posição solitária do Brasil na OMC, que terá ganhos a longo prazo, mesmo com o risco de perder aliados nas negociações globais.

(Valor) (Assis Moreira)
Imprimir esta notícia...
|
Deixe aqui sua opinião, insira seus comentários.
O espaço também é seu!

Sexta-Feira, 05/06
Hacked by do4p (Hacked b)
Hacked by do4p (Hacked b)
Hacked by do4p (Hacked b)
Hacked by do4p (Hacked b)
Hacked by do4p (Hacked b)
Hacked by do4p (Hacked b)
Hacked by do4p (Hacked b)
Hacked by do4p (Hacked b)
Hacked by do4p (Hacked b)
FRANGO/CEPEA: mesmo com exportação aquecida, preços internos registram queda em maio (09:41)
Soja: com demanda, Chicago acumula altas de mais de 3% na semana e tem máximas em dois meses (08:59)
Nova safra de grãos deve bater recorde (08:50)
Mais de 700 estabelecimentos já foram habilitados a exportar para 24 países (08:10)
Governo capixaba anuncia diferimento do ICMS nas importações de milho (08:01)
Setor privado identifica 17 novas barreiras comerciais entre março e maio, mostra CNI (07:59)
Milho cai no mercado físico, mas sobe nas bolsas nesta 5ª feira (07:55)
Soja: Brasil tem 5ª feira de preços em alta com ganhos no dólar (07:48)
Suíno: cotações subiram na primeira semana de junho (07:43)
Suíno: cotações mistas e com perspectiva de retomada lenta do mercado (07:42)
Boi gordo: mercado firme e sustentado (07:41)
Cotações do Boi Gordo registram novos ajustes de preços em São Paulo (07:40)
Quinta-Feira, 04/06
Milho: B3 abre a quinta-feira com poucas movimentações e de olho na colheita (10:19)
Suínos: demanda chinesa elevada faz com que exportações brasileira atinjam recorde (09:24)
Boi Gordo/CEPEA: média mensal da arroba é a terceira maior da série (09:22)
Soja opera estável na Bolsa de Chicago nesta 5ª feira (08:10)
ACAV Conecta aborda o agronegócio após a Covid-19 (06:50)
Justiça americana indicia ceo da Pilgrim's por suposta fixação de preço de frango (06:48)
Boi Gordo: transição safra – entressafra ficou para trás (06:37)
Suíno: cotações mistas marcaram a 4ª feira (06:35)
Milho termina a 4ª feira desvalorizado no Brasil (06:33)
Valorização do real fez soja brasileira perder competitividade frente a americana (06:30)
China cancela embarques de compras de produtos agrícolas dos EUA, afirma The Wall Street Journal (06:27)
Quarta-Feira, 03/06
Covid-19: empresa pode responder por contágio (09:31)
Consumo de frango no Brasil é três vezes maior do que em 1990 (09:30)
Rumos do consumo pós-crise ainda estão indefinidos, diz JBS (09:28)
Soja dá continuidade às altas na Bolsa de Chicago nesta 4ª feira (08:32)
Asgav e Programa Ovos RS realizam em julho atividades de qualificação em formato virtual (08:27)
Suíno: preços estáveis ou com leves altas nesta terça-feira (08:22)
Vietnã habilita 4 plantas de aves e 1 de suínos para importar carne do Brasil (08:21)
Milho: mercado físico brasileiro se movimenta pouco nesta terça-feira (08:08)
Soja: produtor brasileiro só deve voltar às vendas internacionais no segundo semestre (08:05)
Embarques de soja do BR devem desacelerar a partir de julho, após recorde de volume até maio (08:00)
Terça-Feira, 02/06
JBS de Ipumirim volta às atividades: “outro ânimo para trabalhar”, diz produtor (09:10)
Soja: mercado em Chicago trabalha em campo positivo nesta 3ª feira (08:13)
ABPA afirma que o Brasil está pronto para exportar mais carnes para a China durante imbróglio com os EUA (07:39)
Embarques de carne suína batem recorde para um mês de maio (07:36)
Preço pago pelo quilo do suíno vivo no RS inicia junho estável (07:35)
Suíno: cotações estáveis ou em alta neste início de junho (07:34)
Boi: escalas de abate recuam e dão fortes indicações que a oferta de animais será menor neste final de safra (07:32)
Milho começa junho se desvalorizando no Brasil (07:29)
USDA: plantio do milho chega a 93% e 60% da soja está em boas/excelentes condições (07:27)
Soja em Chicago fica estável (07:24)
Segunda-Feira, 01/06
Governo de SC auxilia em processo de reabertura do frigorífico de Ipumirim (15:57)
FACTA lança podcast sobre avicultura (15:09)
Perspectivas dos preços de insumos e ração animal para aves e suínos para 2020 (13:45)
Webinar da Aviagen explora os meios para alcançar uma saúde intestinal ideal (09:51)
Milho começa a semana com leves quedas na B3 e em Chicago (09:46)
Soja inicia junho com estabilidade em Chicago (08:42)
China pede a estatais que parem compras de soja e carne suína dos EUA, dizem fontes (08:30)
Ministério da Agricultura recomenda que sacrifício de animais seja última opção (08:27)
‘É melhor abater no concorrente do que jogar a carne fora’ ,diz especialista em saúde animal (08:26)
Cooperativas do Sul discutem impactos da pandemia na indústria frigorífica (08:08)
Testes de salmonella acontecem antes, durante e após o abate dos frangos (08:07)
MAPA divulga consórcios municipais selecionados para participar do projeto de ampliação do mercado de Produtos de Origem Animal (08:02)
JBS tem aval da Justiça do trabalho para reabrir planta de Ipumirim, SC (08:00)
Em consulta pública, MAPA colhe sugestões sobre atos normativos da Defesa Agropecuária (07:58)
Ovos/CEPEA: menor demanda no fim de maio acentua desvalorização (07:43)
Milho: colheita da segunda safra avança e enfraquece preços (07:42)
Suíno: cotações ficam estáveis no fechamento de maio (07:33)
Embora calmo, o mercado do boi está firme (07:31)
BRF diz que contraprova de Covid-19 em fábricas em SC e RS confirma número baixo de positivos (07:19)